×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de jul. de 2021
Tempo de leitura
8 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Nicky Zimmermann fala sobre coleção Resort 2022, abertura em Cannes e sua realização a partir da Austrália

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de jul. de 2021

A Austrália – um país conhecido por lutar sempre em pé de igualdade com os grandes, muitas vezes superando o seu potencial central no desporto, literatura, cinema, meios de comunicação social, vinho e busca da felicidade – tem tido tendência a um fraco desempenho na moda.


As irmãs australianas Nicky e Simone Zimmermann - Zimmermann


Podem contar-se pelos dedos de uma mão os nomes dos designers australianos que se mencionam por participarem em jantares em Londres, Nova Iorque ou Paris. Uma das muitas razões pelas quais o sucesso da marca Zimmermann é tão impressionante e notável.
 
Fundada há 30 anos, a Zimmermann começou a vida na moda com um stand de roupa em Paddington – a exuberante área de festas do centro da cidade de Sydney – quando a enérgica licenciada em Design, Nicky Zimmermann, começou a vender as suas criações em mercados de fim-de-semana.

Hoje, a Zimmermann ostenta uma mãos cheia de flagships em Londres, Nova Iorque, Beverly Hills e Paris, um enorme posicionamento em lojas de departamento globais, e uma vasta seleção de produtos na Net-à-Porter e MatchesFashion.
 
Mais importante ainda, Nicky Zimmermann criou uma estética que se destaca do panorama restante: uma mistura chique com a exuberância da sua terra natal, estampas alegres e roupa de praia original, mantendo ao mesmo tempo algo da estética boémia fresca dos seus primeiros dias em Paddington. Os desfiles da Zimmermann tinham-se tornado eventos imperdíveis no calendário da New York Fashion Week até que a pandemia abalou o nosso mundo. E, significativamente, quase todo o público nos seus shows parecia estar a usar vestuário Zimmermann, um teste decisivo para como um designer se liga aos gostos das pessoas.
 
Viajante incansável, Nicky não deixa a Austrália há meses desde o regresso em março de 2020, quando o bloqueio global se instalou. Mas a marca tem estado no entanto ocupada a filmar exuberantes vídeo-desfiles e a abrir novas boutiques – lojas satélite em Cannes e Forte dei Marmi. Ao todo, a Zimmermann conta com 42 lojas em todo o mundo.
 
Como todas as suas outras lojas, o espaço em Cannes foi concebido por John McQualter; os seus 125 metros quadrados são acabados em cal orgânica no número 11 da Rue des États Unis. A loja apresenta uma coleção de arte de colagem e esboços ousados, incluindo um desenho a tinta de 1974 do artista pop de Sydney, Richard Larter, famoso pelas pinturas da sua esposa Pat nua, e peças de Naata Nungurrayi e Gaetano Pesce.
 
A maison também revelou a sua mais recente coleção Cruise, chamada The Postcard (O Cartão Postal), que apresenta vestidos esvoaçantes, saias rodadas e blusas volumosas, incorporando a arte de James Northfield, criador de muitos icónicos cartazes de viagem australianos das décadas de 1930, 1940 e 1950.
 
Três décadas após a sua fundação, a marca ainda é gerida como uma empresa familiar, embora o veículo de investimento italiano Style Capital tenha adquirido uma participação de 70% no final de 2020. A irmã de Nycky, Simone Zimmermann, é diretora de Operações da empresa, enquanto que o marido da designer fundadora da marca, Chris Oliver, é diretor geral. A maison não revela números anuais, embora no ano passado tenham existido rumores de que a sua avaliação se aproximava dos 250 milhões de dólares.
 
O site FashionNetwork.com contatou via Zoom Nicky Zimmermann – a mãe ultra energética de duas adolescentes – numa manhã cedo em França, quando o sol se punha atrás da designer no porto de Sydney.
  
