×
372
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Pepe Jeans contrata Rothschild e McKinsey para reduzir despesas e refinanciar dívida

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 8 de mai de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A empresa de moda Pepe Jeans, com sede em Barcelona e propriedade do multimilionário libanês Najib Mikati, pôs em marcha um plano de recuperação para melhorar a sua situação económica, que colocou nas mãos da consultora McKinsey e do banco de investimentos Rothschild.


A Pepe Jeans prepara-se para lançar um plano de recuperação - Pepe Jeans London - Facebook


A Pepe Jeans terá contratado os serviços de ambas as entidades com o objetivo de executar um plano de recuperação com o objetivo de adaptar a sua rede de lojas e funcionários aos seus resultados económicos, conforme publicado na terça-feira no jornal El Confidencial. A marca solicitou à McKinsey uma auditoria para rever todas as suas despesas e, em paralelo, trabalhar com o CEO da empresa, Carlos Ortega, sobre como adaptar o seu modelo de negócios à era digital e aos novos hábitos dos consumidores.
 
Por outro lado, a Pepe Jeans contratou o banco de investimentos Rothschild para renegociar o refinanciamento do empréstimo de 250 milhões de euros em dívida aos bancos BBVA, Santander, Caixabank, Bankia e Barclays. Esta será a terceira vez que o grupo negocia com a banca, após as extensões concedidas à empresa no último trimestre de 2016 e a prorrogação de amortização do empréstimo para julho de 2021 concedida em junho de 2017.

A Pepe Jeans tem a sua sede operacional em Espanha, a sua sede fiscal na Holanda e o Reino Unido é o seu principal mercado. A empresa espanhola é, desde 2015, propriedade do grupo de investimento libanês M1 e a sua venda foi fechada por 720 milhões de euros. Atualmente, a PwC, auditora do grupo, considera que o seu valor real se deteriorou devido à evolução negativa do volume de negócios da empresa.

O grupo de moda começou a sofrer perdas em 2017, quando registou menos-valias de 13,11 milhões de euros. No último exercício, de acordo com o referido jornal, este valor ascendeu a 13,68 milhões de euros, o seu EBITDA manteve-se nos 12,72 milhões negativos e o seu volume de negócios manteve-se em 566 milhões de euros, o mesmo valor do ano anterior.

Uma das grandes questões a serem abordadas pela Pepe Jeans no futuro será a reestruturação da sua rede de lojas. No final de março de 2018, o grupo contava com 355 estabelecimentos: 219 da Pepe Jeans London, 105 da Hackett, 29 da Tommy Hilfiger, 2 da Norton e 16 da Façonnable. 

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.