×
356
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
FARFETCH
Account Manager (Italian Speaker)
Efetivo · PORTO
LION OF PORCHES
Copywriter
Efetivo · MINDELO
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
HACKETT LONDON (RETAIL)
Vendedor/a - Part Time - Outlet Freeport
Temporario · LISBOA
CONFIDENCIAL
Subgerente de Loja Shopping Center Lisboa Inicio Imediato (m/f)
Temporario · LISBOA
CONFIDENCIAL
Vendedor/a de Loja Shopping Center Lisboa Inicio Imediato 40h (m/f)
Temporario · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de jan. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

LVMH: um ano recorde em 2021 graças à divisão "mode & maroquinerie" fortemente rentável

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de jan. de 2022

A moda e os artigos de couro continuam a transportar a LVMH cada vez mais alto. Em 2021, esta divisão de potência, que supervisiona 14 maisons (de um total de 75), alcançou resultados recorde, contribuindo com quase metade das receitas do gigante de luxo, com um volume de negócios de 30,89 mil milhões de euros de um total de 64 mil milhões. Atinge 46% em 2020 e 42% no ano pré-pandémico de 2019. As suas vendas explodiram em particular no último trimestre (+51%).


O desfile performativo da Louis Vuitton - © PixelFormula


A sua rentabilidade também atingiu novos patamares no ano passado com um lucro operacional atual de 12,8 mil milhões de euros, assegurando a principal fonte de lucro da LVMH.

O lucro operacional do grupo subirá para 17,1 mil milhões de euros em 2021, com uma margem de 26,7%, enquanto o seu lucro líquido subirá 156% para 12,04 mil milhões de euros durante o ano (+68% em comparação com 2019). Um nível "sem precedentes na história do grupo", de acordo com o diretor financeiro Jean-Jacques Guiony.

"Para "mode & maroquinerie" (moda & artigos de couro), este é um resultado excelente, que é superior a todo o lucro operacional para 2019 (ascendeu a 11,5 mil milhões, nota do editor)", observou o gestor durante a conferência para apresentar os resultados do grupo, visivelmente desvendados por tal desempenho. Em 2021, o atual lucro operacional desta divisão aumentou 79% em relação ao ano anterior, e 75% em dois anos.

A LVMH tem progredido especialmente a nível internacional. A começar pelos Estados Unidos, que se tornaram o seu principal mercado com uma quota de 26% e que aumentou 25% ao longo de dois anos, ganhando dois pontos. Tudo isto com um crescimento trimestral muito forte e regular (de 15 a 30%). O grupo pode contar com uma boa presença na América, nomeadamente graças à Tiffany e Louis Vuitton, "a marca líder no mercado americano", de acordo com Bernard Arnault.

A Ásia excluindo o Japão, o principal mercado para a LVMH a nível regional com 35% das ações, registou um aumento de 31% e um ganho de cinco pontos em comparação com 2019. "São sete pontos retirados da Europa", observa Jean-Jacques Guiony, que descreve a situação no Velho Continente como "um pouco mais complicada, mas a melhorar". A queda de 18% nas vendas registada no início do ano, no primeiro trimestre de 2021, foi na realidade gradualmente reduzida, levando a um ligeiro aumento de 1% no último trimestre. "Isto significa que as nossas equipas no terreno conseguiram compensar a ausência de turistas com clientes locais, o que significa um trabalho muito mais difícil", continuou. Para o ano no seu conjunto, as vendas na Europa caíram 8%.

"Na Europa, como nos Estados Unidos, desenvolvemos uma forte relação com os nossos clientes locais. Na Europa, substituímos parcialmente os turistas graças ao nosso trabalho de proximidade e à maior atratividade das nossas marcas", acrescentou o CEO Bernard Arnault, elogiando "a grande devoção da força de vendas".


A progressão das vendas por atividades de grupo - LVMH


"Penso que a clientela asiática não voltará em breve", disse ainda, esperando que regressem até 2023 ou mesmo 2024. Este afastamento forçado da Europa não afetou visivelmente as despesas dos consumidores chineses mais ricos. "Descobrimos que os nossos clientes chineses, enquanto as viagens eram reduzidas, compraram-nos mais do que em 2019. A questão é como estar perto deles, como fazemos na Europa", acrescentou o responsável do grupo, sublinhando que "estes clientes são cada vez mais seletivos, avançando para marcas que vendem mais do que a moda".
 
Os resultados excecionais da divisão "moda e artigos de couro" baseiam-se naturalmente na força das suas marcas. A começar pela Louis Vuitton, que Bernard Arnault considera ser "mais do que uma empresa de moda".
 
"É uma empresa criativa e cultural, que atinge uma clientela muito grande, desde os mais jovens, com a Gen Z, até aos clientes mais maduros", explica, citando o desfile de moda da última coleção masculina assinada por Virgil Abloh a 20 de janeiro, uma verdadeira atuação que reúne "orquestra, dançarinos, imagens, show".
 
"Este é o espírito da Louis Vuitton. Uma marca de cultura com uma audiência global, algo completamente diferente do que se vê na moda. Uma imagem acentuada pelas atividades artísticas da Fondation Louis Vuitton.
 
Relativamente à sucessão de Virgil Abloh, que morreu a 28 de novembro, o CEO disse que abordaria a questão "uma vez terminado o período de luto". Voltou também aos sucessos da Dior, "uma marca de alta costura muito diferente", que deveria experimentar um evento "inesquecível" no início de março com a reabertura da sua sede completamente renovada na Avenue Montaigne. Para além da Fendi, Bernard Arnault também citou o sucesso da Celine, "que é uma das marcas de crescimento mais rápido do planeta".
 
Para 2022, a LVMH vê, por isso, o futuro a cor-de-rosa. "A situação económica, se continuar como em janeiro, deverá ser próspera. Os números apoiam o crescimento. No entanto, devemos estar vigilantes, particularmente devido à inflação", concluiu Bernard Arnault, enquanto Jean-Jacques Guiony anuncia um dividendo de 10 euros por ação.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.