×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
29 de jul. de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Puma espera crescimento de 20% a taxas de câmbio constantes em 2021

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
29 de jul. de 2021

A Puma continua preocupada com o impacto a curto prazo da pandemia de coronavírus na sua cadeia de aprovisionamento, declarou na quinta-feira a marca desportiva alemã, embora tenha reafirmado que as perspetivas a médio prazo para o setor e a empresa continuam positivas.


Os resultados da Puma para o segundo trimestre e o primeiro semestre de 2021 - Puma


A empresa foi capaz de superar a escassez de capacidade de frete, o congestionamento portuário e as restrições relacionadas com a Covid-19 em alguns países, registando um forte crescimento nas vendas no lucro no segundo trimestre graças a uma forte demanda, de acordo com o diretor-geral Bjorn Gulden.
 
Em comunicado, o responsável declarou: "É claro que ainda estamos preocupados com o impacto que a Covid-19 continuará a ter na nossa atividade a curto prazo, especialmente agora na cadeia de aprovisionamento. Mas, continuamos muito positivos quanto às perspetivas a médio prazo para o nosso setor em geral e especificamente para a Puma.”

A empresa confirmou os números preliminares de volume de negócios e lucro do segundo trimestre divulgados há duas semanas: um volume de negócios a taxas de câmbio constantes que quase duplicou (+96%) para 1,589 mil milhões de euros e um lucro antes de juros e impostos (EBIT) de aproximadamente 109 milhões de euros, contra uma perda de 115 milhões no mesmo período do ano passado.
 
Este crescimento é impulsionado por um aumento de 85% nas vendas na zona da Europa, Médio Oriente e África para 572 milhões, mais de 29% na Ásia-Pacífico para 341 milhões e de 183% na zona das Américas para quase 676 milhões de euros.
 
Uma especificidade da Puma em relação às líderes do setor Nike e Adidas é a forte participação das suas vendas por atacado. Estas aumentaram 114% no trimestre, para 1,2 mil milhões de euros. As vendas diretas ao consumidor (D2C) aumentaram quase 55%, para 389 milhões. De referir que as vendas a retalho mais do que duplicaram (+107%) e que, apesar da reabertura das lojas, as vendas online continuaram a crescer (+8,5%).
 
Um desempenho que também pode ser explicado pelos investimentos realizados durante o período. A marca alemã injetou 650 milhões de euros no segundo trimestre em iniciativas de marketing, mas também em logística e distribuição para apoiar a sua recuperação. Ou seja, mais do que em 2020, quando havia investido 483 milhões, mas também bem acima dos 531 milhões consagrados em 2019.
 
A Puma reafirmou igualmente as suas perspetivas para 2021, com aumento de pelo menos 20% no seu volume de negócios a taxas de câmbio constantes, quando anteriormente previa um aumento em torno de 15%. A sua direção espera, assim, um lucro operacional de 400 a 500 milhões de euros para a totalidade do exercício.
 
Em termos desportivos, o verão começou bem para a Puma com a vitória da Itália no Europeu de futebol. Agora, a marca foca-se em Tóquio, onde patrocina 13 federações e mais de 200 atletas.
 
Com a Reuters

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.