×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de jan. de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Maison Margiela - desconstrução desafiadora regressa ao Le Marais

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de jan. de 2020

Na manhã de quarta-feira (22), o estilista britânico John Galliano regressou ao bairro parisiense Le Marais, onde morou durante quase duas décadas, para apresentar algumas misturas de moda maravilhosas.


Maison Margiela Haute Couture


O desfile foi organizado no Hotel Coulanges, uma grande mansão que está atualmente em reforma. O segundo andar - onde apenas 200 convidados se reuniram, sentados em cadeiras escolares rosa - foi inteiramente pintado de rosa e ganhou pegadas da mesma cor, pintadas com spray.

Depois de uma longa espera, Galliano apresentou algumas maravilhosas misturas de moda: peças de museu, mas também algumas ótimas ideias assertivas de moda, bem como montagens chamativas com desconstrução artística.

O costureiro do Reino Unido também impressionou com os seus casacos de lacaio com bordas largas, com botões a faltarem e pontos falsos. Para a noite, concentrou-se nos recortes e na transparência - com vestidos de veludo ou couro e roupas íntimas nos mesmos tons, antes de combinar os dois elementos de maneira divertida.

Modelos usaram redes nos cabelos, tornando difícil identificar os géneros. Com os lábios azuis e os chapéus em vasos virados para baixo, parecia que iam a um Bal des Victimes, embora não durante a Revolução Francesa, mas sim às 5 da manhã num clube de techno em Berlim.

Assim como as roupas, a banda sonora foi uma mistura - várias músicas do falecido Malcolm McLaren, Serge Gainsbourg e Jane Birkin com “Je Tʼaime Moi Non Plus, justapostas com “Sound of Music”. Galliano deixou o melhor para o final, com um grupo de rapazes em espirituosas reinvenções do “City Gent”, fatos de banqueiro com risca de giz e os ombros cortados.

Um regresso à sua desconstrução característica e também ao local da sua queda. Foi no café La Perle, nas proximidades, onde a sua embriaguez, gravada com um telemóvel, o levou a ser demitido da Christian Dior.

Após fortes aplausos, não saiu para saudar o público. John Galliano nunca mais fez isso durante o seu mandato na Margiela, e muitas vezes deixa o local após os últimos looks desfilarem. E quando um editor perguntou nos bastidores sobre o paradeiro do designer, um membro da equipa de relações públicas respondeu: "Ah, foi embora há um dia."

Depois do desfile, um grupo de editores caminhou em redor do quarteirão até à nova loja de beleza Dover Street Market para o lançamento do mais recente perfume de Margiela, “Mutiny”, criado por Galliano.
 
Independentemente do que digam sobre John, ninguém o pode acusar de ser preguiçoso.

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.