×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de set. de 2021
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Noutro lugar em Milão: Quira, Arthur Arbesser e Plan C

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de set. de 2021

Numa época em que a moda de Milão começou a recuperar da pandemia, houve muito para ver longe da passerelle. Apanhámos três jovens estilistas a pensarem de uma forma fora da caixa.
 

Quira - primavera-verão 2022 - womenswear - Milão - Photo: Camille Vivier / Quira


Quira: fabulosos sonhos proibidos


 
Há uma nova estrela da moda no firmamento de Milão. O seu nome é Veronica Leoni. A sua marca chama-se Quira.

O nome da marca vem de Quirina, a alcunha da avó de Leoni, uma estilista que é de Roma e tem um currículo hiper impressionante. Desde designer responsável em malhas para a Jil Sander a responsável de pré-coleções da Celine, sob a direção da estilista britânica Phoebe Philo. O seu currículo não importaria nada se Leoni não tivesse um verdadeiro talento. Mas o talento e a habilidade que claramente tem no intelecto e na ação. 
 
Numa tarde de sol, apresentou a sua primeira coleção dentro de um showroom normalmente utilizado em Milão para jantares de estilistas hipster. E, muito francamente, esta foi a estreia mais impressionante em Milão em muitos anos.
 
Quira tem tudo a ver com formas escultóricas, mas feitas quase despreocupadamente: um lenço de lã fino sobredimensionado atado numa saia fabulosa; uma camisa de xadrez masculina retorcida com saia punk de camadas sobrepostas; ou um tecido prateado drapeado num vestido digno de Isadora Duncan.
 
"São os meus sonhos proibidos. É muito primitivo. São cinco de nós, apenas amigos. Trabalhei em Londres três vezes na minha vida, a última foi com Phoebe na Celine. Depois voltei a Roma em 2017 e decidi criar algo pessoal. E durante a pandemia, juntámos tudo isto. Eu queria criar uma bolha e ser obstinada", explicou Veronica Leoni.
 
As roupas de Leoni drapejam, caem, parecem deslizar pelos ombros, mas tudo com tanta graça. A sua alfaiataria – avantajadas gabardinas, capas de chuva impermeáveis – é demasiado grande, envolvente, mas sempre lisonjeira. Além disso, há muita energia peculiar, como num avental de um carpinteiro de couro desconstruído em cinzento, que recordava uma escultura marcante do norte-americano de origem sueca Claes Oldenburg.
 
Feita nos melhores tecidos italianos em fábricas de primeira qualidade, a coleção parece ser feita à mão de muito alta qualidade, especialmente os seus tecidos. As criações são abençoadas com uma certa leveza; os volumes significam que flutuam sem nunca parecer frágeis.
 
"Ponho-me de joelhos a maior parte do tempo para prender as calças e outras peças de roupa. A tentar criar uma sensação de espaço. O drapeado excita-me realmente, a forma como os tecidos se comportam espontaneamente. Sou muito táctil e brinco com a fluidez ao longo de uma alfaiataria muito estruturada. Gosto desse ecletismo", disse a romana e romanista, uma vez que apoia o clube de futebol FC Roma.
 
Além disso, todo o projeto Quira veio totalmente concebido com acessórios complementares – botas tipo tamancos medievais arty ou uma série de totes suaves. Havia mesmo alguns looks poéticos de roupa masculina.

"A minha primeira vez a fazer roupa masculina e saiu espontaneamente. É para mim uma grande oportunidade de desafiar o género com uma visão mais alargada. Quero ser sofisticada para todos. Quero encaixar muitos personagens e não ser um nicho", concluiu Leoni. 
 
Desde que Phoebe Philo se reformou há três anos, os fashionistas têm andado numa busca do Santo Graal para encontrar o seu sucessor. Acontece que não precisavam de procurar tão longe. Basta ir a Roma.
 

Carolina Castiglioni na exposição "Tokyo and its Contemporary Storytellers" (Tóquio e os seus Contadores de Histórias Contemporâneas) - Photo: Plan C


Plan C x Perimetro Tokyo



A Plan C é a maison de moda caloira de Carolina Castiglioni, uma estilista milanesa sofisticada com um fraquinho por Tóquio. Daí o seu mais recente projeto: uma exposição de galeria e uma ligação criativa com a revista e o grupo de arte Perimetro, numa edição especial dedicada ao Japão.
 
O resultado foi uma grande coleção com imagens captadas por oito fotógrafos – japoneses, italianos e franceses – de Tóquio, desde estudos de antigos barbeiros e de estradas e rios escuros e tortuosos, a paisagens urbanas excêntricas e bares curiosos. Tudo o que torna Tóquio uma capital única.
 
"Tóquio é a minha cidade estrangeira favorita, e onde encontro tanta inspiração. Por isso, adorei a ideia por detrás deste conceito, de ver Tóquio de tantos ângulos diferentes", explicou a designer. 
 
As imagens foram todas expostas em enormes rolos de tecido suspensos dentro da galeria de arte no sul de Milão, numa exposição intitulada "Tokyo and its Contemporary Storytellers" (Tóquio e os seus Contadores de Histórias Contemporâneas).
 
A par disso, a Plan C produziu uma seleção de edição limitada de T-shirts virgens sobre as quais foram cosidas reproduções de tecido fino das fotografias de Tóquio. 
 
Paralelamente, houve uma seleção de novos produtos japoneses do dia-a-dia, desde tesouras de frisar a bules, em mais um exemplo da forma muito particular de misturar arte e à vertente comercial da Plan C.
 

Arthur Arbesser - primavera-verão 2022 - womenswear - Milão - Photo: Arthur Arbesser


Arthur Arbesser: um bucólico na Via della Spiga



Sempre uma voz nova no firmamento da moda de Milão, Arthur Arbesser criou uma pop-up que funcionou tanto como galeria e showspace nesta estação.
 
O designer chamou-lhe "Arthur Arbesser Casa", a última utilização do espaço como parte de um projeto denominado "Visiting Installation Art" (VIA), uma série de curadorias de múltiplas disciplinas, expostas em montras vazias a fim de reiniciar a economia milanesa. Localizado na rua comercial de luxo Via della Spiga, apresentava um maravilhoso pano como que de fundo de um conto de fadas pintado à mão, a um estilo Matisse, e todo o tipo de obras espirituosas de reciclagem, juntamente com objetos para a casa.  
 
"De que serve deitar fora caixas de DHL e Amazon, quando se podem transformar em flores", sorriu Arbesser junto a vasos com estas "flores secas" cortadas a tesoura e pintadas à mão para decoração.
 
A sua nova coleção revelou-se igualmente ingénua, com silhuetas largas e infantis ou camisas quadradas, e juvenis, feitas em popelina japonesa de papel ou nylon técnico. Insólitos vestidos de xadrez com enormes bolsos de patch, pintados à mão com imagens de jardins bucólicos; ou tecidos estampados de patchwork em xadrez transformados em vestidos plissados. Todos encimados por grandes chapéus de palha de toureiro em croché.
 
Tudo muito despreocupado, e muito Arthur.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.