×
317
Fashion Jobs
CONFIDENCIAL
Supervisor de Operações (m/f) - Sul
Efetivo - CLT · LISBOA
ADIDAS
Buyer (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
o2c Credit And Collections Manager (m /f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
ADIDAS
Senior Data Analyst (m/f) - Direct-tO-Consumer
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Junior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Tax Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Designer de Moda (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Loures Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Loures
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Alegro Alfragide - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Carnaxide
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Freeport - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Alcochete
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Castelo Branco - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Castelo Branco
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Palácio do Gelo - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Viseu
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Vasco da Gama - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Lisboa
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f) - Temporary
Trainee · PORTO
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Assistant Accountant (m/f) - Direct-tO-Consumer
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Assistant Accountant - Accounts Payable
Efetivo - CLT · Porto
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendor(a) - Porto Norte - 20h H/F H/F
Efetivo - CLT · NORTH BERGEN
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
6 de mar de 2020
Tempo de leitura
12 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Os 20 melhores desfiles da estação outono/inverno 2020-21

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
6 de mar de 2020

Este ano, o "Fashion Month" - que reúne as semanas da moda de Nova Iorque, Londres, Milão e Paris -, não foi como os outros. A maratona começou em Nova Iorque, sem os quatro maiores nomes - Ralph Lauren, Calvin Klein, Tommy Hilfiger e Tom Ford - e abandonada por quase toda a esfera da moda chinesa, jornalistas, influenciadores, compradores e criadores. E a temporada terminou na sombra do COVID-19, que provocou uma sensação estranha na Semana da Moda de Paris, cujo público raramente foi tão escasso. Ao final desses 33 dias de moda, e só depois de mais de 300 desfiles, conseguimos respirar aliviados. Desde o início da temporada em Nova Iorque, onde a principal notícia foi o julgamento de Harvey Weinstein por estupro - ao lado das reportagens dos desfiles da Semana da Moda - as coleções foram marcadas por reivindicações feministas mais ou menos explícitas.

Nesta estação, assistimos a um verdadeiro festival de coleções sublimes, apresentadas em desfiles de cortar a respiração. Apresentamos os 20 desfiles preferidos em Nova Iorque, Londres, Milão e Paris.


Brandon Maxwell - outono/inverno 2020 - Moda Feminina - Nova York - © PixelFormula


Brandon Maxwell



Para as mulheres, vestidos longos dignos de uma deusa, jaquetas trespassadas com grandes ombreiras, e casacos em tecido de alta tecnologia com estampa de tartaruga. Para os homens, costumes descontraídos e casacos que dão a aparência de uma estrela de cinema. Nas mãos do texano Brandon Maxwell, o sportswear americano tradicional ganha toques de glamour inimagináveis. O seu desfile de moda, o primeiro grande evento da temporada, aconteceu no Hall of North American Mammals, dentro do Museu de História Natural de Nova York. Não iremos esquecer a visão dos modelos desfilando pelo meio de ursos, pumas e alces gigantes. Estamos mesmo a aguardar, impacientemente, que uma marca europeia convide este jovem designer de 35 anos para liderar o seu estúdio de criação.


Carolina Herrera - outono/inverno 2020 - Moda Feminina - Nova York - © PixelFormula


Carolina Herrera



Carolina Herrera apresentou uma coleção moderna e elegante num hangar industrial cujo tecto inclinado atingia 60 metros de altura. Vestidos maravilhosos com corte medieval nas bordas, capas cortadas de forma muito precisa; a coleção foi composta de todo tipo de vestidos: longos, de princesa, imperiais, de baile. A marca mais chique do Novo Mundo parece segura nas mãos de seu diretor artístico, Wes Gordon.


Proenza Schouler - outono/inverno 2020 - Moda Feminina - Nova York - © PixelFormula


Proenza Schouler



A dupla de criadores à frente da Proenza Schouler marcou um retorno notável. Lazaro Hernandez e Jack McCollough revelaram uma silhueta elegante, desenhada com cortes simples e volumes ousados. Vestidos de crepe pesados com drapeados impecáveis que expunham os ombros; blazers masculinos de grandes dimensões; e vestidos de coquetel em tricô branco com mangas em fole que lembravam as esculturas de Brancusi. A elegância das estátuas ressuscitada para o evento realizado às margens do Rio Hudson.


Preen by Thornton Bregazzi- outono/inverno 2020 - Moda Feminina -Londres - © PixelFormula


Preen



O tributo de Preen ao thriller psicológico “Don't Look Now”, sobre um casal à procura de seu filho morto em Veneza, resultou numa coleção sensacional de jaquetas em xadrez - como a usada no filme pelo ator Donald Sutherland -, a trajes dourados da nobreza veneziana. Cortando com entusiasmo, a dupla à frente da Preen (Justin Thornton e Thea Bregazzi) criou vestidos pretos com babados dignos de um baile de máscaras no Grande Canal. As suas combinações de roupas e blusas douradas com estampa de diamante "Argyle" foram belíssimas.



