×
372
Fashion Jobs
JD SPORT
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Taxes (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Retail DTC (M/F/D) - Temporary
Temporario · Porto
ADIDAS
Associate Accountant Accounts Payable (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Fórum Aveiro
Temporario · Aveiro
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Sines
Temporario · Sines
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Cascais
Temporario · Cascais
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Caldas Rainha
Temporario · Caldas da Rainha
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Vila Real - Nosso Shopping
Temporario · Vila Real
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de mai. de 2020
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Maria Grazia Chiuri da Dior: O olhar feminino e o trabalho com mulheres fotógrafas

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de mai. de 2020

A série de podcasts The Female Gaze, de Christian Dior, ganhou uma nova dimensão, sexta-feira (15 de maio), com uma entrevista à directora criativa da maison, Maria Grazia Chiuri, que se descreveu alegremente, a si própria, como uma "couturier" política.
 
A série foi inspirada no trabalho da teórica feminista Laura Mulvey, cujas ideias influenciaram Chiuri desde que entrou para a Dior - em 2016 - para se tornar a sua primeira diretora criativa na história de sete décadas da maison.


Maria Grazia Chiuri, diretora criativa da Christian Dior - Instagram @mariagraziachiuri

 
Chiuri, nascida em Roma, tem residido na sua cidade natal durante todo o encerramento do COVID-19, mas encontrou tempo para uma entrevista com a escritora britânica Charlotte Jansen; falando livremente sobre a forma como mina o ADN da Dior, mesmo quando faz uma abordagem iconoclasta das suas campanhas e imagens.
 
"Quando cheguei à Dior, todos me disseram que era uma marca feminina, mas temos de reflectir sobre o que isso significa. Não podemos esquecer que a moda tem um impacto muito grande na forma como as mulheres são apresentadas nos media e na fotografia. Portanto, na Dior, quero apresentar um ponto de vista feminista, já não quero apresentar as mulheres como objectos. Queria encontrar fotógrafas que entendessem o que eu pretendo fazer. Eu queria criar uma imagem diferente da mulher. O olhar feminino tem a ver com a mudança da forma como queremos apresentar as mulheres na moda. Mais como um sujeito e não como um objecto", explicou Chiuri.


Campanha da Dior primavera-verão 2019, fotografada por Harley Weir - Dior


Respondendo ao pedido de Jansen para lembrar a primeira fotógrafa que realmente causou nela uma forte impressão, Chiuri adiantou: "Foi enquanto trabalhava com Valentino - Deborah Turbeville. Fizemos duas campanhas e foi logo evidente o seu ponto de vista diferente. Fiquei fascinada com a sua imagem das mulheres. Foi a primeira a olhar para mulheres maduras que não estavam acabadas, mas que eram mais misteriosas. Não a imagem típica e glamorosa. Senti uma grande emoção, pois esta era uma forma diferente de representar as mulheres".

Jansen interrompeu: "Foi uma revolucionária, tão importante como Guy Bordin ou Helmut Newton, e igualmente pioneira", questionando de seguida se "os fotógrafos trabalham de forma muito diferente".
 
"Muito frequentemente, com um fotógrafo masculino, penso sempre que existe uma tensão sexual entre quem está à frente da câmara e quem está por detrás dela. Com uma mulher, é mais um diálogo. Sente-se isso na imagem. Uma mulher pode identificar-se com o modelo porque também é uma mulher.
É completamente diferente se for um homem ou uma mulher fotógrafa. Sinto-me mais confortável e relaxada (com uma mulher)".
 

Kiko Mizuhara - amodelo, atriz, cantora e designer norte-americana que mora no Japão desde a infância -, vestida por Maria Grazia Chiuri da Dior - Instagram @diorunofficial

 
Charlotte Jansen, continuou a entrevista, perguntando o quão difícil foi para Chiuri encontrar mulheres com quem trabalhar comercialmente.
 
