×
266
Fashion Jobs
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D) - Maternity Leave Cover
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Technology Consultant - Product & Supply Chain (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Tech Project Manager - Sales Tech (M/F/D)
Efetivo ·
PRIMARK - PORTUGAL
Estágio Curricular Manager Comercial
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Service Manager - Sales Services (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Buyer - German/Italian/French/Spanish (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Specialist Payroll (m/f) - HR Services - German Speaker
Efetivo ·
ADIDAS
Sap Consultant - bw4hana/Sac (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Sap Consultant - bw4hana/Sac (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Ariba (M/F/D)
Efetivo ·
SACOOR BROTHERS
Fiel de Armazém (Storekeeper) - c. Comercial Colombo
Efetivo · Lisboa
SPORT ZONE
Financial Controller (m/f)
Efetivo · Maia
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. Comercial Ubbo Alfragide
Efetivo · Lisboa
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Sac/bw-ip/Fico (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
FOREO
Marketing Manager - Portugal
Efetivo · LISBON
RITUALS
Sales Assistant (m/f) – Amoreiras – Part Time
Efetivo · LISBOA
RITUALS
Sales Assistant (m/f) – Alfragide – Full Time
Efetivo · CARNAXIDE
CONFIDENCIAL
Gerente
Efetivo · PORTO
JUST FASHION
Modelo de Prova de Roupa Senhora e Assistência Comercial a Vendas em Showroom
Temporario · PORTO
MAJE
Assistant Store Manager - Lisbon Amoreiras
Temporario · LISBOA
CAMPER
Vendedor (a)
Efetivo · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
4 de mai. de 2022
Tempo de leitura
7 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

O mercado mais quente do luxo: relógios contemporâneos não vintage

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
4 de mai. de 2022

Poucos luxos têm provocado uma procura tão grande nos últimos anos como os relógios de alta qualidade, a expressão máxima do luxo. E isso é mesmo verdade, quer sejam novos em folha, quer sejam pré-adquiridos.


Foto: Cortesia da Dreyfuss Mayet - Courtesy of Dreyfuss Mayet


Ter um relógio de gama alta é agora considerado um investimento, o oposto de joalharia, que perde valor assim que se sai do joalheiro. Os ricos internacionais de hoje têm tanta riqueza em ações e propriedades que começaram a diversificar-se em relógios.  Hoje em dia, fundos de cobertura, escritórios familiares e bancos privados na Suíça estão até a adquirir relógios – algo inédito há meia década.
 
O líder do mercado de relógios de coleção permanece Watchfinder.com, no entanto, várias empresas smart indie também têm vindo a entrar em ação com sucesso. Desde os negociantes europeus que atuam de boca em boca na Dreyfuss Mayet; à boutique da European Watch Company em Boston, até à revista The Rake – liderada pelo seu loquaz editor fundador e man-about-town, Wei Koh – um grupo de especialistas ágeis, que tem vindo a montar com sucesso este mercado em expansão.

Um exemplo perfeito é a Dreyfuss Mayet, uma boutique de comércio eletrónico orientada para o topo de gama do mercado.
 
Legalmente baseado na Suíça, o website da Dreyfuss Mayet lista a estância de ski Verbier como um escritório, subjacente ao seu mercado-alvo. É uma criação de Victor Dreyfuss e Camille Mayet, dois senhores fanáticos por relógios especializados na compra e venda de relógios novos, ou recentes de segunda mão, de alta gama e modernos.
 
Capitalizando num mercado em expansão, a Dreyfuss Mayet SA já vendeu mais de 1.500 relógios em todo o mundo desde a sua criação, quer através do site Chrono 24, quer "off-market" privado, a clientes muito pessoais.


Foto: Cortesia da Dreyfuss Mayet - Courtesy of Dreyfuss Mayet


Os modelos dos relojoeiros Big Three – geralmente considerados como Audemars Piguet, Rolex e Patek Philippe – representam a maior parte do seu volume de negócios. Um caso notável, um Audemars Piguet Royal Oak Perpetual Calendar Skelet Ceramic 26585CE, que foi recentemente vendido por 700.000 dólares (665.035 euros). O seu negócio mais caro.
 
A dupla encontrou-se há 12 anos enquanto Dreyfuss estudava na Escola Europeia de Negócios em Paris e Mayet desistiu dos estudos para iniciar o seu projeto de estimação Autodidact, vendendo carros de luxo. Juntaram-se, trabalhando em consignação com marcas de luxo como a Porsche, Ferrari, Bentley e Audi. Antes de se aperceberem que os relógios de luxo podiam ser vendidos por mais dinheiro do que os carros de luxo, mais sendo ambos apaixonados por relógios.
 
"O carro mais caro que vendi foi um Lamborghini Aventador por 500.000 dólares (475.025 euros). Mas isso é mais barato do que os nossos melhores relógios", explica Mayet.
 
Começando como colecionadores, comprando e vendendo a amigos – e sempre em privado – construíram a empresa com base na comercialização de carros e relógios antes de começarem a concentrar-se só em relógios.
 
"Francamente, os relógios são mais fáceis de armazenar, mais valiosos e mais na moda", acrescenta Dreyfuss.
 
Mas depois de terem conseguido construir uma verdadeira rede de clientes, tiveram uma grande dor de cabeça – adquiriram relógios de alta gama mais do que suficientes. E acabaram por o resolver através de três vias: colecionadores privados e muito confidenciais; outros negociantes de relógios e celebridades.
 
"Por vezes enviamos estrelas para as lojas, a marca faz a entrega e depois vendem-nos. Cantores, atletas e atrizes e estrelas de televisão, é só citar", revela Dreyfuss.
 
