×
360
Fashion Jobs
LION OF PORCHES
Diretor(a) de Marketing / Marketing Director
Efetivo - CLT · PORTO
TIFFOSI
Comprador de Moda (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
MINGA LONDON
Criador de Conteúdos Digitais/ Fotógrafo
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendedor(a) - 20h - CDI - Lisboa Colombo - H/F
Efetivo - CLT · LISBOA
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. c. Colombo (m, f)
Efetivo - CLT · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. c. Alegro Alfragide (m, f)
Efetivo - CLT · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- Strada Outlet Odivelas (m, f)
Efetivo - CLT · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- Arrábida Shopping - Vila Nova de Gaia (m, f)
Efetivo - CLT · Porto
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendedor(a) - 10h - CDI - Porto Norte - H/F
Efetivo - CLT · VILA NOVA DE GAIA
BOUTIQUE DOS RELÓGIOS
Assistente de Vendas - Cascais
Efetivo - CLT · CASCAIS
BOUTIQUE DOS RELÓGIOS
Sales Assistant
Efetivo - CLT · LISBOA
LOJA DAS MEIAS
Sales Assistant Loja Das Meias - av. da Liberdade
Efetivo - CLT · LISBOA
ZADIG&VOLTAIRE
Sales Assistant 25h Porto
Trabalho temporário · PORTO
MAJE
Vendedor(a), 20Hrs - Eci Lisboa
Trainee · LISBOA
VALÉRIUS
3d Fashion Designer Intership
Estágio · BARCELOS
BIMBA Y LOLA
Vendedores - Lisboa
Trainee · LISBOA
Por
Agência LUSA
Publicado em
12 de mai de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mais de um terço das empresas de calçado têm encomendas para três meses

Por
Agência LUSA
Publicado em
12 de mai de 2021

A maioria das empresas portuguesas de calçado (86%) têm encomendas para, pelo menos, um mês de trabalho e 33% têm a produção assegurada durante os próximos três meses, revela o inquérito de conjuntura da associação setorial.


Fotografia: APICCAPS


Embora considere ser “ainda prematuro apontar para uma recuperação efetiva do setor, tanto mais que dados do ‘World Footwear’ apontam para que a retoma do consumo a nível mundial se efetive apenas em 2023”, a Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS) considera que os resultados deste último inquérito “são os mais animadores desde o início da pandemia”.

“Todas as análises são ainda prematuras, na medida em que permanecemos dependentes da evolução da pandemia e mesmo do processo de vacinação, mas todos os sinais indicam que as empresas portuguesas de calçado têm conseguido resistir e começam a revelar os primeiros sinais de confiança”, sustenta o presidente da APICCAPS citado num comunicado.

Para Luís Onofre, “importa agora consolidar os resultados e esperar que as boas expectativas relativas a alguns mercados, como por exemplo os EUA, se possam efetivar”.

Segundo as conclusões do mais recente inquérito de conjuntura da APICCAPS - ao qual responderam 99 empresas, responsáveis por 7.000 postos de trabalho e uma faturação na ordem dos 600 milhões de euros – 46% das empresas entendem que a produção atual é superior (17%) ou idêntica (29%) para a época do ano.

Por esta altura, 2% das empresas continuam encerradas, recorrendo aos apoios disponibilizados pelo Estado.

O inquérito aponta ainda que, nos próximos seis meses, 81% das empresas não equacionam suspender, ainda que provisoriamente, a produção e 82% entendem que não será necessário fazer alterações ao nível do quadro de pessoal.

“Ainda assim, primeira vez desde o início da pandemia, há mais empresas a equacionar novas contratações (10%) do que aquelas que entendem ser necessário reduzir o quadro de pessoal (9%)”, nota a associação.

A redução das encomendas (63% das respostas) permanece com a maior preocupação dos empresários, seguida agora, com 44% das respostas, pela dificuldade de abastecimento de matérias-primas.

“O lay-off simplificado, outrora uma medida de gestão de excelência para as empresas, apenas está a ser implementada por 7% das empresas, sendo que 82% das empresas não anteveem a sua utilização no próximo semestre”, refere a APICCAPS.

Já quanto aos mecanismos da retoma progressiva ou da adaptabilidade de horário de trabalho, 64% e 60% das empresas, respetivamente, não preveem também usá-los nos próximos seis meses.

Por PD // JNM (Lusa)

Copyright © 2021 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.