×
350
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Almada Fórum - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Almada
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Loures Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Loures
SYSTEMACTION
Vendedor
Estágio · LISBOA
THE KOOPLES
Sales Assistant Part Time (20h) Lisboa
Trabalho temporário · LISBOA
THE KOOPLES
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
CONFIDENTIAL
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Braga - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Braga
LEVI'S
Store Manager (ds Porto)
Efetivo - CLT · Porto
MAJE
Assistant Store Manager - Colombo Lisbon m/f
Trainee · LISBOA
MARIA BY FIFTY
Marketing Digital
Estágio · BRAGA
MARIA BY FIFTY
Fashion Designer/ Grafic Designer
Estágio · BRAGA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
4 de mai de 2020
Tempo de leitura
11 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mary Katrantzou no lançamento de Mary Mare, saltando Londres e olhando para Paris

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
4 de mai de 2020

Poucos designers criaram uma estética tão distinta na última década como Mary Katrantzou, a criadora nascida na Grécia, radicada em Londres, que revolucionou a impressão na moda.

Todos os designers na Europa entraram em encerramento apenas semanas após a realização do seu espectáculo em fevereiro e março. No entanto, Katrantzou tem estado fechada à chave nas últimas oito semanas. Mostrando uma presciência pela qual é notada, Mary enviou o seu pessoal para casa muito antes de o governo do Reino Unido ter emitido as suas ordens de encerramento.


O vestido de Mary Katrantzou com o "mapa do mundo", durante o seu desfile primavera-verão 2020 no Templo de Poseidon, Grécia. Umlook revivalista do qual há registo na história da moda, por passar pelos salões de Napoleão III em Paris - German Larkin


Katrantzou tinha feito uma pausa na época das passerelles de Londres, em fevereiro, inspirada pelo enorme sucesso da última aparição em palco. Foi um espectáculo notável ao pôr-do-sol, e uma homenagem à sua terra natal inspirada em Sócrates, bem como em mapas astrológicos de iconografia antiga e equações matemáticas - encenadas no interior do Templo de Poseidon, num afloramento acima do Mar Egeu. Quanto à banda sonora, foi do músico grego Vangelis. O espectáculo foi também encenado para ajudar a Elpida, uma instituição de caridade infantil da qual é mecenas. Como muitos estilistas, Mary tem pensado profundamente no mundo pós-COVID-19, e planeou uma abordagem diferente para o próximo passo da sua casa de moda.
 
Katrantzou lança Mary Mare, segunda-feira (4 de maio), inicialmente prevista para estar online devido à pandemia. É uma coleção de cápsulas de férias que foi vendida a compradores no mercado parisiense do ano passado; e apresenta uma oportunidade de expandir a sua gama de tamanhos - estendendo-a até 24 UK, e 20 US.

Durante a semana passada, apanhámos Katrantzou numa chamada, enquanto se dirigia à sua nova casa em Londres, tendo acabado de mudar de casa para ficar perto do Victoria and Albert Museum (V&A). A designer grega revelou que também tenciona saltar a próxima temporada em Londres a decorrer em setembro. E, talvez, esteja a pensar em levar a sua marca para o estrangeiro, num futuro não muito distante.


Mary Katrantzou pensa levar a sua marcamais longe


FashionNetwork.com: Antes de mais, como está a Mary e os entes queridos?
Mary Katrantzou: 
Penso que estamos todos a monitorizar em todos os países, e não apenas onde vivemos. É tão chocante para mim que o Reino Unido não tenha entrado imediatamente em observação rigorosa. Na Grécia, é necessária uma mensagem de aprovação enviada por SMS para o telefone e temos de dar uma razão rigorosa para sair. Lá, são todos examinados. Aqui, no Reino Unido, tivemos de alugar um carro no fim-de-semana e eu estava em estado de choque porque as estradas não se encontravam de todo vazias. Fora de Londres, vimos tantos carros em estradas cheias que pensámos que as pessoas estavam a assistir a uma "Convenção Covid" ou algo do género! Isso assustou-nos um pouco, o facto de tudo isto ter sido permitido.

FNW: Como é que estão a viver em isolamento? Está com a família?
MK:
Fiquei em Londres, pois tivemos a sorte de ter acabado de mudar de casa.
 
FNW: Com o seu namorado?
MK:
Bem, ele tornou-se noivo após 20 anos. Antes, tínhamos alugado um pequeno apartamento, mas temos estado a renovar uma casa nos últimos dois anos e acontece que nos mudámos mesmo em fevereiro. É óptimo ter mais espaço para tudo. Antes vivíamos num espaço mínimo, como viajantes, com apenas um mini-bar que servia de cozinha. Portanto, psicologicamente, era muito mais fácil para nós. Além disso, deu-nos a oportunidade de começar a arrumar a casa - o que era importante. E, estou muito grata por haver um pequeno jardim. Aconteceu que a mudança de casas coincidiu com este momento muito difícil da história. Imagino que, para alguém num pequeno apartamento em Nova Iorque, o impacto do confinamento seria muito mais forte do ponto de vista psicológico.
 
FNW: para alguém que trabalha tão de perto com a equipa e atelier, que métodos ou meios está a utilizar para se manter ligada a trabalhar?
MK:
Como muitos outros, começámos a utilizar os avanços da tecnologia. E, cedo, tomámos a decisão de trabalhar a partir de casa. É uma nova rotina estranha com todas estas equipas conjuntas; mas também é bela de certa forma. Fez com que nos uníssemos, através deste problema; para sobreviver como negócio e para nos mantermos criativos. Foi muito emocionante aquele primeiro dia, quando vi toda a minha equipa entrar no Zoom. Nós nunca tínhamos partilhado o nosso ambiente doméstico. E eu tive tanta admiração e respeito pela equipa; de como todos os colaboradores se apoiavam e respeitavam uns aos outros. Algumas pessoas até fizeram o seu melhor trabalho. A moda reage sempre nos seus tempos.
 
FNW: Como está toda a sua equipa? De que forma é que a Mary e a equipa continuaram a trabalhar?
MK:
Bem, o meu designer de impressão digital tem sido fantástico. Tenho-o guiado através de ideias remotamente. Além disso, tivemos a sorte de trabalhar numa "grande colaboração" para 2021, um projecto que não precisa de qualquer encaixe. Sai em meados de 2021. Não está na moda. Não posso dizer mais. Na minha opinião, a melhor ferramenta de bem-estar é ser inspirado, ser criativo e manter um horário de trabalho quando se sente produtivo.
 
FNW: Fale-nos sobre a nova coleção, Mary Mare?
MK:
Mary Mare com ênfase no E. Bem, a coleção não tinha visto realmente a luz do dia. Tínhamos pensado numa coleção para todo o ano, usando as nossas impressões reconhecíveis. Com uma silhueta fácil, que se desprendesse ao longo do ano. Basicamente, uma pequena cápsula de férias onde não mudássemos tanto a silhueta, e pudéssemos alargar a gama de tamanhos até 24 UK e 20 US. Planeámos abrir em junho, e íamos enviar em abril, mas a maioria dos armazéns fechou nessa altura. Por conseguinte, vamos lançá-la agora no comércio electrónico, mas com um sentido de comunidade e de ligação.
 
FNW: Fora da moda, Katrantzou já lançou um jantar de 61 peças com Brigitta Spinocchia Freud; e uma brilhante série de tapetes hiper-coloridos com a The Rug Company. Fale-nos sobre os motivos da marca que desenvolveu para Mary Mare?
MK:
Como não podíamos filmar um lookbook, decidimos ilustrar a partir de lookbooks com carimbos, e esperamos que eles coloquem um sorriso no rosto das pessoas. Esperamos que em junho - ou sempre que as coisas voltarem ao normal - encontre o cliente.
 
