×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de set. de 2022
Tempo de leitura
6 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Paris Fashion Week: Chloé, Rick Owens e Acne Studios

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de set. de 2022

Três estilistas com visões igualmente poderosas e diferentes apresentaram impressionantes desfiles em Paris, confirmando o estatuto único desta Meca da moda. A FashionNetwork.com recomenda a Chloé de Gabriela Hearst, Rick Owens e Acne Studios de Jonny Johansson.
 

Chloé: panache à la parisienne



Este é um critério de excelência entre os designers: a capacidade de distinguir entre a estética da sua própria marca e a do seu trabalho. E Gabriela Hearst qualificou-se com distinção, na quinta-feira (29 de setembro), em Paris. Enquanto a sua etiqueta de assinatura mistura artisticamente a inteligência latina e a modernidade urbana, a coleção que concebeu para a Chloé brilha com o espírito chique parisiense.


Chloe - primavera-verão 2023 - Prêt-à-porter feminino - Paris - © PixelFormula


Apresentado num Pavillon Vendôme escuro, perto do Ritz, o desfile abriu com um festival artístico de holofotes e luzes LED em forma circular, criando uma atmosfera atrevida e noturna.

Começámos com uma série de vestidos em malhas irlandesas de padrão Aran, brancas ou pretas, que não faltaram em baixo relevo. E Gigi Hadid num traje de noite em malha de prata, o que foi suficiente para criar agitação. Os cabelos das manequins foram soltos para as costas de forma despreocupada, ao estilo Valquíria, no auge da festa.

Gabriela é também uma designer que sabe como utilizar o couro – o que demonstrou nas calças largas fantásticas em couro cru, embelezadas nas laterais com grandes ilhós, ou elegantes vestidos de camurça com extravagantes mangas chauve-souris.


Chloe - primavera-verão 2023 - Prêt-à-porter feminino - Paris - © PixelFormula


Gabriela Hearst também não é de se esquivar aos acessórios, para o brio com as bolsas de tecido com laços, que pareciam nós gigantescos, ou para o lado comercial, resumido pelas bolsas de praia super listradas. E a nova linha de sapatos Chloé certamente será um sucesso, desde sandálias cravejadas com sola grossa até cunhas prateadas com tiras tubulares.

O rótulo, que é propriedade do gigante suíço de luxo Richemont, teve os seus altos e baixos nos últimos anos, mas com Gabriela Hearst, ganha agora uma nova direção e energia.

Rick Owens: uma epopeia com Theda Bara




 


Um dia, um monumento será certamente erguido à glória de Rick Owens, tão fabulosos são os seus shows, a sua visão exótica e a sua interpretação da moda e da história de alcance impressionante. Tal como na época anterior, a coleção do designer foi novamente inspirada pelo antigo Egipto, após a estadia do californiano no Vale dos Reis, onde estudou as pirâmides.

Até lhe deu o nome de Edfu, em homenagem a um templo na margem ocidental do Nilo. A sua viagem levou-o a revisitar a sua imagem de infância do Egipto, inspirada pelos épicos bíblicos de Cecil B. DeMille e pelas imagens de Theda Bara, o primeiro símbolo sexual do cinema e de Cleópatra, a estrela dos filmes mudos. A publicidade da Fox Studios afirmava ter nascido no Egipto, mas a atriz era na realidade de Cincinnati.

"Estes filmes tornaram-se a minha receita estética – histórias antigas, sobre fé e destino, combinadas com um exotismo provocador e rústico, através de um filtro Art Nouveau, a preto e branco, do início do século XX. Com uma pitada de reinvenção pessoal – o carácter feroz, poderoso e muito artificial interpretado por Theda, que compreendeu e reconheceu os lados escuro e claro da vida real", explicou Rick Owens, que escolheu como cenário uma passerelle sobre as águas da fonte modernista dos anos 30, no Palais de Tokyo.

Tal como a atriz Bara, apelidada de "The Vampiress", a maioria das top models vestiam fatos que pouco deixavam à imaginação. Fantásticos vestidos de couro translúcidos emergiram do gelo seco que rodopiava em torno da passerelle, humedecidos por sua vez por um jato vertical de água de 20 metros de altura no centro da fonte.

Outras manequins pavoneavam em vestidos de couro metálico dignos dessas esculturas de "car crash", um material amarrotado em mangas  chauves-souris ou cloches.

A silhueta etérea é desnivelada, alongada e muitas vezes terminada com ombros de pagode. Mas o ponto alto foi o par de crinolinas monumentais, feitas de tule reciclado. Tudo isto recebeu um longo aplauso de uma audiência onde figuravam Cher, Tyga e Machine Gun Kelly.

De facto, não se podia deixar de sentir que toda a coleção foi feita para ser usada como vestuário num peplum do cineasta americano Cecil B. DeMille. Então percebe-se que é exatamente quem Rick Owens é: um Cecil B. DeMille da moda. Este épico designer obterá um dia o reconhecimento que já tem no mundo da moda por parte do público em geral.

Quase todos os filmes de Theda Bara foram perdidos num incêndio nos cofres da Fox em 1937. Rezemos para que as imagens dos desfiles de moda de Rick Owens nunca desapareçam, e que dentro de mil anos outro jovem de uma pequena cidade rural seja inspirado a criar todo um novo universo visual.

Acne Studios: festa de aniversário no Palais de Tokyo



Quem pode nomear hoje em dia um estilista mais subestimado do que Jonny Johansson, o diretor criativo da Acne Studios? A marca celebrou o seu 10.º aniversário na noite de quarta-feira (28), num desfile de gala, onde a presença de Kylie Jenner desencadeou um frenesim entre paparazzi.

 


Todos os que importam na moda estavam lá, sentados em bancos de cetim rosa estilo boudoir, enquanto empregadas de mesa em blusas brancas, calções e meias douradas, calçados com tamancos, serviam cocktails de laranja amarga ou borbulhantes.

Kylie Jenner só aumentou o entusiasmo quando apareceu num vestido branco apertado, colocando um par de óculos de sol retro brancos Acne de forma melodramática, em frente de dezenas de fotógrafos e três vezes mais influencers que abanavam os seus telemóveis, lutando descaradamente para publicar um vídeo nas redes sociais.

Mas o cerne da coleção foi a transparência. Como aconteceu com os vestidos esplêndidos, sob os quais se podia adivinhar penas, fitas, quadrados de tecido e, claro, roupa interior inteligentemente colocada.

O chiffon e a malha cobriam metade da coleção; embora em contraste com as bolsas, a maioria das quais com pregos punk. Algumas pareciam mais armas do que bolsas.

Vimos também casacos de couro metalizado ou jeans que também tinham pregos nos braços e nas pernas, não ideais para usar no metro.

Neste desfile de moda misto, os rapazes desfilaram em creepers cravejados de unhas como garanhões zangados em arrepiantes bordéis. Mas a ideia mais louca de Jonny foi acrescentar caneleiras de tecido a condizer em todos os seus sapatos de salto alto, em cetim ou seda floral.

Acrescente-se a isso um sentido de humor aguçado, como aquele visto no sexteto de looks em toalha de mesa gingham, inteligentemente adaptada a blusões de namorado de grandes dimensões, peitos em rosetas de tecido, leggings e até cunhas curvadas.

Foi uma forma encantadora de celebrar uma década de design excecional. Uma festa feliz, com muitas ideias de rock star, talvez demasiadas e muito repetidas. Foi quase como se Jonny Johansson se sentisse condenado à super criatividade.

Por vezes, os designers fariam bem em descansar sobre os seus louros.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.