×
339
Fashion Jobs
ADIDAS
HR Specialist - Systems Support (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
HR Specialist Gbs - Hiring Operations (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Senior Manager Product Ownership - Product Supply (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Manager Scm Products - Product Supply (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Specialist Gbs Accounts Payable - French Speaker (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Manager HR Authorization (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Manager HR Data (M/F/D)
Efetivo · PORTO
SKECHERS
Stockroom Specialist (25 Hours)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Manager Digital Content Strategy (Efficiency & Effectiveness) (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Manager Gbs HR Services (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Specialist Gbs Accounts Payable - Serbian/Croatian Speaker (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Project Manager For Content Creation (Campaign & Toolkits) (M/F/D) 3x
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Senior Project Manager For Product Presentation Ecom (M/F/D)
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Credit & Collections Specialist - Hungarian Speaker (M/F/D)
Efetivo · PORTO
FARFETCH
Studio Art Director - E-Commerce
Efetivo ·
ADIDAS
Specialist Gbs Accounts Payable - Greek Speaker (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde - Reforço de Verão
Efetivo · PORTO
TIFFOSI
Sales Assistant (m/f) - Tiffosi Centro Comercial do Colombo
Efetivo · Lisboa
ADIDAS
Senior Manager Gbs HR Services (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Manager Digital Content Strategy (Future of Content) (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Manager Product Ownership - Product Supply
Efetivo ·
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de fev. de 2023
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Milano Fashion Week regressa com um grande alinhamento e algumas estrelas a menos

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de fev. de 2023

Depois de Nova Iorque e Londres, é a vez de Milão assumir a moda feminina de 21 a 27 de fevereiro. Depois de uma programação riquíssima em setembro passado, a Lombard Fashion Week dedicada a coleções de prêt-à-porter femininas para o outono-inverno 2023/2024 retorna a um calendário menos denso, mas não menos interessante, onde as verdadeiras novidades serão compostas pelo retorno da Iceberg e pelo primeiro desfile do japonês Tomo Koizumi em Itália, enquanto que 11 nomes desaparecerão do calendário oficial de desfiles, incluindo Versace, Moncler, Boss, Dsquared2 e Trussardi.


O desfile da Dolce & Gabbana em setembro passado - © ImaxTree


O programa inclui 165 eventos, contra 210 na edição anterior, com 59 desfiles de moda, incluindo cinco em formato digital, contra 68 (incluindo sete em digital) há seis meses, e 77 apresentações (em vez de 111), bem como cerca de 30 eventos paralelos. Além disso, houve alguns desfiles incluídos nas iniciativas especiais. Por exemplo, no sábado (25 de fevereiro), o desfile da Benetton ou da Raxxy, a etiqueta chinesa do designer e génio matemático William Shen, que estreará nas passerelles milanesas nesta ocasião, ou o desfile da Maryling, outra marca chinesa que é habitual na cena lombarda, na quarta-feira (22).

A Milano Fashion Week (MFW) vai chegar assim ao cerne da questão na quarta-feira (22) com o desfile de abertura da Iceberg, a histórica marca italiana do grupo Gilmar, que não faz parte do calendário feminino milanês desde 2018. No domingo (26), o estilista chinês Shuting Qiu, que regressou a Xangai há três temporadas após a sua estreia em Milão em setembro de 2019, e o estilista japonês Atsushi Nakashima, que se juntou à MFW em fevereiro de 2016 como parte do programa DHL Exported, regressaram. Alternando entre desfiles e apresentações, tinha regressado a Tóquio nas últimas temporadas.

