Primark: margens aumentam apesar da queda nas vendas comparáveis

As atualizações comerciais e os relatórios de resultados da Primark são sempre observados com uma lupa. Mas, quando os tempos são maus, quando a devastação no retalho é mais intensa do que nunca, são estudados ainda mais de perto.


Primark

Todos querem conhecer os resultados dos negócios mais bem sucedidos, já que são ponto de referência para o setor. Se estiverem com dificuldades, são más notícias.
 
A Primark está em apuros? Não, mas também não está a crescer. Espera-se que as vendas do primeiro semestre terminem 4% acima das do ano passado, algo que pode não ser espetacular, mas que é certamente impressionante, tendo em conta as difíceis condições atuais.

Na segunda-feira, a empresa explicou que o período de 24 semanas até 2 de março registou uma subida de 4% a taxas de câmbio constantes e neutras, impulsionada pelo aumento do espaço de venda a retalho. Mas, se aprofundarmos um pouco mais, descobrimos que isso é "parcialmente contrabalançado por uma queda de 2% nas vendas comparáveis".

Podem não ser boas notícias, mas, considerando que Primark não tem uma loja online que distorça os números, não é um mau resultado. O proprietário da empresa, a Associated British Foods, também afirmou que "com uma margem muito maior, espera-se que os lucros sejam muito mais elevados do que no mesmo período do ano passado, (enquanto) a comercialização inicial da coleção primavera-verão tem sido encorajadora".
 
"No Reino Unido, os bons resultados são mantêm-se e aumentámos substancialmente a nossa quota de mercado no mercado de vestuário, calçado e acessórios, com um aumento nas vendas de 2% em relação ao ano passado. As vendas comparáveis cumulativas melhoraram desde a atualização comercial de janeiro. O declínio de clientes em novembro foi compensado pelos bons resultados dos restantes meses e espera-se que as vendas comparáveis sejam equivalentes às do ano passado no primeiro semestre."

Espera-se que as vendas na zona euro superem em 5% as do ano passado, com um aumento de vendas particularmente sólido em Espanha, França, Itália e Bélgica. Mas, mais uma vez, as vendas comparáveis estarão abaixo das expectativas, com uma queda de 3%.
 
Na Europa, parece que o problema é a Alemanha. “Reforçámos o plano de gestão e de marketing na Alemanha para fazer face aos problemas no comércio, que continua em dificuldades", explicou a empresa. "Estamos a trabalhar para reduzir o espaço de vendas em algumas lojas alemãs para otimizar o seu custo."

Mas, o negócio nos Estados Unidos está a melhorar, apesar de continuar a gerar perdas. A empresa declarou que as vendas fortes foram impulsionadas pelas "excelentes operações na loja que abriu recentemente em Brooklyn, combinadas com o crescimento das vendas comparáveis.” “Isso, juntamente com o aumento da rentabilidade das lojas após a redução da área de vendas em Freehold e Danbury no ano passado, reduziu significativamente os custos operacionais nos Estados Unidos."

Como esperado, "o efeito de um dólar americano mais fraco nas compras contratadas no primeiro semestre beneficiou os custos de produção”. “Espera-se que a melhoria das compras, uma gestão de stocks ajustada e uma redução dos descontos levem a que a margem operacional do primeiro semestre seja muito superior à do ano passado."

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirModa - DiversosNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER