×
563
Fashion Jobs
ADIDAS
Manager HR Learning & Development Gbs Porto (m/f)
Efetivo · Porto
FOREO
Marketing Manager
Efetivo · Lisbon
FARFETCH
Menswear Styling Editor
Efetivo · GUIMARÃES
ADIDAS
HR Specialist Gbs - Offboarding (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist HR Specialist Gbs Operations - General Admin (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Associate HR Specialist (M/F/D) - Gbs Operations - Benefits
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Apo/Ibp (Snp) Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist (M/F/D) - Gbs Operations - German Speaker - Bik
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner_sport Zone(m/f)
Efetivo · Maia
JD SPORT
Footwear Buyer
Efetivo · Alicante
CH CAROLINA HERRERA
Area Manager
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Sac/Bw-Ip/Fico (m/f) 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer - French Speaker
Efetivo · Porto
ADIDAS
Technology Consultant - Retail sd/mm (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
SALSA
Quality Manager - Oportunidade de Trabalhar o Produto Para Atingir Uma Qualidade de Excelência
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
JD SPORT
Demand Planner_Sport Zone(m/f)
Efetivo · Maia
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo · Braga
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de nov. de 2021
Tempo de leitura
6 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Mixte celebra o seu 25.º aniversário e um quarto de século de Mixité

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de nov. de 2021

Num momento em que muitas revistas de moda interrompem as suas edições, despedem staff e decapitam chefes de redação imperiais, é refrescante comprar a Mixte – o título parisiense de moda indie, que celebra este mês o seu 25.º aniversário.


Uma das nove capas comemorativas dos 25 anos da Mixte - Mixte


 A criação da Mixte parte de um casal de longa data – a editora Tiziana Humler e o marido, o diretor editorial Christian Ravera – como prova do poder de uma ideia simples – a Mixité (ou mistura) – para inspirar um conceito de revista e um título que se tornou uma instituição cultural.
 
Esta semana a revista e os seus muitos colaboradores banquetearam-se com uma festa até às 2 da manhã no NO.PI, um clube movimentado na Place de Clichy, em Paris, onde foi possível assistir a atuações ao vivo de Bergmann, Thee Dian e Mysterious Skin.

Da sua justa e famosa capa de lançamento a preto e branco, com a grande Stella Tennant – a top model escocesa, neta de Andrew Cavendish e Deborah Mitford, duques de Devonshire, que faleceu de morte súbita aos 50 anos –, a posar ao lado de um belo jovem hirsuto, assinada pelo fotógrafo de moda britânico David Sims. O par foi capturado como dois dançarinos, a visão mista da revista sempre foi aparente. A capa da edição 2 contava com a londrina Naomi Campbell de ascendência jamaicana e um parceiro afoito; e a edição 3, com a ucraniana Milla Jovovich, nacionalizada americana, e um belo modelo afro, acompanhados pelo slogan "Black and Proud". O que é mais notável é como o título conseguiu pressagiar por mais de uma década a predileção da nossa era atual pela inclusividade e a falta de distinção de género.
 
A Mixte passou por muitas periodicidades e propriedades. Começou a vida com duas edições por ano, antes de passar a ser mensal durante cinco anos, regressando depois ao formato bianual. Ao todo, a Mixte publicou quase uma centena de números. O título foi lançado como parte do grupo Rizzoli, antes de se tornar propriedade da Emap e depois da Mondadori, mas nos últimos 11 anos tem-se revelado um título indie controlado pela equipa constituída por marido e mulher, sendo Tiziana Humler a força motora; pelo designer cerebral Christian Ravera e pelo diretor de arte Guy Guglieri, os três últimos fundadores.
 
"O nosso conceito por detrás da Mixte sempre foi relativamente simples. Uma atitude andrógina e uma 'magazine de mode pour hommes et femmes’. Assim, a nossa escolha da moda e do design da revista é sempre muito orientada para as tendências", explicou Humler, no almoço no escritório do grupo.
 
A revista até gerou um novo termo, Mixité – que significa navegar através da vida de uma forma aberta ou transgressora em termos de género. Embora a noção tenha certamente evoluído ao longo do tempo.
 
"Quando começámos foi em 1996, quando Calvin Klein tinha acabado de lançar a CK One. Uma época em que a mensagem de homens e mulheres juntos estava subitamente a começar. Quando havia um novo espírito de transferibilidade – de homens a usarem joias femininas, ou de mulheres a usarem relógios e casacos de homem. Mas essa ideia foi agora muito mais longe", acrescentou Ravera.
 
A dupla de mentores é um famoso casal de longa data na cena francesa da moda e dos media, que trabalhou anteriormente na Condé Nast France; Humler como editora e Ravera como diretor de arte da Vogue Hommes, considerado por muitos como o título de moda mais fino publicado em França nos anos 90.
 
Desde o início, desenvolveram uma poderosa equipa interna – como o altamente qualificado Guglieri ou Frank Benhamou, o diretor de moda da revista, notório estilista e figura sempre presente nas primeiras filas de shows internacionais.
 