A nível internacional, a procura é tão grande que Albert e Joshua Gangel (pai e filho) da European Watch Company em Boston recebem transferências bancárias de pessoas do outro lado do planeta, que nunca se encontraram para dar pelo relógio um milhão de dólares (0,95 milhão de euros).


Foto: Cortesia da Dreyfuss Mayet - Courtesy of Dreyfuss Mayet


 
"Há 29 anos, quando comecei no mercado, não era assim. A procura disparou e os relógios agora comercializam-se como uma mercadoria. A nossa venda média agora é de 40.000 dólares (cerca de 38.000 euros). Costumava ser de 300 dólares (cerca de 285 euros) quando comecei", disse o pai Albert, via um Zoom transatlântico.
 
O grupo Gangels não é um comerciante autorizado, no entanto todos parecem negociar com este.  Tudo aquilo em que negoceiam é de pré-propriedade, não usado e não novinho em folha, e vendem várias centenas de relógios de luxo por mês.
 
Por vezes compram pacotes de 10 relógios por um milhão, e o preço dos relógios é internacionalmente conhecido e estável, espera-se talvez uma oscilação em Moscovo.
 
"Todos citam o seu preço na Chrono 24, uma empresa alemã, por isso não se pode andar longe disso", observa o filho Joshua.
 
Pai e o filho ostentam agora vendas anuais de cerca de 3.000 relógios, com um preço de cerca de 25.000 dólares (cerca de 23.751 euros), o que significa cerca de 75 milhões de dólares (cerca de 71,25 milhões de euros) de negócios anuais. Alguns relógios já venderam mais de 10 vezes.
 
"Dada a quantidade de riqueza gerada nos últimos 10 anos, há tanta liquidez, pelo que a procura é louca por bens de luxo. E para os tipos que estão limitados a carros, relógios, uísque, vinho e charutos. O mercado nos EUA está apenas a despertar. Um bom relógio é um bem muito acessível, e também se pode vendê-lo muito facilmente. O que há para não gostar", ri Albert.
 
Em Genebra, há poucos mais peritos e entusiastas de relógios do que Wei Koh, cujo título The Rake criou uma série de relógios de edição limitada com os gostos e requisitos da marca suíça de luxo Chopard.
 
"Tem havido esta explosão de interesse pelos relógios. Eu costumava descrever os EUA como o maior mercado relojoeiro emergente do mundo, agora é o mundo inteiro. Cada atleta, estrela de cinema e influencer quer ter um relógio cool no pulso. Além disso, é uma categoria de ativo apreciável se comprarmos com algum grau de sabedoria. E, se entrar numa festa, não pode trazer o seu carro, cavalo ou casa. Mas pode trazer um relógio. É um significante cultural tão grande", entusiasma Wei Koh.
 
Essa mesma qualidade que atrai a atenção tem o seu lado negativo. Os proprietários ricos são cada vez mais alvo de ladrões de relógios, como a segurança pública em St. Tropez e a polícia em Miami podem facilmente atestar.
 
"As capitais europeias são cada vez mais perigosas para os proprietários de relógios. E houve alguém em Los Angeles que foi baleado pelo seu Richard Mille. Metade dos que que foram a ‘St. Trop' no ano passado com um Richard Mille sofreram assaltos. São relógios tão distintos e valem um quarto de milhão, por isso tornam-se alvos enormes", lamenta Koh.
 
A subida dos preços ajudou a alimentar rumores de que gigantes de luxo como a LVMH e Kering; fundos de cobertura ou emirados do Golfo poderiam estar no mercado para marcas de topo de gama que continuam a ser propriedade da família, como a Patek Philippe, Richard Mille ou Audemars Piguet, onde o CEO deverá demitir-se em breve.
 
"Será que algum alguma vez os venderia? Dito desta forma, existem cerca de 2,5 milhões de relógios de luxo feitos por ano. Mas se olharmos para muitos fabricantes de automóveis de topo, estes produzem outros tantos num ano, e há dezenas de empresas de automóveis. Por isso, não consigo sentir que estes relojoeiros queiram ver-se livres de um malabarismo que nunca poderão substituir", acrescenta Koh.
 
Nesta última década, marcas de topo como a Audemars Piguet, Rolex, Patek Philippe, Vacheron Constantin e Richard Mille têm também enormes listas de espera.
 
"Na verdade, é mais uma lista de desejos do que uma lista de espera. Pode-se esperar anos e não se consegue nada", diz por sua vez Camille Mayet.
 
O volume de negócios é tão rápido em relógios de alta gama, que um Rolex foi vendido nove vezes num ano na Watchfinder. Esta não é a abordagem da Dreyfuss Mayet, que lida com relógios que estão todos "off market", vendidos a pessoas que querem manter o relógio.
 
"Francamente, se uma marca como a Audemars Piguet descobriu que acabou de vender o seu novo relógio, pode fazer-lhe uma lista negra, e vai fazer", observa Victor Dreyfuss.
 
E, onde os automóveis de prestígio exigem um motorista experiente para os entregar, a maioria dos negociantes de topo de gama utilizam a Ferrari Group Expedition – sem relação com o carro de corrida – para transportar relógios. No ano passado, a Dreyfuss Mayet vendeu cerca de 350 relógios, com um volume de negócios de 8 milhões de euros. Esperam crescer mais de 50% este ano.
 
"O mercado enlouqueceu. Se comprar um relógio, mais vale passar seis meses na Tailândia numa praia e colocar o seu relógio em segurança. Porque quando regressa e o vende, paga as férias", ri Mayet.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.