×
371
Fashion Jobs
JD SPORT
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Norteshopping
Temporario · Matosinhos
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Figueira da Foz
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Amoreiras - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Lisboa
AMERICAN VINTAGE
Sales Assistant Part Time 10h (M/W)
Efetivo · LISBOA
AMERICAN VINTAGE
Sales Assistant Part Time 10h (M/W)
Efetivo · LISBOA
MAX MARA PORTUGAL
Luxury Sales Assistant - Max Mara Lisboa - 40h Semanais
Temporario · LISBOA
MAJE
Assistant Store Manager - Lisbon Amoreiras
Temporario · LISBOA
FARFETCH
Senior Production Support Agent – Fps
Efetivo · GUIMARÃES
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
16 de mar. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Primark envolvida em reivindicações de trabalhadores por abusos de fornecedores em Myanmar

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
16 de mar. de 2021

Os trabalhadores em Myanmar que produzem vestuário para a Primark têm sido sujeitos a abusos por parte de fornecedores da empresa irlandesa, onde se incluem a contenção e despedimentos, de acordo com um relatório do Guardian.


A GY Sen que fornece a Primark tranca trabalhadores na fábrica para não se juntarem aos protestos - Photo: Nigel Taylor


Testemunhos dados ao jornal afirmam que trabalhadores empregados pela GY Sen, que fornece a Primark, foram trancados dentro da sua fábrica por supervisores que tentaram impedi-los de se juntarem aos protestos.

Os trabalhadores alegaram que os seus supervisores tentaram evitar que faltassem ao trabalho para participarem em protestos na cidade principal de Rangum no dia 18 de fevereiro. O relatório também afirma que até 1.000 trabalhadores ficaram presos no interior das instalações fabris e só conseguiram libertar-se após várias horas.

Ainda segundo os trabalhadores, cerca de 20 foram subsequentemente despedidos por turnos desaparecidos para participarem no movimento de desobediência civil, através do qual um grande número de pessoas em todo o país se recusou a trabalhar. Um porta-voz da GY Sen negou todas as acusações.

A Primark disse que eram "alegações muito graves... A nossa maior prioridade é manter os trabalhadores a salvo e bem, e garantir que os seus direitos e liberdades sejam respeitados", confirmou um porta-voz da empresa irlandesa.

A Primark informou também que lançou uma investigação à fábrica no dia 5 de março, após uma organização laboral local ter manifestado preocupações, mas não especificou pormenores.

Numa declaração escrita, a Primark adiantou: "Trabalharemos com o nosso fornecedor e, quando necessário, com outros terceiros de confiança. Se se verificar que a fábrica violou o nosso código [de conduta], trabalharemos com o fornecedor e com a fábrica para resolver quaisquer problemas".

"Dada a situação atual em Myanmar, prevemos que a condução da investigação poderá ser mais desafiadora do que o habitual", acrescentou.

A Primark também observou que não fará mais encomendas à fábrica até o inquérito estar concluído.

Contudo, os trabalhadores da GY Sen disseram que, mesmo antes do golpe, foram colocados sob pressão para completar cargas de trabalho excessivas e ameaçados de despedimento se recusassem turnos extra. O pessoal recebeu apenas 1.200 kyat (0,71  cêntimos de euro) por hora, para fazer horas extraordinárias, de acordo com as folhas de pagamento vistas pelo Guardião.

Um porta-voz da GY Sen negou que os trabalhadores fossem mal pagos, dizendo: "Pagámos-lhes [pelas horas extraordinárias] de acordo com a taxa padrão da lei".
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.