SMCP: entrada em bolsa afeta lucro

Paris, 21 de março de 2018 (AFP) - A empresa-mãe das marcas de prêt-à-porter Sandro, Maje e Claudie Pierlot (SMCP) anunciou na quarta-feira um lucro líquido de 6,3 milhões de euros em 2017, prejudicado por encargos relacionados com a "entrada em bolsa e a nova lei fiscal em França".

Loja Sandro - DR

Os lucros desapareceram em relação aos 53,7 milhões de euros pro forma gerados em 2016. Mesmo excluindo itens excecionais, o lucro líquido de 2017 ascende a 44,9 milhões de euros e permanece abaixo das previsões dos analistas da Factset e Bloomberg, que apontavam para um lucro líquido ajustado entre 51 e 55 milhões de euros.

Por outro lado, o excedente bruto de exploração ajustado (Ebitda) superou as expectativas dos analistas. Cresceu 18,6% para 153,7 milhões de euros, "impulsionado pelo crescimento dinâmico das vendas e o aumento da margem", afirmou o grupo num comunicado.

A margem EBITDA aumentou de 16,5% para 16,8%, "demonstrando a capacidade do grupo de gerar crescimento lucrativo": foi nomeadamente "impulsionada pelo crescente contributo das vendas de e-commerce e da Ásia", esclarece a SMCP.

De acordo com Daniel Lalonde, diretor-geral do grupo, citado no comunicado, "2017 foi um ano excelente, marcado por um crescimento notável em todas as regiões e para todas as nossas marcas".

"De facto, superámos os nossos objetivos de 2017, com um forte crescimento de vendas, uma excelente rentabilidade e continuação da redução da dívida", diz.
 
Em 2017, a SMCP reduziu a sua dívida líquida de 397,1 milhões de euros para 292 milhões de euros entre o final de dezembro de 2016 e o ​​final de dezembro de 2017.
 
Para 2018, o grupo espera um crescimento de vendas entre 11% e 13%, a taxas de câmbio constantes, e uma margem EBITDA ajustada de cerca de 17%.

Para isso, a SMCP pretende desenvolver a sua atividade "no seu core business e acelerar a expansão de acessórios, homem e digital (numérico, NR), bem como a expansão da sua rede de lojas nos seus mercados estratégicos em termos internacionais".
 
Estes resultados "reforçam a nossa capacidade de alcançarmos os nossos objetivos de 2020", definidos durante a entrada em bolsa em outubro passado, acrescenta Daniel Lalonde.

"A SMCP também pretende refinanciar a sua emissão de obrigações até 2019 e considerará uma distribuição de dividendos quando a evolução da sua estrutura de financiamento estiver concluída", por ler-se no comunicado.

Evelyne Chetrite e Judith Milgrom fundaram, respetivamente, a Sandro e a Maje em Paris em 1984 e 1998, e continuam a assegurar a direção artística.

A Claudie Pierlot foi fundada em 1984 pela Srª Claudie Pierlot e foi adquirida pelo grupo SMCP em 2009.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.

Moda - Pronto-a-vestirNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER