×
368
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
BROWNIE
Store Manager
Efetivo - CLT · LISBOA
SANDRO
Sales Assistant 12hr Corner Porto h/m
Trainee · LARAMIE
LION OF PORCHES
Gerente (m/f) - Algarve Shopping
Efetivo - CLT · GUIA
LION OF PORCHES
Gerente (m/f) - Oeiras Parque
Efetivo - CLT · LISBOA
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendedor(a) - 40h - CDI - Eci Lisboa - H/F
Efetivo - CLT · LISBOA
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Gestor de Loja - 40h - CDI - Lisboa Colombo - H/F
Efetivo - CLT · LISBOA
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendedor(a) - 40h - CDI - Lisboa Colombo - H/F
Efetivo - CLT · LISBOA
TAPESTRY
Sales Associate ii - ce pt Vila do Conde (20-39 Hours)
Efetivo - CLT · Vila do Conde
SALSA
Estágio Curricular - People & Talent
Estágio · Vila Nova de Famalicão
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Estação Viana - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Viana do Castelo
THE KOOPLES
Store Manager
Efetivo - CLT · LISBOA
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de abr de 2021
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Primark sem canal online próprio vê metade do ano difícil e vendas recorde após a reabertura

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de abr de 2021

A Primark foi um grande problema para o seu proprietário Associated British Foods na primeira metade do ano de 2021, uma vez que o encerramento forçado de muitas lojas fez baixar as receitas e os lucros da marca irlandesa.


A Primark atingiu vendas recorde após a reabertura das lojas - Photo: Sandra Halliday


A empresa-mãe viu uma queda de 17% nas receitas do grupo para £6,313 mil milhões de libras esterlinas e os lucros operacionais ajustados caíram 46% para £369 milhões nas 24 semanas até ao final de fevereiro. Os lucros antes de impostos caíram 8% para £275 milhões.

O CEO George Weston disse que a maioria das lojas Primark estiveram fechadas durante mais de metade do período. Mas acrescentou que "as vendas da Primark após a reabertura das lojas demonstram a relevância e o apelo da nossa oferta de valor". E as vendas da semana passada no mercado chave de Inglaterra e País de Gales atingiram níveis recorde, uma vez que os consumidores voltaram a inundar as suas lojas assim que as lojas não essenciais foram autorizadas a reabrir.

Não tendo a Primark nenhum canal online próprio, o encerramento das suas lojas significou que o negócio entrou efetivamente em hibernação em múltiplos mercados (embora ainda houvesse muita coisa a acontecer nos bastidores). Mesmo assim, a empresa continua empenhada no seu modelo de negócio.

O ano passado, a Primark perdeu mais de 3 mil milhões de libras esterlinas em vendas e mais de mil milhões de libras esterlinas em lucros. Também assistiu a "enormes saídas de caixa com um fluxo de saída de £650 milhões só na primeira metade deste ano".

Primeira metade de 2021

Durante o período de seis meses, a Primark registou receitas de £2,232 mil milhões, o que representa uma diminuição de 40% em relação ao ano anterior. E o seu lucro operacional ajustado foi de apenas £43 milhões, menos 90%.

A empresa foi duramente atingida pelos encerramentos britânico e europeu, mas não houve nenhum ponto em que todas as suas lojas tenham sido fechadas, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga de lockdowns. A empresa estima que o primeiro semestre do ano fiscal (H1) "perdeu" vendas de £1,1 mil milhões durante os encerramentos, e que as restrições enquanto as lojas estavam abertas diminuíram as vendas like-for-like em 15%.

Mas a empresa considera que "este desempenho similar é forte" nas circunstâncias de gastos de categoria inferior e conselhos de permanência em casa.


A Primark vê oportunidades de expansão emPortugal onde a marca tem uma forte ressonância - Reuters


O desempenho do like-for-like no Reino Unido foi de -6% no H1 e apenas -1%, excluindo quatro grandes lojas do centro da cidade. Embora as lojas permanecessem abertas em vários países da zona euro, em muitos casos estavam sujeitas a restrições de horários de comércio e distâncias que os compradores podiam percorrer. Em alguns casos, a gama de mercadorias com permissão de venda era limitada. Consequentemente, o desempenho semelhante na primeira metade do ano na zona euro foi de -20%.

A empresa também informou que as vendas like-for-like do Reino Unido nas suas lojas em parques de retalho eram na realidade mais elevadas do que há um ano no H1, enquanto os centros comerciais e as lojas de rua as vendas eram mais baixas do que no ano passado. E as grandes lojas do centro das cidades de destino, que dependem fortemente do turismo e dos trabalhadores pendulares, "continuaram a assistir a um declínio significativo". Excluindo as suas 16 grandes lojas do centro da cidade, as vendas like-for-like foram de -11%.

Uma boa notícia: o seu negócio nos EUA "teve um bom desempenho e é agora lucrativo". Este negócio foi ajudado pelo facto de que nenhuma loja teve de fechar e o seu desempenho de vendas like-for-like registou apenas uma queda de 11% (ou -3%, excluindo a loja do centro da cidade de Boston). E Primark está "particularmente satisfeita com o forte comércio nas lojas recentemente abertas de Sawgrass Mills Florida, American Dream New Jersey e, durante o mês de março, State Street Chicago".

A empresa continua a ser impactada pelas medidas da pandemia de COVID-19. As lojas escocesas ainda estão fechadas até à próxima semana e os progressos na zona euro têm sido mistos. Algumas datas de reabertura foram adiadas e algumas lojas reabriram com restrições, tais como na Holanda, Alemanha e Bélgica. As trocas comerciais continuam, "embora a um nível muito reduzido". 

Com encerramentos durante março e abril e restrições contínuas, a empresa espera perder cerca de 700 milhões de libras em vendas do segundo semestre do ano fiscal (H2). Mas, tal como mencionado, tem registado números recorde de vendas após a reabertura em Inglaterra e no País de Gales.

Até agora, a procura de roupa de noite, lingerie e roupa de lazer tem continuado a ser forte. Contudo, em comparação com as reaberturas anteriores, desta vez "vimos uma procura excelente para as nossas gamas de moda, particularmente de moda feminina". Os compradores acreditam claramente que a atual flexibilização dos lockdowns assinala realmente um regresso mais duradouro a algum tipo de normalidade. 

"A resposta dos clientes às novas tendências para a primavera-verão, que têm figurado nos nossos canais de comunicação social digital, tem sido muito forte", afirmou. 

E a empresa continua a acrescentar um novo espaço. Tem um canal saudável de abertura de lojas em "vários mercados em crescimento, com especial enfoque no sul da Europa e na Europa de Leste". Vê mais oportunidades de expansão em França, Espanha, Portugal e Itália, "onde a marca Primark tem uma forte ressonância junto dos consumidores". Tem também planos para acelerar o seu crescimento nos EUA ao longo dos próximos cinco anos. Acaba de assinar um contrato de arrendamento para uma nova loja em Tysons Corner, mesmo à saída de Washington DC.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.