×
709
Fashion Jobs
JD SPORT
Demand Planner_Sport Zone(m/f)
Efetivo · Maia
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo · Braga
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Direct-tO-Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer - Spanish Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Apo (Snp/Ibp) Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Non-Trade Procurement Business Analysis (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Footwear Buyer
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Apparel Buyer
Efetivo · Alicante
SACOOR BROTHERS
Fiel de Armazém (Storekeeper) - c. Comercial Colombo (m, f)
Efetivo · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant - c. Comercial Norteshopping (m, f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist - People Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo · Porto
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
17 de jan. de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Richemont: vendas aumentam, mas operações de moda caem no terceiro trimestre

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
17 de jan. de 2020

As vendas de moda e acessórios do grupo de luxo suíço caíram no último trimestre, mas este registou um bom crescimento geral na maioria dos seus mercados. Os protestos de Hong Kong afetaram o grupo.


Chloé - outono-inverno 2019 - Moda Feminina - Paris - © PixelFormula


Nos três meses decorridos até 31 de dezembro, esse crescimento conseguiu "mais do que compensar" o impacto dos protestos em Hong Kong que resultaram numa "acentuada contração" da empresa nesse mercado. Mas, o ritmo de crescimento durante o terceiro trimestre continua baixo em comparação com o primeiro semestre.
 
A proprietária da Chloé, Cartier e Dunhill, o segundo maior grupo de luxo do mundo, disse que as suas vendas totais durante o trimestre aumentaram 6% a taxas de câmbio reais e 4% a taxas de câmbio constantes, para 4,16 mil milhões de euros. Este registou um crescimento "forte" na Europa e na região das Américas, enquanto a Ásia-Pacífico cresceu pouco e sentiu fortes aumentos de dois dígitos na China e na Coreia. A taxas de câmbio constantes, as vendas aumentaram 6% no primeiro semestre.

Uma das suas fraquezas foram as operações no setor de moda. A empresa declarou que a categoria "Outros negócios", que inclui Moda e Acessórios, sofreu uma diminuição de 3% nas vendas, para 522 milhões de euros a taxas de câmbio constantes. Isso reflete as "difíceis condições comerciais" para as marcas, “à exceção da Peter Millar, que continuou a mostrar um forte impulso nos Estados Unidos".

E, enquanto os Distribuidores online (ou seja, as operações Yoox Net-A-Porter e Watchfinder) aumentaram 5% no total, para 670 milhões de euros, um "contexto de preços cada vez mais competitivo no comércio eletrónico e a interrupção causada pelos danos sofridos nos armazéns de Landriano da Mr Porter, devido às tempestades, limitaram o crescimento das vendas em 2%” a taxas de câmbio constantes. No entanto, houve "uma forte demanda nos Estados Unidos ".

A nível regional, sabemos que em Hong Kong houve problemas por motivos bem conhecidos. Mas, a empresa também apontou o Japão como a única unidade geográfica independente que não cresceu. O Japão perdeu 7% devido à força do iene, ao menor gasto turístico e ao aumento de impostos nas vendas em outubro, o que afetou as compras. As vendas totais na Ásia-Pacífico aumentaram 2%, impulsionadas pelo forte crescimento de dois dígitos na China e na Coreia, algo que mais do que compensou a "forte contração das vendas" em Hong Kong.

Pelo contrário, as vendas na Europa aumentaram 9%, beneficiando de números comparáveis favoráveis e fortes vendas na maioria dos mercados. As vendas na região das Américas aumentaram 5%, impulsionadas pelos bons resultados obtidos nos Estados Unidos, que "compensam as quedas sofridas noutros mercados". Além disso, o aumento de 3% nas vendas no Médio Oriente e África "refletiu os bons resultados do comércio a retalho (online e em loja) e números comparáveis favoráveis num ambiente económico pouco previsível".


Cartier - Cartier


Por canal de negócio, o comércio a retalho registou um aumento de 5% nas vendas, mesmo apesar do impacto negativo causado pelo fecho temporário de lojas em Hong Kong durante a maior parte do período em questão. No entanto, as vendas foram "particularmente notáveis" no resto da China. A venda por atacado, fixada em 1,186 mil milhões de euros, permaneceu estável em relação ao ano anterior a taxas de câmbio constantes, “o que reflete os bons resultados dos franchises, principalmente na Coreia, parcialmente contrabalançados pelo impacto das iniciativas de otimização da distribuição e gestão de inventário em curso, que já foram concluídas".
 
A empresa também indicou um aumento de 6% nas vendas das casas de joalharia, impulsionada pela venda de joias e relógios em todas as coleções. Os resultados da Cartier, Van Cleef & Arpels e Buccellati também foram descritos como "particularmente notáveis".

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.