Puig fatura mais 6% em 2018 e atinge os 242 milhões de euros

Marc Puig, presidente e CEO da Puig, empresa espanhola especializada em fragrâncias, anunciou que a empresa registou lucro líquido de 242 milhões de euros em 2018, um aumento de 6% em relação ao ano anterior, e vendas de 1,933 mil milhões de euros, em linha com o obtido há um ano.


Torre Puig, sede corporativa da PuigPuig - Puig

Durante uma conferência de imprensa na quinta-feira (9), Marc Puig disse que a empresa alcançou o melhor ano da sua história, embora as vendas tenham permanecido estáveis ​​devido ao impacto da mudança nos padrões contabilísticos feitas há um ano. Excluindo esse impacto, o crescimento seria de 5%.

Marc Puig sublinhou que 86% das vendas da empresa foram feitas fora de Espanha, sendo 45% nos mercados europeus e americano e 41% nos mercados emergentes, enquanto o mercado espanhol representou 14%.

Além disso, as exportações fora de Espanha atingiram cerca de 752 milhões de euros em 2018. Os demais mercados europeus e o americano aumentaram 8% em relação ao ano anterior e os mercados emergentes como Turquia, Argentina e Brasil tiveram queda de 6% devido ao impacto do câmbio.

No mercado espanhol, a companhia registou vendas de 280 milhões de euros em 2018, face a 290 milhões de euros no ano anterior (-3%), devido à redução da presença em perfumarias e o impacto resultante da aquisição da Douglas, de duas empresas espanholas.

Para este ano, a Puig, que atua no mercado de fragrâncias e moda - categoria que contribui com uma pequena faturação, mas que está a crescer - espera obter crescimento de um dígito.

Todas as fragrâncias da Puig são desenvolvidas nos centros de produção de Espanha e França. A empresa vende em cerca de 150 países, possui 26 subsidiárias próprias e uma equipa de 4.563 funcionários.

Marcas

A Puig indicou que espera que as suas principais marcas, Paco Rabanne e Carolina Herrera, alcancem um volume de negócios de mil milhões de euros cada em 2025. Além delas, a Puig também conta no seu portfólio com as marcas Nina Ricci, Jean Paul Gaultier, Dries Van Noten, Penhaligon e L'Artisan Parfumeur, bem como as licenças da Prada, Christian Louboutin, Comme des Garçons e as fragrâncias Lifestyle, com a marca Antonio Banderas.



A Jean Paul Gaultier registou recorde de vendas desde A sua integração nas fragrâncias da Puig, há três anos, enquanto A Antonio Banderas alcançou 100 milhões de vendas no seu 20º aniversário.

O CEO realçou que o grupo chegou a um acordo com a Louboutin em 2018 para desenvolver o negócio de beleza, o que representa uma "oportunidade" para entrar no mercado de cosméticos.

Planos futuros

Marc Puig disse que a empresa aposta em plataformas locais e regionais com posições de liderança no setor de beleza, como é o caso da Granado no Brasil, sendo acionista minoritária da marca.



A Puig adquiriu, no início de 2019, uma participação minoritária na empresa colombiana Loto Sul e na indiana Kama Ayurveda e espera adquirir uma participação maioritária para se manter alinhada com a estratégia de promover marcas fortes nos seus territórios.

Operações corporativas

Sobre a possibilidade de realizar operações corporativas, a Puig avaliou que a trajetória da empresa de fragrâncias e moda tem sido "prudente e bastante seletiva" para fazer aquisições.

Marc Puig observou que, durante os últimos 15 anos, a Puig tem crescido de forma orgânica, apesar de ter conseguido encontrar “oportunidades".  

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 Europa Press. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos aqui apresentados sem o prévio e expresso consentimento.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosPerfumesCosméticaEstéticaNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER