×
302
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
PEPE JEANS (RETAIL)
Vendedor / Vendedora - Coimbra
Efetivo · COIMBRA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Madeira Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Funchal Rua - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
19 de abr. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Metaverse Fashion Week regressará em setembro e procurará aproximar o virtual do físico

Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
19 de abr. de 2022

Com quase 70 empresas e milhares de utilizadores: assim foi a primeira Metaverse Fashion Week (MVFW). A próxima edição já está em marcha, será dentro de cinco meses (em setembro) e, segundo Giovana Graziosi Casimiro, uma das suas produtoras, perseguirá um objetivo: "o mundo virtual e o físico devem estar frente a frente e a trabalhar juntos".


Desfile da Etro na MVFW de março - MG/FWN


"O Metaverso é sobre as pessoas e para as pessoas. Queremos que seja acessível, que traga moda a todos e que esteja em todos os dispositivos. Já estamos a trabalhar na próxima edição", disse Giovana Graziosi Casimiro, produtora da Metaverse Decentraland e diretora da primeira Metaverse Fashion Week.
 
A primeira edição da MVFW foi realizada de 24 a 27 de março pela plataforma descentralizada de realidade virtual Decentraland, que colocou as suas 90.601 parcelas de terreno virtual ao serviço da moda. A Dolce & Gabbana, Tommy Hilfiger, Karl Lagerfeld e Philippe Plein estavam entre as marcas participantes.

"Na Decentraland, discutimos há muitos anos a ideia de uma tal iniciativa. Vimos 2022 como o ano da moda virtual, de explorar este sistema e de criar, ligando a moda tradicional com o Metaverso da forma correta", relevou a brasileira de ascendência italiana e portuguesa, investigadora doutorada pela Universidade de São Paulo.
 
Sem a necessidade de óculos de realidade virtual ou de descarregar software, a única coisa necessária para entrar nesta semana de realidade virtual foi um web browser. Dentro e a partir da opção "jogar como convidado", qualquer pessoa poderia criar e personalizar o seu próprio avatar com nome, roupa, e características físicas para aparecer no Metaverso.
 
Uma vez lá, o utilizador poderia vaguear por diferentes destinos e eventos de moda virtual. Desde a festa de abertura da Dolce&Gabanna aos desfiles em passerelle da Etro e Elie Saab, com avatares e peças de vestuário que têm o seu equivalente no mundo real. "Trazer marcas tão poderosas de uma forma orgânica torna-o um projeto substancial".
 
Alguns deles, explica, "entraram diretamente no projeto, trabalhando com parceiros da Decentraland, tais como a Dolce & Gabanna". Depois vieram nomes como Elie Saab, Tommy Hilfiger, Karl Lagerfeld e a nova loucura da moda nos Estados Unidos, Peter Do.
 
Por detrás desta iniciativa, a mais extensa iniciativa de realidade virtual e moda até à data, existe uma equipa de cerca de 30 pessoas. "Cada desfile de moda virtual é concebido por uma equipa de não mais de três pessoas", explica, embora especifique que são "uma plataforma de código aberto composta por muitas comunidades que estão envolvidas".
 
Estas comunidades são espaços independentes que colaboram e configuram experiências digitais para diferentes utilizadores, pelo que se o número de pessoas envolvidas na iniciativa fosse estimado, "haveria centenas, tendo em conta as equipas de cada empresa".
 

Desafio principal: educar o público


 
Com a sua visão definida para a próxima edição e satisfeitos com os resultados, é claro que o maior desafio tem sido "educar o público sobre como utilizar corretamente a plataforma". Para uma grande parte da audiência, estes foram os primeiros passos no campo do Metaverso, que está aqui para ficar como mais uma ferramenta digital.
 
"Planeamos utilizar software disponível para Windows e Mac. O Metaverso é pelo povo e para o povo, se houver alguém que não possa aceder, perde o seu significado", acrescentou Graziosi, para quem alcançar "todos os dispositivos" e ser totalmente acessível a toda a população é um objetivo para iniciativas futuras.
 
Embora seja claro que "as passerelles digitais não substituirão as passerelles físicas", e procura eliminar esta dicotomia presente nos debates sobre a realidade virtual e a moda: "As pessoas gostam de se dividir entre o mundo real e o mundo digital, mas ambos pertencem à mesma narrativa", explicou.
 
"Devemos parar de confrontar o mundo tangível e digital, ambos são ferramentas para contar diferentes partes da mesma história", adiantou sobre o que se está a tornar o principal objetivo das edições seguintes, reforçando a intenção de seduzir "novos utilizadores atraídos pelo Metaverso que descobrem que também estão interessados na moda".
 
Para realizar estes três dias de moda e Metaverso, a sua equipa trabalhou durante cerca de cinco meses na produção, com dias de "até 16 horas de trabalho". "As criações 3D levam muito tempo", disse, e é por isso que se reunirá com a equipa em julho para elaborar a estratégia para a próxima edição.
 

© EFE 2022. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.