×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de ago. de 2018
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mango reduz perdas em 2017

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de ago. de 2018

Em plena viragem omnicanal, como muitas outras marcas de prêt-à-porter, a Mango tenta resistir a adaptar o seu modelo para evitar muitas mudanças no consumo de têxteis. Sempre rentável desde o seu início, em 1984, a cadeia espanhola apresentou as primeiras perdas líquidas em 2016, que reduziu para metade em 2017: estas ascenderam a 33 milhões de euros em 2017 (contra -61 milhões em 2016), como detalha a empresa num comunicado.


Campanha outono-inverno 2018 com Amber Valletta e Carolyn Murphy, por Mario Sorrenti - Mango


Nos 12 meses de 2017, o seu volume de negócios atingiu os 2,194 mil milhões de euros, uma queda de 2,9% em relação ao ano anterior. É o canal de vendas online que permite à Mango limitar a queda, uma vez que esta atividade cresceu 15,4% em 2017, atingindo os 339,2 milhões de euros, constituindo agora 15,5% do total das vendas do distribuidor.
 
Além disso, a marca conseguiu impulsionar o seu EBITDA, que subiu de 77 milhões de euros em 2016 para 115 milhões em 2017 (um aumento de 50% após um ano muito fraco em 2016). Segundo a marca, o segundo semestre, com altas temperaturas nos seus principais mercados, moderou um bom arranque. "Se no segundo semestre do ano as vendas acompanhassem as do primeiro semestre do ano, o grupo teria regressado ao lucro, que era o nosso principal objetivo no início do ano", diz Daniel Lopez, vice-presidente executivo da Mango. No entanto, Lopez mostra-se bastante confiante para o ano em curso, uma vez que as vendas da coleção da primavera de 2018 terão vivido cinco meses de crescimento contínuo, graças à web.

A cadeia de Barcelona deverá, portanto, cruzar o marco de 20% de volume de negócios concretizado online em 2019. Além disso, as transações operadas em ecrãs móveis (smartphone, tablet) superaram em 2017 as realizadas através de um computador. A plataforma da marca terá recebido 450 milhões de visitas ao longo do ano, ou seja, mais 50 milhões do que em 2016. Este ano, Irão e Ucrânia irão juntar-se à lista de 83 países nos quais a Mango tem uma e-shop.

A estratégia de retalho da Mango centra-se na implantação de lojas de grande superfície (mais de 1.100 metros quadrados) que incluam toda a sua oferta (homem, mulher, criança). Dos 2.190 pontos de venda físicos que administra (812 mil metros quadrados, +1,8%), a marca distingue 211 megastores, sendo que 20 foram inauguradas em 2017. Um movimento desencadeado em 2012: em seis anos, o tamanho médio das lojas aumentou 54%, enquanto, ao mesmo tempo, muitas lojas de médio porte fecharam as suas portas. E é esse o modelo de franchise que é especialmente estimulado para aberturas futuras: o objetivo é adicionar, em 2018, 45 mil metros quadrados de lojas franchisadas em todo o mundo.

Para operar a transformação da marca, foi desbloqueado um orçamento de 45 milhões de euros em 2017, principalmente destinado a renovar os sistemas de informação. Este orçamento permitiu também o recurso à inteligência artificial para melhor recomendar produtos online e por e-mail, e acompanhou sobretudo a criação de um "atendimento ao cliente". Esta equipa, liderada por Guillermo Corominas (antigo diretor de comunicação), tem como objetivo identificar melhor os consumidores para assim lhes propor os melhores roteiros e ofertas para, por fim, melhorar a sua fidelidade. Em 2018, os investimentos realizados devem chegar aos 50 milhões de euros.
 
Por fim, a empresa ibérica indica que a sua dívida foi reduzida em 202 milhões de euros no ano passado: agora é de 415 milhões, contra 617 milhões em 2016.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.