×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
9 de set. de 2022
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Primark: forte crescimento das vendas no Reino Unido e EUA com mercados europeus a provarem ser duros

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
9 de set. de 2022

O proprietário da Primark – Associated British Foods – publicou, na quinta-feira (8 de setembro), uma atualização comercial antes dos resultados de todo o ano e, embora as vendas se mantenham fortes, é evidente que o retalhista focado no budget está a ser afetado pela crise do custo de vida, entre outras questões.


A Primark regista um forte crescimento das vendas no Reino Unido e EUA, com os mercados europeus a provarem ser duros - Reuters


A empresa disse que o total de vendas para o ano financeiro deveria ser de cerca de 7,7 mil milhões de libras esterlinas (8,87 mil milhões de euros). Em moeda constante está 40% à frente das vendas reportadas no ano passado e 44% à frente, numa base comparável de 52 semanas. Isto reflete o fim das restrições pandémicas "e o reinício de um comportamento mais normal do cliente".

As vendas like-for-like do Q4 (quarto trimestre) "estiveram em linha com" o Q3 (terceiro trimestre). Isto significa que "a melhoria contínua do nosso desempenho no mercado britânico foi compensada por um desempenho mais fraco do que o esperado na Europa Continental". No entanto, o total de vendas do Q4 deverá ainda ser 7% superior ao do ano passado, numa base comparável de 52 semanas. Isto será impulsionado por um aumento do espaço de venda e um crescimento de 6% no mesmo período de tempo. 

No entanto, a empresa ainda está atrasada no período pré-COVID-19 e as vendas like-for-like para o trimestre serão 9% inferiores às de há três anos.

Esperava uma melhoria na Europa Continental que não aconteceu, o que significa uma margem de lucro operacional ajustada para a Primark de 9,6% e uma margem de lucro operacional ajustada para o segundo semestre de 8%. Também disse que a volatilidade no novo exercício financeiro significa que provavelmente irá atrasar esse valor de 8% no período.

A força do Reino Unido



O comércio do Q4 no Reino Unido foi florescente com densidades de vendas "muito melhoradas no terceiro trimestre, impulsionadas por vendas semelhantes 13% antes do ano passado e um pouco abaixo dos níveis pré-COVID-19". 

Assistiu-se a uma maior queda do fluxo de clientes em toda a propriedade e, em particular, "clientes que regressam às ruas altas e aos centros das cidades". 

Isto ajudou a sua quota no mercado total de vestuário, calçado e acessórios do Reino Unido em valor durante as 12 semanas até finais de julho a estar "globalmente em linha com os níveis pré-COVID-19". Dado que os valores da quota dos seus pares incluem vendas online – enquanto que a Primark não vende online – esse é um bom resultado.

Também disse que a República da Irlanda "continuou a ser forte com vendas semelhantes, consistentemente próximas dos níveis pré-COVID-19".

Mas e quanto a esse desempenho dececionante na Europa continental? A empresa tem visto sinais de "cautela por parte dos clientes em relação aos gastos em todos os mercados". Isto significa que o total de vendas Q4 (ajustado a uma base comparável de 52 semanas) será "apenas" 5% à frente do ano passado, com um crescimento de 4% no espaço de vendas e um aumento de 1% nas vendas like-for-like.

Em comparação com os níveis pré-COVID-19 de há três anos, as vendas like-for-like estavam atrasadas em 18% e nos mercados europeus, a queda do Q4 não conseguiu melhorar. 

Na Península Ibérica, as densidades de vendas trimestrais "melhoraram muito" em relação ao ano passado, quando as restrições de COVID-19 limitaram a procura interna e resultaram em baixos níveis de turismo. Mas este ano foi prejudicado pela onda de calor extrema e os dados mostram que o mercado global do vestuário na Península Ibérica permanece abaixo dos níveis pré-pandémicos.

Também em França, o sector retalhista total do vestuário continuou a negociar atrás dos números pré-pandémicos, "sem o esperado aumento do número de clientes, particularmente nos arredores de Paris, onde temos uma concentração de lojas e onde acreditamos que as vendas se atrasaram no resto do país", disse a Primark. 

Na Alemanha, as densidades de vendas "não voltaram aos níveis pré-COVID-19 e por isso nos próximos meses iremos rever as opções de novas ações para reposicionar o nosso negócio para o sucesso neste importante mercado", explicou a empresa sem dar mais pormenores.


Omercado global do vestuário na Península Ibérica permanece abaixo dos níveis pré-pandémicos - DR


Em Itália, houve melhores notícias, uma vez que o total das vendas do 4.º trimestre aumentou 20% ano após ano "com uma reação entusiasta dos clientes às quatro novas lojas abertas durante o ano".

Os Estados Unidos também se mantêm dinâmicos e as vendas totais do 4.º trimestre deverão estar cerca de 27% à frente dos níveis pré-COVID-19, impulsionadas pelas aberturas de novas lojas, com vendas semelhantes próximas dos níveis pré-COVID-19.

Expansão de lojas



A empresa continua a abrir novas lojas e acrescentou 0,4 milhões de metros quadrados de espaço comercial neste ano financeiro. Irá também abrir mais três espaços antes do final do ano (na República Checa, Irlanda e Espanha), com uma loja em Nova Iorque prevista para o início do próximo exercício financeiro.

Mais acrescentou que o seu novo website do Reino Unido está em funcionamento desde abril e as principais métricas, tais como tráfego e envolvimento, têm sido construídas de forma constante desde um começo forte. A nova instalação de verificação de stock está a ser "entusiasticamente adotada".

Olhando para o próximo ano financeiro, a Primark espera que o crescimento das vendas seja impulsionado pelo aumento do espaço de venda a retalho e pelo crescimento do tipo like-for-like resultante tanto dos aumentos de preços implementados para o outono-inverno 2022 como dos planeados para a primavera-verão 2023. 

Mas não irá introduzir mais aumentos de preços. Explicou que "nas últimas semanas, o dólar americano fortaleceu significativamente em relação à libra esterlina e ao euro, e os custos energéticos continuam a ser voláteis e mais elevados. Contra este atual cenário volátil e um contexto de provável rendimento disponível muito reduzido do consumidor, decidimos não implementar mais aumentos de preços no próximo ano para além dos já acionados e planeados. Acreditamos que esta decisão é do melhor interesse da Primark e apoiamos a nossa proposta central de acessibilidade diária e liderança de preços".
 

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.