×
Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de ago. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mercedes-Benz Fashion Week México 2022 encerra com críticas por alegado plágio

Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de ago. de 2022

Após três dias, a Mercedes-Benz Fashion Week México 2022, que se estreou no estado sulista de Oaxaca (México), terminou no sábado (20 de agosto) com as críticas e descontentamento das artesãs mexicanas que acusaram de alegado plágio a nova marca de roupa Moravy, criada e desenhada por Ivette Morán, mulher do governador de Oaxaca, Alejandro Murat.
 

Presenta Ivette Morán sus diseños en el Mercedes Benz Fashion Week


Entre 17 e 20 de agosto, o evento reuniu um grupo selecionado de participantes, que assistiram ao desfile de moda da coleção de Morán, presidente honorária do Sistema Estatal para el Desarrollo Integral de la Familia (DIF), enquanto vários sectores de artesãos ficaram perturbados e improvisaram uma passerelle alternativa no passeio turístico da capital do estado de Oaxaca para mostrar os "desenhos originais" do vestuário usado por mulheres e homens nas comunidades indígenas do sul do México.
 
Além disso, demonstraram a sua rejeição em frente à loja de roupa recentemente aberta "Moravy" com faixas com slogans contra a mulher de Murat, ao mesmo tempo que descreveram estas peças de vestuário como alegado plágio e mutilação, uma vez que a presidente do DIF no sul do país supostamente corta as peças de vestuário tradicionais para fazer roupas de moda.

"Ivette, cortar não é desenhar" e "a nossa cultura não cabe nas montras da sua loja" podiam ler-se entre os slogans escritos gritados pelas artesãs de Oaxaca.
 
Os manifestantes também acusaram a mulher do governador do estado do sul do México de utilizar eventos públicos para promover a sua nova marca de roupa e apresentar-se como estilista.
 
"Queremos dizer-lhe que está a saquear Oaxaca, que está envolvida em concorrência desleal", disse à EFE a representante da Colectivas Texturas de Oaxaca, que preferiu não dar o seu nome por medo de represálias.
 
A artesã de Oaxaca acrescentou que "estão a sustentar a sua comercialização de têxteis sobre recursos públicos, quando há necessidades prementes", o que descreveu como "um insulto", trazendo aqui um festival de moda "quando o estado (de Oaxaca) é como é".

Mercedes-Benz Fashion Week llega a Oaxaca


Outra mulher de Oaxaca do coletivo Emprendimiento Yalalteca, que também pediu para a sua identidade não ser revelada, criticou como injusta a apropriação dos desenhos que estas artesãs têm vindo a aprender desde crianças, como parte de uma herança dos seus antepassados.
 
"Desde criança comecei a bordar, com o meu pai, com o meu avô, e não é justo que uma mulher venha e leve a nossa cultura. O que fez com os nossos huipiles, que apresentou todos desvirtuados e cortados, é uma total falta de respeito porque as nossas roupas têm história", disse uma artesã da Serra de Juárez, no norte de Oaxaca.
 
Embora os manifestantes tenham zombado do governador de Oaxaca e da sua mulher com máscaras, assim como um grupo pintado com grafite na fachada da praça San Jerónimo, onde se encontra a loja de Morán, a presença da polícia foi discreta e mantida fora das manifestações.
 
Estas queixas de alegado plágio de vestuário Oaxacan não são as primeiras a serem defendidas por mulheres mexicanas, que também levantaram a voz contra os desenhos de marcas como a Levi's e como a Zimmermann para hipotéticos casos de apropriação e plágio de desenhos considerados "sagrados".
 
O governador de Oaxaca contra-argumentou que o festival Mercedes-Benz Fashion Week não foi financiado ou promovido com recursos do governo do estado que administra.
 
"Quero deixar claro que este evento não foi promovido pelo Estado, pelo meu governo, foi iniciativa da sua organização vir a Oaxaca porque reconhece e respeita a grandeza do design dos artesãos que produzem têxteis", salientou Murat à porta do Centro Gastronómico, onde se realizou uma apresentação de pratos típicos de Oaxaca.

KRIS GOYRI por Mercedes-Benz MBFWMx | CDMX


Por outro lado, nas passerelles realizadas durante os três dias, destaca-se a presença do cantor colombiano Maluma, que, no sábado (20), agradeceu o apoio à sua carreira e apresentou a sua marca de mezcal, Contra Luz, feita com agaves de Oaxacan.
 
"Gostaria de agradecer ao povo mexicano o afeto que me tem dado desde o início da minha carreira", disse Maluma no início da apresentação das peças têxteis assinadas pelo estilista Kris Goyri.
 

© EFE 2022. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.