Jornalistas e compradores poderão contar com os tenores do Made in Italy com Roberto Cavalli e Fendi a partir de quarta-feira, seguidos pela Max Mara, Prada e Moschino na quinta-feira, Tod's e Gucci na sexta-feira, Dolce & Gabbana, Missoni e Bottega Veneta no sábado e Giorgio Armani no domingo. Mas terão de passar sem algumas maisons de prestígio, tais como a Versace, que irão apresentar as coleções desta temporada em Los Angeles a 10 de março. A Boss revelará a sua coleção em Miami a 15 de março num show "ver agora comprar agora". A Moncler mudou o seu evento Genius para Londres na segunda-feira (20), enquanto que a Dsquared2 regressou a um desfile misto de homens e mulheres, posicionando-se no calendário masculino no passado mês de janeiro.

Por sua vez, a Trussardi prefere cingir-se a uma apresentação nesta estação, tal como a maison histórica de Luisa Beccaria. Falta também Elisabetta Franchi, que desfilará fora do calendário oficial no sábado (25). Laura Biagiotti, que também está fora do calendário, antecipa o evento com um grande desfile na segunda-feira (20) no Piccolo Teatro. Uma multidão de nomes já não está no programa oficial, como a jovem marca AC9 de Alfredo Cortese, que fez a sua estreia em Milão há apenas um ano, em fevereiro de 2022, ou Portos 1061, que está a sofrer uma "reorientação estratégica", como a etiqueta anunciou recentemente. Entretanto, o designer britânico punk-queer Matty Bovan, patrocinado na última temporada pela Dolce & Gabbana, abandona Milão, deixando o seu lugar livre para o designer japonês Tomo Koizumi, que estará em exposição no domingo (26), apoiado por sua vez pela maison de luxo italiana. Destacam-se também as estreias da Avavav e da Alabama Muse na terça-feira (27), em formato digital.


Cartaz da Milano Fashion Week - CNMI - DR


Por fim, a estilista ítalo-haitiana Stella Jean e o coletivo que patrocina WAMI (We Are Made in Italy), que reúne estilistas italianos de origem imigrante, também não estarão presentes, esta decidiu boicotar a manifestação para protestar após a Camera Nazionale della Moda Italiana (CNMI) deixar de apoiar financeiramente o coletivo. No entanto, novos projetos apoiarão as minorias, incluindo a noite de sexta-feira (24), dedicada ao Oscar de diversidade e inclusão, "Black Carpet Awards" promovido pela Afro Fashion Association, uma associação sem fins lucrativos liderada pela ítalo-camaronesa Michelle Francine Ngomno, também na origem do coletivo WAMI. Tudo será igualmente uma questão de diversidade dentro da feira de pesquisa White Milano, que recebe de 24 a 27 de fevereiro sete designers de populações indígenas da América selecionados pela associação Indigenous Fashion Arts de Toronto.

Estas deserções serão ainda compensadas por muitos outros eventos paralelos, como a esperada apresentação na quinta-feira (23), da marca histórica Mila Schön, que está a ser relançada sob a égide do seu novo diretor criativo Marc Audibet, ou na terça-feira (21), a da Krizia, outro grande nome Made in Italy, que não é exibido desde 2018. Ou a exposição "White Canvas: LV Trainer in Residence" organizada pela Louis Vuitton em torno do primeiro ténis desenhado por Virgil Abloh, que será reinterpretado para a ocasião. Mas também as colaborações da Max&Co com Anna Dello Russo e Weekend Max Mara com Kate Phelan. Sem esquecer os muitos nomes novos para descobrir na secção de apresentações: ADD, Boyy, Lara Chamandi, Maison Laponte, Mantù, Pianegonda, Spaccio Alta Maglieria, Viviers, Wolford, Yali e Zineb Hazim & Karim Daoudi.

A grande novidade para esta sessão, a nova sede da Fashion Week volta a instalar-se, depois de anos, no central Palazzo Giureconsulti com múltiplas iniciativas. Por fim, a MFW será pontuada por inúmeras festas e cocktails, como o jantar exclusivo organizado pela Starbucks, encerrando no domingo (26), com a exibição do documentário "Milano: Inside the story of italian fashion" dirigido pelo americano John Maggio, durante uma noite de gala.
 

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.