×
Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de nov. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mango encerrará 2022 com 270 novos pontos de venda e 120 milhões de investimento

Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de nov. de 2022

A empresa de moda espanhola Mango continua a sua expansão geográfica e encerrará este ano com 270 novos pontos de venda, um em Albacete, em Espanha, atingindo um total de 2.600 espalhados pelos cinco continentes, e terminará 2022 com investimentos globais de 120 milhões de euros, quase o triplo dos de 2021.


A Mango encerrará 2022 com 270 novos pontos de venda e 120 milhões de investimento - DR


De acordo com as previsões de fim de ano, do total dos investimentos efetuados durante 2022, 40 milhões de euros foram atribuídos à abertura e remodelação de lojas e o resto foi dividido entre tecnologia, logística e estrutura.

O diretor comercial da Mango, César de Vicente, explicou que 2022 foi um ano "muito especial" com a abertura de lojas emblemáticas, como aquela que a marca inaugurou na Quinta Avenida, em Nova Iorque.

Além disso, a empresa está em expansão em países como os Estados Unidos, Canadá e Índia, bem como a crescer e a consolidar-se em mercados maduros como Espanha, França, Itália, Alemanha e Reino Unido.

Este impulso de internacionalização levou a empresa a estar presente em mais de 115 mercados, após ter entrado este ano em Marrocos e nos Camarões, e a atingir 79% do seu volume de negócios no estrangeiro.

"Estar em tantos países permite-nos diversificar e aproveitar mais oportunidades e não depender apenas de certos mercados", disse De Vicente.

Espanha é também um ponto-chave para a empresa, porque embora o mercado da moda seja muito "fragmentado e atomizado" no nosso país, com uma quota de mercado de 3%, a Mango ainda tem uma "oportunidade significativa de crescimento", considerou o executivo.

Assim, no final de 2022, a Mango terá aberto mais de 30 novos pontos de venda em Espanha, em cidades como Logroño, León, Fuengirola, Vigo, Santiago de Compostela, Melilla, Estepona, Albacete e Platja d'Aro, para além das remodelações realizadas nas lojas de Castellón, Badalona e Granada.

A empresa pretende "continuar a crescer" e aproveitar as oportunidades que existem nos diferentes mercados, adaptando-se às situações de cada país.

De Vicente assegurou que, apesar das consequências da guerra na Ucrânia, da inflação ou da situação do dólar, a empresa espera fechar o ano com um recorde de vendas de todos os tempos e exceder os 2,374 milhões obtidos em 2019, pouco antes do início da pandemia, enquanto espera atingir pelo menos o mesmo nível de EBITDA que em 2021.

A Mango abandonou as suas operações diretas na Rússia em junho passado e iniciou um processo de transferência das suas próprias lojas para os franqueados por um "preço simbólico".

Assim, das 55 lojas da empresa que operava no país no início da guerra na Ucrânia, a empresa fechou definitivamente 11 e vendeu outras 17, enquanto as restantes se encontram em processo.

O mercado russo foi responsável por 8% dos lucros da empresa.

Apesar da situação atual, por enquanto, a Mango não notou uma queda no consumo nas suas lojas e o seu diretor de vendas espera uma retoma nas vendas durante as campanhas da Black Friday e do Natal, uma vez que as pessoas estão com vontade de fazer compras e festas.

Os problemas globais de abastecimento causados pela pandemia levaram a empresa do bilionário espanhol Isak Andic a tentar reduzir a sua dependência da produção chinesa e a direcioná-la mais para a área mediterrânica, para países como a Turquia e Marrocos.

A Mango está a trabalhar com um plano estratégico comprometido com a criatividade, inovação, sustentabilidade e uma proposta de valor de diferenciação.

A empresa está também imersa na conceção e construção de uma nova sede na zona industrial de Riera de Caldes, na cidade de Barcelona de Palau Solità i Plegamans, que deverá estar plenamente operacional em 2024.
 

© EFE 2023. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.