JW Anderson-outono/inverno 2020 - Moda Feminina-Londres - © PixelFormula


JW Anderson



O único estilista que conquistou duas posições no nosso top 20 é Jonathan Anderson, cujo desfile para a sua marca, JW Anderson, foi o evento de moda mais marcante da temporada de Londres. Se todas as semanas da moda foram dominadas pelo retorno do volume, a sua coleção foi sem dúvida a mais volumosa: casacos enormes com grandes lapelas, vestidos esféricos de celulóide ou vestidos modulares que recordavam os anos 20 com os ombros levemente inflamados. Certamente não é a coleção mais acessível para as pessoas comuns - nem a mais comercial - mas como expressão da moda, foi a mais emocionante de todas as propostas vistas em Londres.


Burberry-outono/inverno 2020 - Moda Feminina-Londres - © PixelFormula


Burberry



Riccardo Tisci não cumpriu completamente a sua missão: Melhorar os resultados financeiros da célebre marca britânica Burberry. Mas isso não o impediu de oferecer uma gama única de produtos altamente desejáveis, apresentados no desfile mais memorável de Londres. O designer italiano construiu uma passerelle com espelhos de 100 metros no Olympia Exhibition Center; dos dois lados da passerelle, as irmãs Labèque tocavam em dois pianos de cauda Steinway. O casting de modelos foi, sem dúvida, o mais luxuoso de toda a temporada, que destacou o trabalho de reinterpretação do trench-coat por Riccardo Tisci na sua coleção - às vezes equipado com mangas de pele falsa, cortado como uma capa de chuva, ou com couro acolchoado. Muito inspirado na Índia e no bairro londrino de Bethnal Green, onde viveu quando era estudante, o diretor artístico da Burberry divertiu-se combinando estampas madras e camisas de rugby; e encerrou o seu desfile com um vestido de mulher de marajá resplandecente com lantejoulas de prata que não esqueceremos tão cedo.
 

Jil Sander-outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Milão - © PixelFormula


Jil Sander



O desfile de Jil Sander - que inaugurou a temporada milanesa - foi realizado na Chinatown de Milão, dentro de uma enorme fábrica abandonada. Um pouco confuso com a escolha do local, o público voltou a relaxar quando viu a coleção, cujas formas fluídas, tecidos imaculados e silhuetas graciosas criaram um momento especial, cheio de delicadeza e elegância. Ao final do desfile, todos os 54 modelos se sentaram em duas filas de cadeiras de madeira para receber os aplausos entusiasmados do público. Naquele momento, ainda não fazíamos ideia que a temporada italiana terminaria em clima de pânico apenas quatro dias depois.


Max Mara-outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Milão - © PixelFormula


Max Mara



Poucos designers deixaram um impacto tão grande quanto Ian Griffiths na Max Mara. Nesta temporada, ele buscou inspiração nos anos 80 e nas grandes ombreiras, surfando no espírito do poder feminino que percorreu um grande número de coleções milanesas. Sem abrir mão da sua visão graciosa e referências ao universo marítimo, a coleção mostrou-se repleta de excelentes casacos de oficiais, amplos casacos de cachemira e capas de chuva com borlas. Um ar de Corto Maltese em Kaia Gerber, omnipresente nesta estação.


Prada-outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Milão - © PixelFormula


Prada



Na Prada, observamos mulheres sublimes e poderosas desfilando diante de uma estátua do Atlas num cenário digno de Chirico, construído na Fondazione Prada. Três dias depois, Miuccia Prada surpreendeu o mundo da moda ao anunciar a sua decisão de compartilhar com Raf Simons a direção criativa da marca que leva o seu nome, a partir de 1º de abril. No seu último desfile solo na Prada, Miuccia optou por subverter vários clichés da moda feminina - estampas florais, tops transparentes ou casacos de mulher de negócios - combinando-os com peças inesperadas: blazers de apenas um botão perfeitamente cortados e cintados, usados com saias de bezerro inteiramente compostas por franjas, ou ainda jaquetas elegantes ​​com saias até o joelho, mas com grandes fendas na parte da coxa. Depois do anúncio da sua reforma parcial (antecipada), a maioria dos jornalistas de moda comentou que o crescimento um tanto lento da Prada nos últimos anos se deve mais às más decisões de marketing e merchandising do que à sua direção criativa. Esta coleção da Prada foi absolutamente perfeita: para dizer a verdade, ela fez parte do Top 5 de outros profissionais que encontramos ao longo da temporada.