"Honestamente, não foi assim tão difícil. Quando cheguei à Dior, disse imediatamente que queria trabalhar com mulheres fotógrafas, pois tencionava representar as mulheres de uma forma diferente. E a empresa apoiou-me muito neste projecto. Descobrimos que as mulheres estão muito interessadas nestas colaborações - a feminilidade com um ponto de vista diferente. Mulheres com diferentes origens... E, por isso, claro, no sistema da moda, houve algumas críticas, pois não entendiam porque era tão importante para mim fotografar com mulheres fotógrafas. A reação na Dior foi de alguma surpresa, pois, por vezes, na moda, há esta atitude de repetir uma forma de trabalhar. Não devemos esquecer que na moda, quando se fala de contemporaneidade, o que as pessoas realmente querem dizer é nostalgia", riu a estilista italiana.
 

Coleção Cruise 2019 da Dior, na Cidade do México - Instagram @diorunofficial


Além de trabalhar com fotógrafas, Chiuri também colaborou com mulheres artistas como Judy Chicago - que construiu o conjunto The Female Divine para a Dior no jardim do Museu Rodin - e com Sharon Eyal, a coreógrafa israelita, num espectáculo histórico dentro do hipódromo de Longchamp, em setembro de 2018.
 
Chiuri explicou o nome do tema principal do podcast: "Tenho muita sorte, porque a minha filha apoiou-me bastante neste processo: Leu primeiro o ensaio de Laura Mulvey. Acho que é problemático; e muito próximo de Freud, e adoro a ideia de o Female Gaze mudar com a fotografia, o cinema e os programas de televisão, como forma de representar as mulheres de tantas novas formas. É o que eu tento fazer com o meu trabalho na Dior: (Para mostrar) as mulheres em muitos aspectos - que são fortes, mas também frágeis".
 
Chiuri encarregou seis fotógrafas africanas ou de origem africana de fotografar a coleção Cruise Dior do ano passado, que teve lugar em Marraquexe.
 
"A Cruise em Marraquexe foi muito especial. Trabalhámos com artesãos e produtores de tecidos em diferentes países africanos. Assim, trabalhar com diversas fotógrafas foi importante para obter um ponto de vista verdadeiramente diferente. Eu queria que as mulheres em África reflectissem sobre o artesanato e os têxteis, como a estampagem em cera - que é tão importante", explicou ela.


Coleção Cruise 2020 da Dior, desde África do Sul a Marrocos, passando por Marraquexe - Instagram @diorunofficial


Será que o Female Gaze tem um objetivo político, perguntou Jansen.

"Penso que tudo é político. Quer seja em imagem, fotografia, moda. Mesmo o que se compra. Por exemplo, usar apenas fotógrafas femininos é político. Ser político, para mim, significa ter um ponto de vista e trabalhar de uma forma que represente isso", acrescentou Chiuri, que também contratou a fotógrafa de guerra Christine Spengler para fotografar a coleção outono-inverno 2018 para a Dior.
 
"Tentámos chamá-la, pois a inspiração para a coleção foi representativa da atmosfera revolucionária de 1968. Assim, no quadro de humor, descobrimos que em muitas das suas obras retratava mulheres. E, tive muita sorte por Christine dar imediatamente o sim para filmar a campanha. Esta é a parte do meu trabalho de que eu mais gosto. É realmente como ser uma comunidade, no fim de contas. Até a ideia de um podcast, durante o qual posso partilhar esta conversa e partilhá-la com um público mais vasto".

Maria Grazia Chiuri conclui: "Outra coisa pela qual nunca poderei estar suficientemente grata é sempre que vejo a fotografia de uma mulher, ou leio um livro de uma mulher, poder agir imediatamente: 'Posso contactá-la? Porque eu gostaria de falar com ela'. Eu adoro isso. Tantas dessas mulheres, com a mente aberta, concordarão e dirão 'sim, nós podemos fazer isso'! Então, essa envolvência faz-nos sentir como parte da comunidade e como parte de uma irmandade".
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.