FashionNetwork.com: Porquê uma loja em Cannes? E porquê agora?
Nicky Zimmermann:
A primeira vez que vi a nossa loja em Paris foi uma das coisas mais excitantes de sempre para mim – uma loja e localização tão belas. Ser uma marca australiana a abrir em Paris é um sonho. Mas, quer seja em Paris, Nova Iorque ou Sydney ou em locais de férias, a nossa jovem gosta de viajar, tal como nós. Portanto, gostamos de ter lojas na cidade e depois abrir boutiques satélite como em Hamptons. Há décadas que vendemos por grosso a lojas multimarcas e a retalhistas online, por isso temos uma compreensão fantástica de onde vive o nosso cliente, o que compra e onde. Isto dá uma grande visão onde quer que se abra uma loja. A mulher Zimmermann viaja para lugares como St. Tropez, Cannes e Forte dei Marmi, por isso abrimos nesses lugares.
 
FNW: Cria lojas específicas, como em Forte dei Marmi, por exemplo?
NZ:
O nosso designer de lojas, John McQualter, já idealizou todas as nossas lojas. É um grande amigo e obviamente adoramos o seu trabalho. A ideia principal de John é como mergulhar num ambiente de uma forma um pouco mais informal. Assim, em Forte dei Marmi trabalhamos com um oleiro local para acrescentar um toque local ao espaço, que complementamos com peças que amamos da Austrália: pinturas e esculturas.
 
Mas, claro, é realmente importante que as lojas tenham uma atmosfera mais relaxada, como em Cannes. As nossas lojas têm de ser muito acolhedoras e confortáveis. Deve haver um sentimento de relaxamento e um espaço especial para as famílias e crianças.

Começámos com a venda a retalho. Em Paddington, numa zona noturna, com clubes de strip e bares, quando eu era estudante de Design em Darlinghurst, no final dos anos 80. Foi uma fase de grande criatividade e diversão; e esses primeiros dias permanecem na minha mente. Como conduzir uma carrinha e montar o stand... e ainda posso montar uma banca; sou muito habilidosa e boa em trabalhos manuais. Dois anos após o início já tínhamos aberto lojas físicas e eu adorava esse tipo de ligação com os nossos clientes.


Look da coleção "The Postcard", Resort 2022 - Zimmermann


FNW: Qual foi a inspiração para a sua última coleção Resort?
NZ:
Eu queria realmente uma coleção que falasse das boas recordações das fantásticas férias da minha infância, que foram relativamente simples e fáceis, mas também sobre a família. Estava a pensar na década de 1950 e nas fotografias dos meus pais; e nos artistas que fizeram fotografias turísticas para a Austrália. O principal trabalho de James Northfield foi incrível com simples e maravilhosos cartazes coloridos de férias e uma grande sensação retro. As melhores férias nem sempre são as mais luxuosas – trata-se de algo mais sobre criar boas recordações.
  
FNW: Para uma marca tão influenciada pelas viagens, quando foi a última vez que partiu e deixou a Austrália?
NZ:
Não a tenho deixado desde que voltei do Reino Unido em março de 2020 com o meu marido Chris, o nosso CEO. Devíamos ter ido a Milão e depois tivemos de encurtar a viagem quando o bloqueio global foi declarado. Em 20 anos, não tenho permanecido na Austrália durante mais de dois meses consecutivos. Nós adoramos viajar! E viajamos sempre todos os invernos.
 
FNW: O que é o ADN da Zimmermann?
NZ:
Adoro criar coisas que façam as pessoas sentirem-se bem em funções familiares, casamentos, celebrações ou batizados. Trata-se de criar memórias. 
 
FNW: Porque está tão obcecada com a renda Guipur, que é um material de Alta Costura por excelência?
NZ:
Adoro o artesanato e sinto que posso fazer qualquer coisa nesse nicho. Comecei por me sentar em frente à televisão quando era ainda muito jovem e já a fazer trabalhos manuais. Por isso, como designer, é impossível para mim ser minimal. E a minha equipa tem a mesma mentalidade: fazer flores de tecido e pregar à mão. Gostamos de dar às peças um toque pessoal. Acrescentar coisas que tremelicam na roupa quando as jovens caminham. Adoro o movimento e os tecidos que o permitem.
 