Fendi-outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Milão - © PixelFormula


Fendi



Na Fendi, o desfile de moda outono/inverno 2020 pareceu um espectáculo de Grand Guignol. O evento apresentou a melhor coleção de Silvia Venturini Fendi, até hoje. Apenas um ano após a morte do grande Karl Lagerfeld, a herdeira da marca romana estabeleceu-se como um nome poderoso no mundo da moda. Inteiramente rosa, como a passerelle ondulada do desfile de moda, mas coberta com toques de cinza, a coleção triunfou com certa visão de luxo, particularmente opulenta. Casacos de militares com formas envolventes, mangas de couro estilo tatu, casacos de cachemira em forma de casulo e conjuntos de couro castanho, todos vestidos por um grupo de super-modelos - de Bella a Gigi Hadid, passando por Mariacarla Boscono, nas quais as roupas se transformaram em verdadeiras armaduras.
 

Versace-outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Milão - © PixelFormula


Versace



Donatella Versace celebrou o seu primeiro desfile de moda verdadeiramente misto com uma coleção muito linear, com pernas à mostra e cintura marcada. A decoração do evento foi uma maravilha tecnológica gigante: Uma parede de LED de 80 metros de comprimento e cinco metros de altura que projectava centenas de rostos de Donatella. O desfile terminou com uma explosão visual digna de um filme de ficção científica. A coleção foi invadida pela letra “V”, em malas python, camisas desportivas académicas, agasalhos e meias brancas. Os novos investidores americanos da Versace estão visivelmente dando vida nova à marca italiana.


Bottega Veneta -outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Milão - © PixelFormula


Bottega Veneta



Na Bottega Veneta, Daniel Lee assinou o desfile e a coleção de moda mais concisos de toda a temporada milanesa. No meio do "Fashion Month", não se pode deixar de notar que os sapatos must-have da temporada são as sandálias acolchoadas em couro trançado "intreccio" apresentadas por Daniel Lee para a primavera/verão de 2020, usadas por dezenas de jornalistas e compradores do mundo todo. Esta coleção marcou uma nova etapa para o criador da BV, que montou uma decoração absolutamente sublime composta por imagens digitais de mansões renascentistas e estátuas antigas, que gradualmente ganharam vida. O desfile, misto, apresentou para os homens casacos de militares com corte perfeito, que certamente agradariam aos arquitectos antigos que inspiraram esse desfile; e, para as mulheres, casacos alongados para o trabalho durante o dia, e vestidos de lantejoulas ou vestidos evasé para a noite. Sem nunca faltar elegância, relevância e inteligência.


Dior - outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Paris - © PixelFormula


Dior



O primeiro grande desfile de Paris foi o da Christian Dior por Maria Grazia Chiuri, que embarcou de volta às suas raízes, com referências à juventude levemente rebelde no início dos anos 80 em Roma. O espectáculo abriu com costumes masculinos adoráveis, vestidos com alças finas perfeitamente cortados, marcados com cintos com logótipo com as iniciais “CD”, combinados com botas militares. De facto, cerca de um terço de todas as mulheres que compareceram a esta temporada usaram botas robustas, especialmente em Paris, onde choveu a semana toda. Uma tendência lançada por Chiuri, pioneira também na questão do poder feminino. Nesta temporada, na tenda construída pela Dior dentro do Jardin des Tuileries, o local foi invadido pelos enormes sinais luminosos de Claire Fontaine com os dizeres: Women Raise the Uprising, Women are the Moon that Moves the Tides, Patriarchy=Climate Emergency, e When Women Strike the World Stops.
 

Lanvin -outono/inverno 2020 - Moda Feminina-Paris - © PixelFormula


Lanvin



Hoje em dia, poucos estilistas escrevem páginas tão inovadoras quanto Bruno Sialelli, cujo último trabalho para a Lanvin foi um momento de exaltação absoluta. A sua coleção foi apresentada por modelos de todas as idades na Manufacture des Gobelins, provavelmente a marca de luxo mais antiga, fundada por Luís XIV, o Rei Sol. As roupas exalavam uma sensação de riqueza exótica, dos vestidos esvoaçantes em musselina branca às charmosas capas de plumas, passando pelos boleros de feltro perfeitamente cortados aos vestidos transparentes sedutores. O desfile chegou ao clímax com uma série de casacos brancos cortados num tecido imaculado de plumas, pintados à mão com muito bom gosto. A moda francesa no seu melhor.


