×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de out. de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mercado em segunda mão atrai cada vez mais clientes

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de out. de 2020

O vestuário em segunda mão é uma tendência global, e está a tornar-se cada vez mais comum nos armários dos consumidores. Quer se trate de sites de revenda, de lojas de parcimónia, ou de marcas e retalhistas tradicionais, o marketing da moda em segunda mão é variável, e todos querem uma fatia da tarte que se torna maior a cada ano. Atualmente avaliado entre 30 e 40 mil milhões de dólares (25 a 34 mil milhões de euros), o que corresponde a 2% do peso total do setor da moda e artigos de luxo, o mercado global da moda em segunda mão deverá crescer 15% a 20% por ano, durante os próximos cinco anos, segundo a empresa de consultoria empresarial, Boston Consulting Group (BCG), que realizou um novo estudo sobre o tema para a Vestiaire Collective, a principal plataforma comunitária global para a moda desejável de pré-propriedade.


A Vestiaire Collective acaba de lançar uma nova campanha para promover a circularidade - Vestiaire Collective


Um crescimento que poderia ser muito mais forte nos mercados desenvolvidos, diz o estudo, afirmando que "algumas plataformas online poderão experimentar um crescimento de 100% de ano para ano". Este ganho inesperado será impulsionado pelo recrutamento de novos clientes voltados para este modo de compra, o que reforçará a base de consumidores já adeptos das compras em segunda mão. Em 2019, 25% dos compradores internacionais adquiriram um artigo de moda em segunda mão, comparado com 24% em 2018, representando cerca de 10 milhões de novos clientes de peças em segunda mão num ano.

A BCG, fundada pelo americano Bruce Henderson em 1963, conseguiu identificar estes comportamentos de compra através de um inquérito a 7.000 consumidores em seis países (EUA, França, Espanha, Itália, Alemanha e Reino Unido): 69% dos inquiridos disseram que estariam dispostos a consumir mais peças em segunda mão no futuro. Assim, até 2023, 27% do guarda-roupa dos consumidores de segunda mão será constituído por artigos que já tiveram uma primeira vida, em comparação com os 21% atuais.

A crescente preocupação dos consumidores com a eco-responsabilidade  acentuada desde o surto da crise sanitária  está a encorajar o crescimento deste mercado. Do painel, 70% afirmou estar a recorrer a produtos em segunda mão devido à sua sustentabilidade, em comparação com 62% em 2018. Outros critérios para a compra de segunda mão são o aspeto económico, a disponibilidade e a singularidade das peças.

"Os compradores aspiram a possuir menos peças mas de melhor qualidade, reduzir o sobreconsumo e cuidar melhor do seu guarda-roupa. O mercado de segunda mão em expansão está a ajudar a alcançar estes três objetivos", acrescenta o documento. Por exemplo, 70% dos consumidores inquiridos disseram que esta forma de comprar os incentiva a cuidar ainda mais das suas peças, e 60% dos vendedores de segunda mão não teriam pensado em dar às suas roupas uma segunda vida sem a existência e o desenvolvimento do mercado de segunda mão.

Para além destas considerações gerais, o estudo procura também dissociar os diferentes perfis daqueles que consomem esta moda em segunda mão. Identifica seis tipos de clientes, cada um com atitudes e comportamentos muito distintos. Os dois primeiros perfis correspondem àqueles que se contentam em comprar peças em segunda mão, ou seja, pessoas com menos de 35 anos à procura de artigos de alto valor acrescentado, que buscam experiência e autenticação, e pessoas com mais de 35 anos a rastrearem produtos únicos e exclusivos.


Os seis perfis detalhados dos clientes de peças em segunda mão - BCG x Vestiaire Collective


Entre aqueles que compram e revendem ao mesmo tempo, há os "compradores de impulso sofisticados", que desistem das suas roupas para comprar novas com bastante frequência; mas também os "milenares da moda", que são muito ativos nas interações sociais e revendem para adquirir novas peças; e finalmente os entusiastas da sustentabilidade, que não são muito ativos na revenda e na compra ainda mais raramente e a preços baixos, mas que estão envolvidos em muitas plataformas. O sexto perfil corresponde a uma categoria que só vende em segunda mão, sem comprar: um perfil com mais de 35 anos e que procura plataformas convenientes para vender as suas peças.
 
Finalmente, o estudo afirma que as marcas deveriam ser capazes de tirar partido deste ganho inesperado, com as opções de desenvolver os seus próprios locais de revenda, estabelecer programas de recompra ou formar parcerias com especialistas. Dos inquiridos, 62% estaria mais inclinado a comprar peças de marcas que trabalham com retalhistas em segunda mão. No ano passado, um em cada dois compradores de moda em segunda mão testou uma nova marca desta forma. Além disso, 48% planeiam consumir de novo e diretamente de um rótulo quando o tiverem descoberto em segunda mão. A segunda mão é, portanto, uma chave a ser ativada para adquirir novos clientes.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.