×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de jun. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Max Mara Cruise: Local Color reivindica sofisticação

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de jun. de 2021

Há atualmente um grande debate existencialista na moda: será que as mulheres vão querer elegância e sofisticação quando a pandemia acabar; ou será que as suas maiores necessidades passarão mais pela facilidade e conforto? Ian Griffiths – diretor criativo da Max Mara – acredita claramente que escolherão o caminho do requinte e da graça. Prova disso é a sua coleção Cruise 2022 para a Max Mara – encenada na noite de terça-feira (29 de junho), no esplendoroso hotel mais falado de Itália, o Mezzatorre, situado na bela e verdejante ilha de Ischia – foi um hino aos Cisnes assim batizados por Truman Capote. Nada mais nada menos do que o lendário bando de belas, ricas e glamorosas amigas do escritor norte-americano, consideradas as primeiras influencers dos anos 50 e 60: Slim Keith, Lee Radziwill, Gloria Guinness, Babe Paley, C. Z. Guest e Marella Agnelli. As belezas que inspiraram o Breakfast at Tiffany's e cujo sentido único de estilo patrício de ser "uma obra de arte viva" (como disse Capote) deixou um legado duradouro na moda.


Look da coleção Cruise da Max Mara - Max Mara


Em busca de inspiração para o seu primeiro pós-lockdown de 2021, Griffiths recorreu a alguns dos seus romances favoritos, descobrindo que Capote tinha realmente passado uma primavera em Ischia, descrita numa menção brilhantemente escrita nas suas viagens globais. Quatro meses em Ischia, onde viveu numa pensão a oeste de Mezzatorre, na aldeia piscatória de Forio, descrita no seu terceiro livro, Local Color. Daí, o título da coleção.
 
Assim, a coleção e o espectáculo seguiram-se a um subtil ato de equilíbrio entre a simplicidade da vida insular e a sofisticação dos Cisnes, que desceriam duas vezes por ano a Paris para a época da alta-cultura: "almoçar no Ritz; jantar no Maxim's", disse Griffiths, expandindo a sua inspiração.

O resultado foi uma coleção Cruise de alta-costura, tanto melhor para o seu criador. Demasiadas vezes as coleções Cruise podem ser reduzidas ao uso de cocktails e fatos de banho para as namoradas exibidas como troféus. Não com Griffiths na Max Mara, onde as silhuetas lançadas são super refinadas e lisonjeiras, concebidas para mulheres com vidas profissionais ativas.
 
Nesta coleção, Griffiths apresenta novas versões do casaco clássico 101801 da Max Mara com duplo peito em camisola techno-jersey. "Por isso, ressaltam e não vincam quando se embrulham para uma viagem. É isso que é um bom design", sublinhou Griffiths.
 
 Ian Griffiths idealizou ainda cocktails com pescoços altos em funil; cortou vestidos com uma cintura alta e franziu-os na saia; como coseu blazers nas costas. 


Look da coleção Cruise da Max Mara - Max Mara


O seu look mais sensacional foi um casaco de pescoço alto bege terminado com uma capa. Como a maioria das propostas foi acompanhada por alpargatas e sandálias desportivas, sublinhando a sensação de conforto.

Tal como os Cisnes de Truman, a opulência reside na simplicidade, o estilo de vida elevado com comida simples, como esparguete partilhado entre amigos, com um molho feito de tomate fresco local.
 
As colinas e falésias de Ischia estão cobertas de gerânios, assim como as janelas de um dos hotéis preferidos dos Cisnes, a Plaza Athenée em Paris. Desta feita, uma das impressões-chave de Griffiths foram os micro gerânios vistos nas longas túnicas da socialite italiana Marella Agnelli  – The Last Swan (O Último Cisne) – casada com o presidente e acionista da Fiat, Gianni Agnelli.

Para além disso, não vimos embelezamentos superficiais ou bordados frequentemente associados a coleções de alta costura.
 
"Esta coleção gira em torno de peças de vestuário que servem uma função, e não em torno de mostrar que se vai viajar", sublinhou o designer.
 
Numa outra ligação à sofisticação dos anos 50, a Max Mara pediu a Ginevra Elkann, neta de Marella, para filmar um vídeo do desfile, com câmaras de drone pairam ao anoitecer sobre a passerelle de pedra, enseada verdejante e um mar Mediterrâneo escuro de vinho durante todo o espectáculo. 

Licenciada em Cinema, Ginevra revelará o vídeo Max Mara na quinta-feira (1 de julho), com uma estreia planeada na televisão nacional italiana.


Look da coleção Cruise da Max Mara - Max Mara


Devido ao surto de COVID-19, apenas 90 convidados assistiram ao espectáculo, que começou com a chegada do elenco de iate à doca do Mezzatorre, cenário do pôr-do-sol no Med. E não apenas veleiro qualquer, o mesmo modelo do elegante declive de 43 pés usado no filme de Anthony Minghella de 1999, intitulado The Talented Mr. Ripley (O Talentoso Mr. Ripley); o conto negro da vida autoindulgente e do assassinato entre expatriados americanos ricos, que foi filmado em Ischia.

Apoiado por uma banda sonora memorável do DJ de Nova Iorque, Johnny Dynell, que incluía a canção Una Notte a Napoli (Uma Noite em Nápoles), com letra de Alba Clemente, a qual assistiu ao espectáculo e jantar com o marido, o mestre pintor neoexpressionista Francesco Clemente.

Com Dynell a rodar numa dança pós jantar, à volta da piscina, enquanto que o equivalente ao bando atual dos Cisnes, as influencers, dançavam descortinando as suas caras conhecidas: Caroline Daur, Xenia Adonts, Alexandra Pereira, Leonie Hanne e Camila Coelho. Um momento em que reinava um surpreendente sentido de libertação e de alegria de viver enquanto as pessoas desfrutavam da simplicidade de algumas danças divertidas.

Enquanto, antes, os Cisnes eram as belas esposas de banqueiros e industriais ricos, os atuais Cisnes do Instagram contratam os próprios maridos para serem os seus fotógrafos das redes sociais.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.