FNW: A Grã-Bretanha foi muito duramente atingida por esta cruel pandemia. Será que a afectou de forma criativa?
MK:
Tente analisar para onde pensa que a moda está a caminhar. A minha perspectiva sobre isso mudou no ano passado e fizemos o nosso desfile na Grécia, no Templo de Poseidon. Não foi uma decisão estratégica, mas mais uma oportunidade de ajudar uma instituição de caridade e de voltar às minhas raízes, ao meu país natal. No entanto, isso mudou a minha perspectiva. Especialmente porque recebemos uma enorme quantidade de encomendas feitas à medida, mesmo que a recolha não fosse para ser vendida dessa forma. Mas, houve tanta procura que acabámos por saltar os desfiles de fevereiro em Londres. Sentimos que não era necessário. E completar estas encomendas fez-nos realmente pensar que, talvez como uma marca independente, deveríamos mostrar quando temos algo a dizer, e não se trata apenas da oferta da próxima época. Foi importante ter criatividade e filantropia juntos. Acho que nunca vi a minha equipa trabalhar tão arduamente e ser tão directa como nessa altura, e precisávamos de um certo momento para o desencadear.
 
FNW: Manteve-se ligada à sua comunidade de social media, ou este é mais um momento de reflexão e respeito pelo espaço das pessoas - tanto física como virtualmente - em tempo de confinamento?
MK:
A minha marca tem agora quase 12 anos de idade. Talvez agora devêssemos aproveitar esta oportunidade para mudar e fazer os nossos mais criativos. Concentrar a energia talvez não apenas no pronto-a-vestir, e não estarmos limitados pelo trabalho da última década. Não vamos aparecer em Londres em setembro. Faz parte do ponto de vista operacional sobre a forma como estamos a produzir, uma vez que não podemos entrar no mercado em junho. Portanto, estamos a mudar o nome da pré-queda para resort e a enviá-la mais tarde. Além disso, com o que estamos a fazer pelos nossos parceiros, não parece que seja a altura certa. Isso não significa não produzir uma coleção, mas não parece necessário encenar um espectáculo em setembro. Talvez as coisas voltem ao normal em 2021.
 
FNW: Houve algum momento em que percebeu pela primeira vez a gravidade da pandemia?
MK:
Provavelmente durante a Semana da Moda em Londres, eu estava numa posição embaraçosa quando trabalhava na Don Quixote, que deveria ter sido encenada em abril, na Grécia, na Ópera Nacional Grega. Mas, obviamente, foi adiada. E depois o meu telefone começou a tocar sem parar, e um amigo em Paris perguntou-me se eu estava bem, pois houve notícias de um jornal francês de que eu era o primeiro paciente na Grécia com o novo coronavírus. Que eu parecia ter desaparecido! Depois li sobre uma mulher grega que tinha uma boutique que adoeceu e talvez tenha sido daí que surgiu a confusão. Depois disso, percebi como as pessoas ficaram assustadas e como toda a gente ficou apavorada ao ir aos espectáculos. E depois, quando fui a Paris, ninguém me quis tocar. Viu-se o medo. Por isso, quando voltei para Londres, começámos a ficar em casa mesmo antes de fecharmos.
 
FNW: Após semanas de confinamento, o que levou a muita reflexão, acredita que a forma como operamos as estações da moda e as viagens vão mudar?
MK:
Penso que há uma mudança na conversa para desenhar mais roupa sem estação. Temos de olhar mais para isso e acelerar essa ideia. A necessidade é a mãe da invenção e da inovação. E sentir menos medo de tomar decisões mais arrojadas numa indústria que não estava a funcionar, é bom. Quando sinto toda a pressão, penso então em colocar para fora tanto produto, sem ter o poder de reagir! Costumava pensar que saltar uma estação era impossível, mas já não o é.  Talvez seja altura de conceber menos e produzir menos, mas, em vez disso, conceber e produzir melhor. A moda reflecte o seu tempo e esta é uma versão de guerra moderna, por isso espero que quando olharmos para trás, daqui a 20 anos, vejamos uma mudança de resmas. Uma indústria mais empática.

