×
581
Fashion Jobs
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Services Specialist Gbs - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist - People Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs Business Analysis (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Marketplace Business Developer
Efetivo · Alicante
BIJOU BRIGITTE MODISCHE ACCESSOIRES AG
International Expansion Manager Spain/Portugal
Efetivo · LISBOA
TIFFOSI
Comprador Denim (m/f)
Efetivo · Porto
L.D.C.
Responsable Développement/Production
Efetivo · PORTO
FARFETCH
Menswear Styling Editor
Efetivo · GUIMARÃES
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct-tO-Consumer Ecommerce (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - German Speaker (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
UK HR Specialist (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Consultant - Sac/bW-Ip/Fico (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - Non-Trade Procurement
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Apo/Ibp (Snp/Supply) Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
Por
Agência LUSA
Publicado em
24 de abr. de 2017
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Portugal já concorre com a China em produtos têxteis

Por
Agência LUSA
Publicado em
24 de abr. de 2017

Portugal concorre com a China no fabrico de produtos têxteis de nível “médio/alto e alto”, face ao aumento dos custos industriais no país asiático, afirmou o presidente da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção – ANIVEC/APIV, César Araújo.

Foto: Arquivo


No Fórum da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) sobre os desafios da indústria em Portugal, a decorrer em Lisboa, o responsável notou que “nunca se ouviu dizer que se mudou para a China porque era melhor”, porque a comparação era apenas ao nível de preço.

“Estamos num momento que há muito ansiávamos e que está a nosso favor: os custos industriais na China estão a crescer a um ritmo muito acelerado. […] Comparando com o produto médio/alto e alto, como é o português, estamos agradavelmente próximos uns dos outros”, garantiu.

O responsável indicou que as “fábricas mais fortes” nacionais que sobreviveram à crise estão com uma “postura mais competitiva”.

César Araújo recordou a “posição invejável” do setor ao dispor de “adaptabilidade de trabalho parecido com um banco de horas”, devido aos picos de produção que envolvem 88 mil pessoas, mas não deixou de criticar o modelo de IRS que faz aumentar de escalão os funcionários quando trabalham mais e as atuais tributações autónomas.

Rafael Campos Pereira, vice-presidente da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal – AIMMAP, fez eco das críticas às leis laborais e fiscais, sobretudo à “aberração das contribuições autónomas”.

“O que podemos pedir é estabilidade e não mexer mais, peço que não mexa muito e não estrague e desenvolva o que há de bom”, argumentou o responsável.

Por seu lado, Fortunato Frederico, que hoje cumpre o último dia como líder da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos, defendeu que deve haver “valorização do produto (industrial) internamente”.

“O que significa trabalhadores motivados, ensinados e disciplinados. Eu na tropa aprendi que trabalho é trabalho e conhaque é conhaque, mas a sociedade arrasta-se hoje quase sempre para o conhaque”, afirmou o responsável, garantindo que o trabalho tem que ser feito com “gosto e alegria”.

“As pessoas têm que ter confiança no futuro, para valorizar o produto. Não é preciso crescer muito”, resumiu Fortunato Frederico, informando esperar que o setor do calçado mantenha a média de crescimento.

Na mesma mesa redonda destes industriais, Luís Mira Amaral, do Conselho da Industria da CIP, notou a excessiva dependência do financiamento bancário, em Portugal e na Europa, para apoiar as indústrias e que apenas as boas empresas têm acesso a condições positivas.

“Para as boas empresas estão lá todos os bancos e o custo não é problema porque os ‘spreads’ [margem de lucro comercial do banco] estão esmagados pela concorrência”, disse Mira Amaral, indicando como solução os fundos públicos para as empresas endividadas.

Na sessão de abertura deste fórum, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou o objetivo de as empresas terem uma “base de capitais próprios mais fortes”, referindo a aposta que está a ser feita em instrumentos financeiros que possibilitem “custos menores e prazos mais longos” para assim “dar confiança”.

Citando o ‘leasing’, o ‘factoring’ e o ‘renting’, o governante referiu a importância de vários instrumentos financeiros a que a indústria pode recorrer, “nomeadamente as empresas que estão a crescer e as ligadas à inovação”.

‘Factoring’ ou a cessão financeira consiste na aquisição de créditos a curto prazo derivados da venda de produtos ou da prestação de serviços.

O ‘leasing’ é um contrato em que o locador (empresa de ‘leasing’) cede ao locatário (cliente), mediante o pagamento de uma renda, a utilização temporária de um bem, móvel ou imóvel, adquirido ou construído por indicação do cliente e que este poderá comprar no final do período de tempo acordado no contrato.

O ‘renting’ é uma oferta integrada de serviços que tem por base o aluguer operacional de um veículo novo para um determinado prazo e quilometragem, mediante o pagamento de uma renda fixa onde o cliente suporta a depreciação da viatura estimada no contrato.

Copyright © 2021 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.