×
303
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
DAMA DE COPAS
Consultora de Lingerie
Efetivo · PORTO
THE KOOPLES
Sales Assistant 16h - Eci Lisbon
Efetivo · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Temporario · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Figueira da Foz
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de mar. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Rússia proíbe Facebook e Instagram por 'extremismo'

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de mar. de 2022

Um tribunal russo baniu, na segunda-feira (21 de março) os gigantes das redes sociais Facebook e Instagram por "extremismo", uma medida que faz parte do esforço de Moscovo para controlar totalmente as informações digitais para encobrir a invasão e repressão na Ucrânia, já apontadas como crimes de guerra. "O tribunal satisfez uma ação movida pelo primeiro vice-procurador-geral contra a holding Meta Platforms Inc. para proibir as suas atividades em território russo", sentenciou o tribunal.


Sede da Meta em Menlo Park, Califórnia, no dia 28 de outubro de 2021. - GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Archives - JUSTIN SULLIVAN


O Facebook e Instagram, propriedade da Meta, estão portanto "proibidos devido a atividades extremistas", acrescentou o tribunal num comunicado publicado no Telegram. Essa proibição não afeta a aplicação de mensagens WhatsApp, também propriedade da Meta, uma vez que o tribunal considera que este não é utilizado como meio de “difusão pública de informações".

O Facebook e Instagram (este último especialmente popular na Rússia) são as últimas vítimas da recuperação do controle de informações que as autoridades russas aceleraram após o início da operação militar na Ucrânia no dia 24 de fevereiro.

Estas duas redes sociais já estavam bloqueadas há vários dias, assim como o Twitter e os sites da maioria dos meios de comunicação russos independentes. A única maneira de aceder é feita através de uma rede privada virtual (VPN).

Vida dificultada



Uma notícia descrita como "horrível, estranha e terrível" por Maxime, de 30 anos, gerente de uma marca de roupa e entrevistado em Moscovo, que aponta que "todos os progressistas que trazem um benefício económico usam o Facebook e o Instagram" na Rússia.

Margarita, uma arquiteta de 32 anos, acredita que os russos encontrarão formas de contornar essa decisão: "Não vai mudar nada, vai simplesmente dificultar as nossas vidas. Isso mostra mais uma vez até que ponto as autoridades não se importam com as pessoas comuns", disse.

No dia 11 de março, as autoridades russas pediram para classificar a Meta como uma organização "extremista" depois de acusá-la de ter relaxado os seus regulamentos para permitir a publicação de mensagens acusatórias contra militares e líderes russos como resultado da operação militar de Moscovo na Ucrânia.

Na segunda-feira, no tribunal, a promotoria reiterou esse pedido, considerando que a Meta havia justificado "ações terroristas" e queria incitar "ódio e inimizade" aos russos.

Os serviços de segurança russos (FSB) também exigiram a proibição "imediata" do Facebook e do Instagram. "As atividades do Meta são direcionadas contra a Rússia e contra as suas forças armadas", disse o porta-voz do FSB, Igor Kovalevsky, na audiência.

YouTube na mira do governo russo



De acordo com a agência de notícias russa TASS, um representante da Meta testemunhou no tribunal, na segunda-feira, e disse que a empresa havia mudado as suas regras para proibir "russofobia e apelos à violência". Desde o início da intervenção russa na Ucrânia em 24 de fevereiro, o governo russo reforçou consideravelmente o seu controlo sobre as informações na Internet, um dos últimos resquícios da liberdade de expressão no país.

O bloqueio e a proibição do Facebook, mas especialmente do Instagram, é um duro golpe para muitos cidadãos que usavam essas redes sociais não apenas para diversão, mas também para negócios.

Quer se trate de roupas, móveis, massagens ou cursos de idiomas, o Instagram é uma ferramenta de vendas digital crucial para muitas empresas russas, bem como para artistas, que confiam nesta plataforma para aumentar a sua visibilidade na Rússia e no exterior, e encontrar clientes.

As proibições impostas ao Facebook e Instagram também provavelmente terão impacto nos movimentos de oposição, que, banidos pelos media controlados pelo Kremlin, costumam fazer publicações através destas plataformas.

A tendência pode continuar. Na semana passada, o regulador de telecomunicações da Rússia, Roskomnadzor, acusou a gigante americana Google e o seu serviço de vídeo YouTube de atividades "terroristas", o primeiro passo para um possível bloqueio.

Continuando com o objetivo de controlar a informação, no início de março as autoridades introduziram dois novos crimes: um por divulgar informações que "desacreditam" o exército russo e outro por divulgar informações "falsas" sobre as tropas russas.

Este último crime prevê penas de até 15 anos de prisão e preocupa particularmente os opositores e media independente, que temem ser perseguidos por qualquer crítica à ofensiva. Ao menos três pessoas que já haviam publicado mensagens contra o conflito na Internet estão a ser processadas por esse motivo.
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.

Tags :
Médias