×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
11 de nov. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Renzo Rosso (OTB): "Temos de ajudar as pequenas empresas de moda, não necessariamente adquiri-las"

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
11 de nov. de 2022

Durante o seu discurso no Fashion Summit Pambianaco-PwC, o CEO da OTB, Renzo Rosso, não parou de atacar, para dizer o mínimo: os grandes grupos e marcas provenientes de fora de Itália que buscam “adquirir” a cadeia de abastecimentos da moda italiana.
 

Renzo Rosso na Fashion Summit Pambianco-PwC - Photo: FNW/Laura Galbiati


"Na nossa opinião, os pequenos negócios e oficinas de artesanato precisam de ser apoiados de outra forma. Trabalhamos com inúmeras microempresas, com as quais criamos laços muito estreitos, dando-lhes formação, suporte tecnológico que uma microempresa não pode pagar, todas as ferramentas necessárias para aspirar a sustentabilidade, que é muito complexa e cara, e apoio financeiro através do nosso programa Cash, que tem taxas muito inferiores às dos bancos", explicou Rosso.

"Ao invés de adquirir uma empresa, prefiro ajudá-la desta forma, mantendo os empreendedores que a criaram com o seu trabalho e paixão em primeiro plano", disse.

O empresário destacou o tamanho e a composição do grupo OTB, não sem orgulho justificado e uma nota um pouco polémica: "Não entendo quando leio que não existe um grande grupo de moda em Itália. Somos um grupo real e próprio que tem centralizado todas as funções para criar sinergia e está construído para dar o máximo suporte às empresas que o compõem, em termos de serviços e consultoria. Em 2021, faturamos 1.5 bilhão de euros e este ano alcançaremos 1.8 bilhão de euros. Olhamos cada vez para mais alto: além da Diesel, todas as demais são marcas de luxo, algumas das quais crescem 30%-40% ao ano. O sector de luxo está a ir bem, mas também precisamos das reaberturas na China, que representará 50%-55% de vendas de luxo nos próximos anos.
 
Há um capítulo separado para a Diesel, que Rosso descreve como "uma das 7-8 marcas mais cobiçadas do mundo atualmente. Posicione a marca para cima. Ainda há muito trabalho a fazer, mas uma vez finalizado, a Diesel será uma empresa incrível, capaz de faturar bilhões; quero que se torne uma alternativa ao luxo, um verdadeiro luxo casual".
 
No que diz respeito à sustentabilidade, o empresário disse que, depois da Diesel, todas as outras marcas do grupo também vão começar a introduzir vestuário equipado com RFID para garantir a máxima rastreabilidade aos clientes. Quanto ao canal online, Rosso (que foi um dos primeiros sócios da Yoox) lembrou que a Diesel foi a primeira marca na Europa a abrir o seu próprio e-commerce, em 1996: "Vendíamos 16 pares de jeans por dia".

"Hoje não podemos mais prescindir da dimensão digital, que ficará cada vez maior, mas continuará a avançar paralelamente ao universo físico", acrescentou.
 
Questionado se o grupo OTB poderia abrir-se a outros sectores no futuro, Rosso comentou: "Estamos a testar óculos e gostaria de entrar na beleza, mas é um mundo muito complexo. Com a nossa holding familiar Red Circle estou a realizar muitos projetos, sou fascinado pelo mundo dos alimentos orgânicos, do vinho e da hospitalidade, e o meu objetivo para o futuro é que tudo isso possa um dia convergir numa única holding".

Sobre um possível IPO da sua empresa, o empresário antecipou: "Sem dúvida estamos a trabalhar numa entrada futura, também para apoiar a mudança geracional e ajudar a família a gerir todas estas empresas, o que não é nada fácil".
 

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.