×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
13 de mai. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Safilo realiza bom primeiro trimestre graças ao e-commerce e às novas marcas

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
13 de mai. de 2021

A gigante da ótica Safilo registou um volume de negócios de 251,4 milhões de euros no primeiro trimestre, um aumento de 20% excluindo os efeitos cambiais. Naturalmente, a comparação com o primeiro trimestre de 2020 pode ser enviesada pelo início da pandemia, mas em comparação com o primeiro trimestre de 2019 o aumento ainda é de 6%.


Óculos David Beckham - Safilo


As marcas próprias e principais licenças do grupo estão na origem deste bom desempenho. Por outro lado, as novas marcas do portefólio conseguiram compensar as licenças que terminaram no final do ano passado.
 
Os Estados Unidos são os grandes responsáveis pelo aumento das vendas e têm mostrado uma inesperada atração pela venda online, introduzida recentemente pelo grupo. A atividade de e-commerce da Safilo aumentou 164%, nomeadamente graças ao site Blenders, cujas vendas aumentaram 79% numa base pro forma. O crescimento do canal de vendas diretas da Smith e as vendas geradas por lojas exclusivamente online também contribuíram significativamente. Atualmente, as vendas online representam 13% das vendas líquidas da Safilo, contra 5,9% no primeiro trimestre de 2020.

Tal como esperado, a China, a Austrália e o Médio Oriente apresentam um bom desempenho, mas a Europa continua "no geral dececionante" devido às "restrições impostas ao comércio em vários mercados, afetando diversos canais de distribuição".
 
Apesar de tudo, o aumento das vendas, associado à política de redução de custos implementada em resposta à pandemia e no âmbito de um plano mais amplo de controlo de encargos implementado nos últimos anos, resultou numa “melhoria significativa” do seu desempenho operacional.

O EBITDA ajustado ascendeu a 25,8 milhões de euros no primeiro trimestre de 2021, contra 5,8 milhões de euros em 2020 e 20 milhões de euros em 2019. A margem EBITDA ajustada atingiu 10,3%, contra 2,6% em 2020 e 8,1% em 2019.
 
Olhando para o desempenho por marca, as marcas próprias do grupo, Smith e Carrera, apresentam um crescimento sólido, enquanto licenças como Hugo Boss, Tommy Hilfiger, Kate Spade e Jimmy Choo começam a recuperar.

Marcas adicionadas recentemente ao portefólio do grupo, como Privé Revaux e Blenders, bem como novas licenças adquiridas como Levi's, David Beckham, Missoni, Ports e Isabel Marant, compensam o défice das licenças terminadas.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.