FNW: O consumo de moda e a forma como vemos a moda mudar, depois de termos ultrapassado esta pandemia de COVID-19?
MK:
O que estou a ouvir é bastante ousado, e isso faz-nos a todos sentir entusiasmados com a mudança. Na Grécia, como foi um marco, o espectáculo foi limitado a 250 lugares para um evento com bilhetes. Pois bem, convencemos as autoridades culturais a deixar-nos fazer dois espectáculos. Além disso, a realidade é que a influência da imprensa foi muito pequena devido à mera logística. E nenhum comprador podia vir porque estava ocupado na Europa. Mas, isso deu-lhe um vislumbre de uma certa exclusividade e tornou-o um assunto íntimo. Embora os meus espectáculos em Londres costumassem ter 700 pessoas, porque achava que tínhamos de convidar tantas. Talvez precisemos agora de aparecer só quando quisermos. O que acha?
 
FNW: Bem, a última pessoa que realmente insistiu em fazer isso foi Azzedine Alaïa. E alguns diriam que é um dos 10 melhores designers de todos. E, como resultado de mostrar sempre que queria e de fazer com que os compradores e editores viessem até Paris só para ver o seu pequeno espectáculo fora de época, o seu negócio nunca cresceu tão grandemente como o seu potencial - dado o seu talento.
MK:
Não precisa de me convencer sobre o Alaïa. Há anos que vivo com alguns dos seus vestidos! Mesmo assim, talvez o modelo de Alaïa seja o caminho a seguir. Mesmo que seja um movimento de redução de custos, isso não significa que não estejamos a avançar na direção certa.
 
FNW: Então, talvez em Paris, mas talvez também numa semana de moda diferente?
MK:
Tivemos conversas no ano passado. É um pouco mais complicado.
 
FNW: Podemos estar a falar de alta costura em Paris?
MK:
Digamos apenas que o que aconteceu nos deu mais uma perspectiva.
 
FNW: Será que todas as viagens incessantes da moda partilham alguma da culpa da crise de hoje?
MK:
Não, nem por isso. Não sei se se pode culpar a moda pela transmissão do vírus. Mas quando comecei, há 12 anos, lembro-me de como estava entusiasmada por viajar. Foi inspirador e excitante. Mas hoje, se alguém me abordasse para viajar para algum lugar, eu analisaria realmente se é necessário. Se for sustentável. Agora, quando concebemos, estamos a pensar: Será que precisamos mesmo de ter o bordado feito na Índia, as impressões em Itália e depois fazer tudo no Reino Unido antes de o enviar para todo o mundo? Ou talvez, em vez disso, devêssemos fazer design e produção locais, tudo num só local?
 
FNW: Algumas pessoas questionaram a relevância do "All About Me" para os influenciadores desta crise. Qual é a sua opinião?
MK:
Penso nos influenciadores, tantas vezes quanto os meus amigos. Então, vê-los faz-me sentir que estamos todos ligados e ajuda-me a olhar para coisas diferentes de um ângulo diferente. Gosto da forma de escape dos influenciadores mesmo antes de ir para a cama. É um bom equilíbrio do que manter os escapismos levianos num momento tão devastador. Francamente, é muito difícil ver o que se passa à nossa volta, e é muito humilhante. Muito humilhante. Quanto mais nos habituamos a isto, mais nos damos conta de que precisamos de ficar em casa e de nos ligarmos às pessoas de uma forma diferente.
 
FNW: O que será escondido deste período e o que será descartado?
MK:
Vamos manter o sentido de tentar ser melhores, e usar esta oportunidade para descartar coisas que são superficiais. Os sistemas de valores na moda e nas nossas vidas mudaram. Portanto, ninguém deve querer voltar ao que éramos antes. Vejo isso acontecer de uma forma genuína - não como um estratagema de marketing. Agora tudo está pendurado por um fio. Sustentar durante este período tão difícil é muito complicado do ponto de vista financeiro e operacional, mas espero que daí resulte uma nova perspectiva. Que trabalhemos juntos e que surja um colectivo visionário. Até mesmo que nos unamos a uma só voz.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.