No seu núcleo, a Mixte representa (parafraseando o General de Gaulle) uma certa ideia de França. Como melhor expressa pelo seu slogan – Liberté, Egalité e Mixité. É uma publicação parisiense polished-yet-punchy, que se assume cultural, cool e couture, com um olhar internacional.


Capa da Mixte para o outono 1997 com Milla Jovovich - Mixte


A sua última edição comemorativa do 25.º aniversário não apresenta uma, mas nove capas – tanto a preto e branco como a cores – frequentemente com as principais marcas que anunciam dentro: Prada, Chanel, Miu Miu e Fendi. Todas as capas são compostas por casais, em múltiplas categorias de género.
 
"É a nossa homenagem à Mixité – por vezes rapaz e rapaz, ou rapariga e rapariga, ou o que quer que seja. É o espírito da ausência de género", sublinhou Ravera, no almoço no escritório do grupo na Rue St. Augustin, no novo bairro da moda de Paris, na metade oriental do 2.º Arrondissement.
 
Embora o nosso voto para a capa mais vitoriosa vá para a seleção da Vuitton, que apresenta alguns grandes trajes boémios da Space Age da sua coleção para a estação de outono-inverno 2021/2022 de Nicolas Ghesquière para a maison. Os looks captados no que parece ser uma colónia galáctica distante, ou talvez o californiano Parque Nacional de Joshua Tree, na realidade foram fotografados a uma hora a sul de Paris. A fotografia, intitulada “Riders on the Storm”, foi assinada pela nova fotógrafa favorita da Mixte, Bojana Tatarska, nascida na Bulgária e radicada em Paris desde os 18 anos, que conta com três trabalhos na edição.
 
Ao longo da sua carreira, Ravera tem revelado uma grande preocupação que resulta num longo historial de apoio a jovens fotógrafos talentosos, mesmo se nos seus primórdios a Mixte contasse com fotógrafos consagrados de primeira linha – como Paolo Roversi, Corinne Day, David Bailey e Mario Testino, que dispensam apresentações.

Inicialmente, até mesmo muitos publicitários hesitaram em apoiar o título, sem perceberem se a revista era para homens ou para mulheres; um bloqueio de início de percurso que desapareceu à medida que as atitudes mudavam e se clarificavam.


Uma das nove capas comemorativas dos 25 anos da Mixte - Mixte


O título funciona em parte como um cartão de visita para os muitos clientes comerciais do grupo que incluem o joalheiro uber-tony Van Cleef & Arpels, a marca de malas de couro Longchamp e o rótulo de design de calçado italiano extraordinário Gianvito Rossi. E como a maioria das revistas atuais, a Mixte tem muita publicidade feita na origem, incluindo mesmo as capas. E, ao contrário de outras tantas, é honesta o suficiente para o admitir.
 
Embora cada número contenha uma tradução inglesa completa de todos os artigos, a revista continua a ser quinta-essencialmente francesa. Contudo, a Mixte é também uma prova da visão abrangente da sua equipa, feita com um toque muito parisiense.
 
A tiragem da Mixte é de 60.000 exemplares por edição, com 40% das vendas no estrangeiro e 60% em França, atingindo literalmente pontuações de países com uma procura entre os 25 e os 35 anos de idade.
 
Num comentário revelador sobre os nossos tempos, o agente noticioso local da Mixte acima da paragem do metro de Paris – o Quatre Septembre – fechou esta primavera. Assim, agora a Mixte tem também um website inteligente, dirigido por Antoine Leclerc-Mougne, notável pela tipografia digitalizada peculiar e pela inovadora escolha de temas.
 
"Para mim a Liberté representa a nossa independência; a Egalité, a nossa escolha de temas e compromisso; e a Mixité, as nossas capas, e o nosso futuro", sublinhou Leclerc-Mougne.
 
As histórias tradicionais da moda francesa repetem-se mensalmente de forma esclavagista, no seio do mesmo pequeno grupo de celebridades, como Vanessa Paradis, Marion Cotillard ou Isabelle Adjani. Se se ganhasse um euro por cada capa de Catherine Deneuve, provavelmente poderia comprar-se o empreendedor multimilionário e filantropo sul-africano-canadiano, Elon Musk, que se nacionalizou americano com uma fortuna estimada em 277,60 mil milhões de euros.
 
A Mixte, por outro lado, é muito bem miscelanizada. Com características profundas sobre a cantora sueca Marie Bergmann; sobre a arte espiritual do jovem artista afro-brasileiro de Recife, Samuel de Saboia; sobre a bela atriz parisiense Garance Marillier; sobre o coletivo musical francês Klon; ou sobre a atriz lésbica muçulmana Fatima Daas. Uma nouvelle-vague de personalidades e locais que quebram caminhos, e com a Mixte sempre a permanecer muito moderna.
 
Bon anniversaire”; e encontramo-nos aos 50 anos.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.