FNW: Há 10 anos desloquei-me a um dos vossos shows na Austrália e recordo quando todas as luzes se apagaram. Desde então, tornou-se uma marca muito influente com um negócio em rápido crescimento. Porque pensa ter tido tanto sucesso internacional enquanto outras marcas australianas lutam?
NZ:
Foi o nosso penúltimo desfile na Austrália: as luzes apagaram-se por toda a cidade – pouco antes do início do show! As jovens já estavam em formação, mas nós resistimos à sugestão de as enviar com tochas e no final todas as luzes voltaram a funcionar.
 
Penso que há algumas razões pelas quais as coisas correram bem para a Zimmermann. Tive a vantagem de trabalhar com a minha irmã Simone desde o início, que não quer ser designer. Simone torna as coisas concretas e é uma gestora de operações extraordinária, extremamente organizada, gere os recursos humanos e a produção e faz um trabalho titânico. O que significa que não tenho de o fazer, porque não sou boa nisso. Simone adora roupas, mas não as quer fazer, o que cria um equilíbrio incrível entre nós e por isso não conseguiria viver sem ela. Isto raramente acontece: como irmãs temos uma ligação extraordinária. Além disso, o meu marido, advogado, juntou-se a nós há 15 anos e acrescentou outro conjunto de competências. Temos investidores externos, mas gerimos a marca como uma família, e isso ajudou-nos a ultrapassar problemas que outros não tinham. Não estou a dizer que outros australianos não trabalham arduamente, mas eu trabalho incrivelmente e tive de ser resiliente. É um negócio duro e nós somos muito ambiciosos, temos de o ser.
 
E acredito que podemos alcançar muito mais. Embora a Austrália não seja historicamente ligada à moda, mas mais ao surf e diversão, e por vezes os australianos lutam para definir quem são, agora existe uma nova geração local que está a encontrar a sua voz. Viemos de praias do sul – de Cronulla – uma cidade com uma forte ligação ao surf. Hoje vivo em Vaucluse (o subúrbio mais chique de Sydney). Desde as praias do sul até às praias do porto, por isso é um pouco diferente.

FNW: Quais são os seus três designers favoritos?
NZ:
Eu faço compras na praia – venero roupa, por isso talvez aposte numa peça YSL por medida e adoro o sentido de diversão da Gucci. Mas seria difícil para mim comprar um vestido destas marcas.
 
FNW: Onde quer que a Zimmermann esteja posicionada dentro de cinco a 10 anos?
NZ:
Absolutamente no caminho em que nos encontramos agora. Com muitas aberturas de lojas, porque eu gosto muito de ter espaços comerciais. Sim, o nosso negócio online está a crescer enormemente, mas ter lojas em grandes lugares – como em Espanha ou na China – para mim é incrível. E todas já estão mapeadas.

FNW: Embora presa às temporadas Oz, jantou no fim-de-semana passado no Hamptons em Nova Iorque...
NZ:
Tento não pensar nessa parte de ter de pagar por isso. O positivo é que temos ido a Nova Iorque desde há muito tempo. São quase 20 anos a construir relações. Por isso, conheço as pessoas da festa à volta desse período de tempo. Começaram numa fase semelhante, como editores, atores e atrizes. São pessoas com quem trabalhamos muito e também sabiam que o evento seria descontraído, caloroso, divertido e confortável. Trata-se do objetivo da Zimmermann.

FNW: Poderia um dia aparecer em Paris?
NZ:
Adoraríamos muito aparecer em Paris, mas eu sentir-me-ia bastante intimidada, apesar de ser uma das minhas cidades preferidas no mundo. Mas nunca se pode dizer nunca, sobre nada!
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.