×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
23 de fev. de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mango vai comercializar marcas de terceiros através do seu e-commerce

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
23 de fev. de 2021

A plataforma de e-commerce da Mango dará as boas-vindas a marcas de terceiros. Será a partir da próxima primavera que o catálogo online da marca de Barcelona, que detém o título de segundo grupo de distribuição de moda em Espanha, irá ampliar a sua oferta em categorias de produtos complementares. Uma evolução tecnológica que dará capacidades de marketplace à sua loja online, até agora centrada na venda monomarca.


Loja da Mango em Barcelona - Mango


Falando sobre a estratégia da empresa, que visa oferecer aos seus clientes "novos produtos que atendam às suas necessidades”, Elena Carasso, diretora de online e cliente da Mango, declarou: “O nosso objetivo não é transformar-nos num marketplace multimarcas de massas, mas ampliar a nossa oferta comercial lado a lado com marcas que se enquadrem no nosso posicionamento.”
 
Assim, após trabalhos de desenvolvimento das suas plataformas, a Mango fechou um acordo com a marca italiana Intimissimi, propriedade do grupo italiano Calzedonia. Uma aliança de três anos que permitirá que a empresa de lingerie comercialize uma ampla seleção das suas peças através do canal online da Mango. Embora o lançamento se realize, inicialmente, em seis países (Espanha, Portugal, Holanda, Alemanha, Reino Unido e França), o objetivo da marca espanhola é ir alargando o seu serviço a todos os mercados nos quais opera online.

“O ecossistema tecnológico que foi desenvolvido nos últimos meses para poder comercializar as coleções da Intimissimi permitirá a integração de novas marcas acedendo aos seus próprios produtos e stocks”, continuou Elena Carasso, especificando que a intenção da Mango é continuar “a analisar novas oportunidades que agreguem valor” e sublinhando a necessidade de serem “extremamente cuidadosos” na seleção e enquadramento das empresas à marca Mango.
 

Marcas espanholas convertem-se em marketplace



Nos últimos meses, marcados pelos efeitos da pandemia e pela luta pela sobrevivência dos negócios de moda, o efeito marketplace tem estado na ordem do dia entre as empresas espanholas. Se em abril de 2020 a El Ganso foi pioneira ao lançar o seu marketplace, em setembro passado o grupo Tendam deu um passo em frente com o anúncio da evolução da sua loja online em plataforma multimarca. No início do ano, foi a vez da Scalpers, que até incluiu marcas alimentares gourmet na sua seleção.
 
Por seu lado, a Mango aproveitou os meses afetados pelos encerramentos e restrições para acelerar o seu negócio em diferentes âmbitos: desde a diversificação da sua oferta, com a entrada no segmento activewear ou o anúncio do lançamento da sua divisão de lar, até à reorganização das suas linhas e a consequente absorção da Violeta, passando pela renovação da imagem das suas lojas europeias a partir desta primavera.

No domínio online, a empresa orgulha-se de ser uma das primeiras empresas espanholas de moda pioneiras no âmbito digital, tendo lançado o seu e-commerce há mais de duas décadas. No final do exercício de 2019, o canal digital representava 24% das vendas totais da empresa, tendo registado uma faturação de 564 milhões de euros. Em 2021, a meta da Mango passa por alcançar os mil milhões de euros em faturação online.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.