Prémio LVMH 2019 entregue a Thebe Magugu

Foi na Fundação Louis Vuitton, no 16.º arrondissement de Paris, que Delphine Arnault, como mestre de cerimónias, liderou a cerimónia do Prémio LVMH. A dirigente do poderoso grupo de luxo começou por fazer uma referência ao fotógrafo Peter Lindbergh, que morreu na terça-feira aos 74 anos.


Thebe Magugu, vencedor da edição 2019 do Prémio LVMH - Triana Alonso, FNW

Na sua sexta edição, o Prémio LVMH galardoou esta quarta-feira, 4 de setembro, o criador sul-africano Thebe Magugu. Depois do designer japonês Masayuki Ino, fundador da marca Doublet, no ano passado, Thebe Magugu destacou-se entre os outros sete candidatos finalistas. Entre eles, o criador israelita Hed Mayner foi reconhecido com o Prémio Karl Lagerfeld, anteriormente denominado Prémio Especial do Júri. Delphine Arnault também saudou a memória do criador. "Este evento deve-lhe muito", disse. "Ele acompanhou-nos desde que o prémio foi criado, e este não será o mesmo sem ele, nem a moda. Sentimos muito a sua falta."
 
Thebe Magugu vencedor
 
Assim, Thebe Magugu recebe uma compensação de 300 mil euros e poderá desfrutar de um ano de orientação pelas equipas do grupo de luxo francês. Magugu junta-se aos vencedores dos anos anteriores: a francesa Marine Serre (2017), a britânica Grace Wales Bonner (2016), a dupla portuguesa Marques'Almeida (2015), o primeiro vencedor do prémio, o canadiano Thomas Tait (2014) ) ou o já mencionado japonês Masayuki Ino (2018).

O criador, com sede em Joanesburgo e oriundo da cidade de Kimberley, lançou a sua marca após várias experiências com marcas e designers. A sua marca, batizada com o seu nome, posiciona-se no prêt-à-porter feminino e aposta especialmente na mistura de materiais nas suas silhuetas.


Hed Mayner conquistou o Prémio Karl Lagerfeld - Triana Alonso FNW

Com o seu Prémio Karl Lagerfeld, Hed Mayner ganha a quantia de 150 mil euros, além de um ano de orientação por uma equipa do grupo LVMH. O designer foi reconhecido pelo seu trabalho nas coleções de prêt-à-porter masculino. Mayner destaca-se na desconstrução do guarda-roupa formal para oferecer aos homens um vestuário chic e ousado.
 
Nesta edição, o júri de especialistas foi composto pela diretora-geral adjunta da Louis Vuitton, Delphine Arnault; Maria Grazia Chiuri, diretora criativa da Christian Dior Couture; Jonathan Anderson, diretor criativo da Loewe; Kris Van Assche, diretor criativo da Berluti; Marc Jacobs, diretor criativo da Marc Jacobs; Clare Waight Keller, diretora criativa da Givenchy; Jean-Paul Claverie, consultor de Bernard Arnault e diretor de mecenato da LVMH, além de Sidney Toledano, presidente e diretor-geral do Fashion Group LVMH. Note-se que esta foi a primeira final que não contou com a presença de Bernard Arnault, presidente e acionista maioritário do grupo LVMH, nem do designer Karl Lagerfeld, que morreu em fevereiro passado e cujo nome foi dado a um dos prémios.
 
Criado pelo grupo LVMH em 2014, o prémio tornou-se um dos eventos internacionais indispensáveis em matéria de apoio à criação de moda. Em 2019, o Prémio LVMH recebeu mais de 1.700 candidaturas, chegadas de uma centena de países diferentes.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - DiversosCriação
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER