Prémio LVMH: os criadores que ignoram os géneros

Neste 6 de junho, o júri do prémio LVMH dará o seu veredito. Depois de apresentarmos os candidatos baseados em Londres, hoje vamos apresentar Ludovic de Saint Sernin, Matthew Adams Dolan e Doublet, e a sua forte tendência unissexo.

Matthew Adams Dolan - LVMH Prize

Com apenas 30 anos, Matthew Adams Dolan já atraiu muitos holofotes. A culpa é de Rihanna, que vestiu um dos seus casacos oversized. O americano nasceu em Massachusetts antes de passar a infância e adolescência na Austrália, onde descobriu as pontes entre moda, arte e cultura. O rapaz, agora radicado em Nova Iorque, fez o ensino no Japão e frequentou aulas de literatura francesa na Universidade de Lausanne. Em 2014, depois de trabalhar numa loja de Alexander Wang para pagar os seus estudos nos Estados Unidos, formou-se na Parsons School de Nova Iorque com uma especialização em "Fashion Design and Society”.

O designer foi rapidamente notado após os seus primeiros desfiles em Nova Iorque. Dolan mergulhou deliberadamente nas raízes da cultura do vestuário americano e explorou a roupa dos trabalhadores americanos. O designer gosta tanto de denim quanto de peças formais. Blazers, camisas, calças com pregas, cardigãs e até mesmo costumes estiveram na sua última coleção. Matthew Adams Dolan brinca com as proporções para apresentar um vestuário unissexo com uma elegância desestruturada. Entre referências à personagens da cultura pop e o domínio dos códigos dos anos 90, o estilista já seduziu mais de trinta revendedores na Europa, Ásia e América.


Masayuki Ino, fundador da Doublet - LVMH Prize

Doublet tem um ritmo bastante semelhante, explorando e revisitando o vestuário dos anos 90, mas com um espírito mais punk. O japonês Masayuki Ino, à beira dos seus quarenta anos, fundou a sua marca em 2012 e lançou a sua primeira coleção na primavera de 2013, após criar calçado para a marca Miharayasuhiro. Com cortes oversized, muitos patches e slogans impressos, o criador, que se formou na escola Tokyo Mode Academy, apresenta a sua visão do sportswear.

Apoiado por Takashi Murakami, ganhou o primeiro prémio Tokyo Fashion Award no ano passado e apresentou o seu primeiro desfile em Tóquio também em 2017. Desde o ano passado, tem apresentado as suas criações num showroom parisiense. O designer assume a sua ligação com a cultura do skate e do BMX da sua juventude, mas também a influência da Undercover ou Jeremy Scott, e de Warholl no campo artístico, ou ainda de Darren Aronofsky. Conhecemos iconoclastas menos talentosos. Assim, a roupa de Masayuki Ino é, às vezes, conceptual; como as suas t-shirts e camisas apresentadas em Blister nesta temporada. A marca possui presença na Ásia e na Europa.

Ludovic de Saint Sernin - LVMH Prize

Ludovic de Saint Sernin também desfila desde o ano passado. O francês, estabelecido entre Paris e Londres, apresentou nas suas duas primeiras coleções masculinas peças muito desejadas para as mulheres. A sua combinação de várias peças de cerâmica vermelha conectadas umas às outras por ganchos de ouro, foi marcante. Mas também assinou colaborações com a Repetto e a fabricante escocesa de cashemire Begg & Co na sua última temporada.

Mas, o designer de 27 anos, formado em design de moda pela ESAA Duperré, atraiu todos os olhares com o seu universo fortemente inspirado na fotografia de Robert Mapplethorpe. Após estagiar na Saint Laurent e na Balmain, Ludovic de Saint Sernin juntou-se ao estúdio de criação de prêt-à-porter feminino da Balmain, sob a direção de Olivier Rousteing. Um expertise que pode ser observado nas suas criações, que aproveitam ao máximo o corpo masculino com as suas combinações, os seus casacos de couro ou os seus tops e calças escandalosamente femininos. O designer, que traz referências da cultura gay, diverte-se em ter uma clientela feminina.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - DiversosCriação
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER