×
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
19 de jan. de 2023
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Sapatos formais retornam após anos de domínio dos ténis

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
19 de jan. de 2023

Anteriormente reservados aos nerds e jovens conservadores, os mocassins e outros sapatos formais vêm substituindo os sneakers como a primeira escolha para homens conscientes da moda.

Arquivo - Pexels


Romain Costa, um arquiteto luso-parisiense de 32 anos, precisa escolher entre as opções de calçado no seu apartamento em Montmartre: mocassins pretos de sola grossa, brogues coloridos, em couro ou camurça, com ou sem borlas...

Finalmente escolhe um par tricolor, que combina com jeans largos e um sweater preto de grandes proporções, antes de montar a sua bicicleta e ir para o trabalho. Para Costa, os ténis eram um calçado que usava quando era um skater adolescente. "Gosto de ter sapatos sóbrios. No trabalho é reconfortante para os clientes. Faz-me parecer mais sério", disse à AFP. "E  envelhecem melhor do que os ténis", acrescenta.

Mocassins



O boom dos sneakers da última década continua, mas há sinais de desaceleração. Dados do site Business of Fashion mostram que 45% dos homens americanos e britânicos ricos planeiam comprar sapatos sociais em 2023, em comparação com cerca de um terço que opta por ténis.

Looks formais estão a ser vistos em tapetes vermelhos e passerelles por formadores de opinião, como o rapper ASAP Rocky e o ator e diretor americano Donald Glover.

Muito procurados atualmente, o estilista francês Simon Porte Jacquemus usou mocassins pretos e colocou-os nos seus modelos no seu último desfile, realizado em dezembro, apesar da sua colaboração com a Nike.

No entanto, alguns ainda têm dificuldade em superar as velhas conotações. "Nunca há mocassins num desfile da Hermès", diz Pierre Hardy, diretor de design de calçado da marca francesa. "Na verdade, era o sapato preppie, de direita e reacionário", explicou.

Podem não ser muito apropriados para as passerelles, mas a Hermès continua a produzir e a vender mocassins, e Hardy entende por que as vendas dispararam. "Depois dos confinamentos, as pessoas cansaram-se de tudo ser aconchegante. Agora temos permissão para sair e queremos itens elegantes chiques", acrescentou.

Misturar e combinar



O mesmo está a acontecer na Grã-Bretanha, onde a loja de departamentos Browns "definitivamente viu uma mudança de estilo, indo dos ténis ao calçado mais formal", segundo o seu diretor de moda masculina, Thom Scherdel. "Os ténis estão a ser usados ​​cada vez menos nas passerelles e os clientes estão atentos. Muitos preferem misturar e combinar peças casual e sob medida nos seus guarda-roupas", referiu Scherdel.

Esta é uma grande mudança em relação ao passado: o uso de sapatos formais é feito não só com fatos, mas também com roupas desportivas, macacões e até mesmo shorts. "A alfaiataria formal está de volta, mas agora com um toque de conforto, porque as pessoas acostumaram-se com a calça de fato de treino e não querem voltar a usar roupas apertadas", disse Hugues Fauchard, da Uniforme, marca jovem que trabalhou com o especialista em calçado Weston em novas versões do seu mocassim clássico.

"Outro ponto importante é que os sapatos se estragam mais rapidamente: não são duráveis ​​e são difíceis de consertar", explica Fauchard, observando que a Weston oferece reparos vitalícios. "Temos de acabar com os itens descartáveis", enfatizou.

Talvez seja uma parte inevitável do ciclo da moda, com novos ténis a tornarem-se omnipresentes e preços de revenda absurdos (um par de sneakers da Nike co-projetado e usado por Kanye West foi vendido por 1,8 milhão de dólares em 2021).

"Os ténis eram para todas as situações, todas as idades, e ofuscavam outros sapatos que davam mais solidez aos homens", disse o historiador da moda Olivier Saillard, concluindo: "Mas com toda a moda existe um efeito boomerang".
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.