Loewe -outono/inverno 2020 - Moda Feminina-Paris - © PixelFormula


Loewe 



Dissemos mais acima que o único estilista que conquistou duas posições no nosso top 20 - e pela segunda temporada consecutiva - foi Jonathan Anderson. Na Loewe, a mistura habitual de Renascimento espanhol, descontração de "Ibiza" e elegância parisiense ganharam desta vez um novo elemento: o ceramista Takuro Kuwata, vencedor do último prémio Loewe. O resultado desta colaboração: Placas e emblemas esmaltados, numa coleção onde as sedas douradas e brocados contrastavam com lãs escuras, mais funcionais. Um espírito que lembrava mais Van Eyck do que Velasquez atravessou esta coleção verdadeiramente revolucionária do designer irlandês.
 

Balenciaga-outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Paris - © PixelFormula


Balenciaga



Na Balenciaga, a coleção foi certamente apocalíptica, mas de modo algum imaginada. Sobretudo muito chique. A passerelle era um lago em miniatura com água muito escura e, acima dela, uma tela gigante projectava visões de tempestades e relâmpagos. As mudanças climáticas destacaram-se nesta coleção, também repleta de referências espanholas, como as golas altas de Cristóbal e as omnipresentes inspirações religiosas. As proporções foram todas exageradas, como nos vestidos de asas de morcego que lembravam a Sagrada Família de Gaudi. É difícil esquecer que é Demna Gvasalia quem está no comando da maison parisiense, dado os muitos logótipos "blncg" impressos nas jaquetas brancas da coleção.


Thom Browne -outono/inverno 2020 - Moda Feminina-Paris - © PixelFormula


Thom Browne



Nesta temporada, o designer americano decidiu prestar homenagem ao "preppie". O desfile foi uma performance artística, realizada numa floresta de bétulas recriada dentro da Beaux-Arts de Paris. Um diretor de circo acompanhou 33 casais na passerelle: Meninos e meninas que usavam roupas idênticas. Thom Browne propôs outra leitura do seu produto emblemático - o casaco de flanela cinza - desta vez com a parte de cima minúscula, ombros exagerados, lapelas caídas, adornado com pérolas, cristais e fitas de gorgurão. O estilista afirma-se novamente como o mais conceituado e coerente do mundo da moda, mas também com uma boa visão comercial.


Valentino -outono/inverno 2020 - Moda Feminina-Paris - © PixelFormula


Valentino



Numa estação ainda dominada pelo volume, o estilista que abriu esse caminho, Pierpaolo Piccioli, subitamente afastou-se do movimento que lançou. Ele também escureceu a sua paleta de cores e endureceu a atitude das manequins para desenvolver uma coleção de princesas punk “não categorizadas", como ele mesmo descreveu, ou seja, pouco interessadas em questões de género. A maioria das modelos trocaram, aliás, os seus carapins Valentino por botas militares, inclusive para a noite, usando-as com vestidos bordados de lantejoulas. Não há dúvidas de que esta nova coleção terá uma grande influência em torno do mundo.


Chanel -outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Paris - © PixelFormula


Chanel



Nesta temporada, a Chanel celebrou a sonoridade feminina à francesa. Uma moda levemente tingida de referências históricas, inspirada em grandes clássicos do cinema francês, como Peau d'Âne ou Les Biches, o conto sombrio de Claude Chabrol sobre o amor entre mulheres. A coleção foi apresentada por duplas ou trios de modelos que desfilaram de mãos dadas, conversando alegremente. Calças de montaria usadas com sublimes camisas brancas, versões novas e muito ousadas do famoso cardigan de quatro bolsos, vestidos-casacos com 12 botões, muito delicados, todos adornados com imponentes bijutarias bizantinas. Sem dúvida, o desfile mais romântico da temporada, que suavizou a melancolia provocada pela chuva torrencial que caía do lado de fora, no tecto de vidro do Grand Palais.
 

Louis Vuitton -outono/inverno 2020 - Moda Feminina- Paris - © PixelFormula


Louis Vuitton



Sem dúvida, o desfile mais espectacular de toda a temporada, graças ao olhar infalível da produtora Es Devlin e ao cenário monumental. Cerca de 200 cantores de ópera em trajes históricos, vestidos pela figurinista vencedora do Óscar, Milena Canonero; enormes pinturas vivas de pé, cantando juntos a fita sonora eletrónica e barroca composta por Woodkid e Bryce Dessner. A coleção também não deixou a desejar: Nicolas Ghesquière, em óptima forma, mergulhou em várias épocas e misturou géneros. Calças cigarette com listras clássicas, coletes e jaquetas que pareciam cortados na Savile Row, com bolsos inclinados. As peças ganharam acabamentos tecnológicos dignos da era espacial, com jacquards prateados, calças militares e moon boots. Uma mistura ousada que concluiu de forma fabulosa a temporada de outono/inverno 2020-21, e proporcionou uma visão vigorosa sobre a moda e sobre a nossa relação com o tempo.

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.