×
307
Fashion Jobs
Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de out. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Os têxteis portugueses tornam-se players internacionais

Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de out. de 2022

Abalada nos últimos 20 anos pela concorrência da Ásia, a indústria têxtil portuguesa reencontrou o seu fundamento e tornou-se um player importante, fornecendo empresas não só na Europa mas também nos Estados Unidos.


Os têxteis portugueses tornam-se players internacionais - AFP


A indústria beneficiou da sua flexibilidade e mão-de-obra barata, juntamente com um espírito de inovação centrado na limitação dos danos ao ambiente.

Nas imediações de Vila Nova de Famalicão, no distrito norte do Porto, a fábrica da Riopele zumbia com um ruído ensurdecedor de quase 200 teares de última geração que funcionam 24 horas por dia, seis dias por semana.

As vantagens da indústria têxtil são "a reatividade e a capacidade de adaptação", disse o engenheiro José Rosas, junto a um ecrã digital onde acompanha em tempo real a atividade massiva da oficina.

Uma das joias de uma indústria ancorada no Vale do Ave, a empresa fundada em 1927 e os seus mil empregados lutam para satisfazer as encomendas após uma pausa durante a crise de COVID-19.

Todos os dias, a fábrica produz 40.000 metros (131.200 pés) de tecido, 98% dos quais destinados à exportação.

Entre os seus clientes em crescimento encontram-se a espanhola Inditex, proprietária da Zara, e a francesa SMCP (Sandro, Maje, Claudie Pierlot e Fursac), de acordo com números da indústria portuguesa.

Há também uma procura crescente de empresas na Alemanha e Itália, bem como nos Estados Unidos, mormente a Tommy Hilfiger.

Os clientes valorizam uma "capacidade de ser diferente" da concorrência estrangeira, disse Albertina Reis, diretora do grupo Riopele, citando a capacidade da sua empresa de utilizar "novas técnicas" para uma produção sustentável sem comprometer a estética.

Alberto Paccanelli, que dirige a Euratex, com sede em Bruxelas, que representa a indústria têxtil e de vestuário europeia, prestou homenagem ao sector português.

"Portugal tem a vantagem de uma mão-de-obra que permanece competitiva", oferecendo "produtos de qualidade a preços razoáveis", segundo o presidente da Euratex, que realizou a sua conferência anual no Porto, em meados de outubro.

Sacudido pela concorrência de empresas que se deslocalizaram para a Ásia por custos de produção mais baratos, o sector perdeu entre os anos 2000 e 2015 quase 100.000 empregos de um total de 235.000 registados no início da era, segundo a Associação Têxtil Portuguesa (ATP).

A Riopele é um dos maiores produtores têxteis portugueses, mas existem muitos mais, incluindo a JF Almeida e o grupo TMG.

Recordes de exportação 



Desde então, o sector retomou as contratações, beneficiando de um salário mínimo de 705 euros ($696) por mês pago durante 14 meses, um dos salários mais baixos da União Europeia, depois dos da Europa de Leste.

As exportações de produtos têxteis de Portugal, que encontram os seus maiores mercados em Espanha e França, atingiram no ano passado o valor recorde de vendas de 5,4 mil milhões de euros, 16,4% superior ao do ano anterior, de acordo com a ATP.

O grupo industrial espera fazer ainda melhor este ano.

Este sucesso deve-se não só aos baixos custos de produção de Portugal, mas também à capacidade do sector em "adaptar-se ao mercado", disse o presidente da ATP, Mario Jorge Machado.

Na sequência da pandemia, que levou a atrasos nas entregas, a indústria prefere utilizar cadeias de abastecimento mais próximas de casa, disse Machado.

"As empresas compreenderam que precisavam de encontrar soluções e parceiros para conciliar o desenvolvimento sustentável com a competitividade", acrescentou, abordando o tema da conferência do Porto.

Para responder ao desafio, a região de Vila Nova de Famalicão está equipada há 30 anos com um instituto tecnológico para têxteis e vestuário (CITEVE - Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário), que trabalha em novas fibras produzidas a partir de material reciclado e corantes derivados de produtos naturais.

No entanto, os fortes aumentos dos preços do gás e da electricidade causados pela guerra na Ucrânia penalizam um sector fortemente dependente da energia.

Apesar de vários milhares de milhões de euros de ajuda do governo português prometidos para as empresas têxteis, os executivos da indústria apelam a um plano europeu coordenado para evitar distorções na concorrência.

Isso "evitaria criar concorrência" entre os países europeus, disse Dirk Vantyghem, diretor geral da Euratex.

Copyright © 2023 AFP-Relaxnews. All rights reserved.