Planeta moda desembarca em Paris, com Balenciaga bem aguardada

AFP – Depois de Milão, Paris recebe desde terça nove dias de desfiles de pronto-a-vestir feminino outono-inverno, a serem marcados pela grande estreia na Balenciaga do criador georgiano Demna Gvasalia, após a saída do Americano Alexander Wang.

Balenciaga revelará sua primeira coleção pensada e realizada pelo criador georgiano Demna Gvasalia. Acima, o último desfile Balenciaga assinado por Alexander Wang. - ©AFP PHOTO / PATRICK KOVARIK

O criador, na casa dos trinta anos e que passou pela Maison Margiela e Louis Vuitton, está também à frente da criação da jovem marca Vetements, que causa sensação há dois anos com seus cortes 'oversize' e sua inspiração 'streetwear'.
 
Uma escolha audaciosa para a casa de moda quase centenária fundada por Cristobal Balenciaga, cujo desfile domingo é particularmente muito aguardado.
 
Por sua vez, Dior, Lanvin e Leonard, em busca de diretor artístico encarregado depois da valsa dos designers, que agitou a moda parisiense nos fins de 2015, apresentarão coleções realizados por seus estúdios de criação.
 
Esta Fashion Week parisiense, que conta com 92 desfiles no programa oficial e 25 nacionalidades representadas, se desenrola em pleno período de questionamento dos calendários tradicionais da moda, empurrado pelas redes sociais.
 
Os organizadores da Fashion Week de Nova Iorque pensam em desfiles mais voltados ao consumidor, com apresentações de vestuários disponíveis imediatamente à venda, ao invés do habitual espaço de tempo de seis meses. Várias marcas como Burberry e Tom Ford já se decidiram a encampar essa bandeira.
 
Cinco novos nomes
Mas tanto a Federação Francesa de Costura, como sua homóloga italiana em Milão, se opõe a este sistema do "see now, buy now" ("veja agora, compre agora"), que comprometeria a criatividade em benefício de uma visão comercial das coleções. "Isso seria pedir aos designers para criar o que os vendedores e os consumidores esperam", critica o presidente da Federação, Ralph Toledano, no jornal francês Le Figaro.
 
Saint Laurent, Alexander McQueen, Balenciaga avaliavam recentemente que "a noção do see now/wear now ou sell now é a negação do sonho, do desejo".
 
"O que é importante não é mostrar a estação do momento, mas que, na loja, tu tenhas em suas coleções produtos que correspondam às estações: hoje se entregam as coleções outono-inverno no início de agosto. Se tu só tens isso na loja.... Tu tens também de ter uma parte de artigos primavera-verão", declarou a jornalistas.
 
Além dos grandes nomes que fazem sua reputação, a Fashion Week parisiense recebe cinco recém-chegados no programa oficial. Dois desfilaram no primeiro dia: a Holandesa Liselore Frowijn, que havia vencido o prémio Chloé no Festival de Hyères em 2014, assim como a marca Y/Project, tendo na sua direção o criador belga Glenn Martens.
 
Outra Holandesa, Dorhout Mees, dará seus primeiros passos nas passarelles parisienses no domingo. A etiqueta Off White, do criador americano Virgil Abloh, um dos finalistas em 2015 do prémio LVMH e que é também o conselheiro de moda de Kanye West, desfilará a 8 de março, e a marca Paskal, da Ucraniana Julie Paskal, no último dia, a 9 de março.
 
Esses nove dias de desfiles serão também marcados pelo regresso à Paris da Givenchy depois da escapada nova-iorquina na temporada passada. A Saint Laurent apresentará a segunda parte da sua coleção feminina outono-inverno, da qual Hedi Slimane havia desfilado os primeiros modelos em Los Angeles, a 10 de fevereiro.
 
A Federação Francesa da Costura, que lançou uma aplicação Paris Fashion Week, organiza pela oitava temporada "Designers Apartment", operação que permite a uma seleção de jovens criadores expor suas coleções atraindo a atenção da imprensa e dos compradores.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.

Moda - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosDesfiles
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER