×
303
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
DAMA DE COPAS
Consultora de Lingerie
Efetivo · PORTO
THE KOOPLES
Sales Assistant 16h - Eci Lisbon
Efetivo · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Temporario · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Figueira da Foz
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
14 de fev. de 2022
Tempo de leitura
8 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Scoop X Pure: um forte show como exclusividade e reviravoltas únicas no topo da agenda

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
14 de fev. de 2022

A segunda (e última) edição do Scoop X Pure, que ocorreu na semana passada, mostrou que o apetite dos compradores por eventos físicos permanece forte após dois anos em que estes foram cancelados, atrasados ou feitos apenas digitalmente.


Scoop X Pure bem frequentado desde o primeiro dia - Hyve Group


Tanto o Scoop como o Pure realizarão shows a solo em julho e as multidões a bloquearem as portas a partir do horário de abertura do Scoop X Pure, logo no primeiro dia, sugeriram que a indústria terá todo o prazer em voltar à quase normalidade nos próximos meses.
 
O sucesso do evento deste mês na Cervejaria Truman de Londres realçou o dinamismo do setor independente que atravessou a pandemia com confiança renovada, e o apelo duradouro da moda premium para os consumidores abastados que também conseguiram manter as suas finanças em grande parte intactas.

A maioria dos expositores com quem falámos estiveram presentes para ver as boutiques indie e o evento atraiu-os certamente. Os visitantes vieram de todo o Reino Unido e Irlanda, incluindo The Place London, The Snooty Fox, Fran and Jane, Velvet and Rose, Willow and Wolf, Collen and Clare, Anne Furbank, Aria, Biscuit, The Dressing Room, Pamela Schiffer, Press, Sunday Best, Leaf, Katherine Bird, e Roxtons. Grandes nomes como Anthropologie, Fenwick, John Lewis, e ASOS também participaram.

O show foi importante para os novos expositores, aproveitando ao máximo a relativa exclusividade da sua oferta que deveria atrair os clientes dessas lojas, com mais de um expositor a destacar os seus materiais exclusivos (em geral self-woven) e detalhes apelativos.

Marcas para observar



A Gil Agencies estava a relançar a marca francesa de calçado premium Arche na exposição e também a introduzir a ainda nova marca premium coreana 4CCCCees. E Gerard Levy da Gil estava surpreendentemente otimista após aquela que foi uma contusão de dois anos para o setor do calçado.


Gerard Levy daGil Agencies - Photo: Sandra Halliday


"Nada é como era antes", disse. "Mas consigo ver alguma positividade. Na verdade, somos muito mais positivos agora do que éramos há dois anos antes da pandemia".
 
Um problema é a falta de lojas de calçado a retalho que permanecem no mercado, por isso trabalha principalmente com lojas de pronto-a-vestir, e essas lojas estão num bom lugar.
 
"Quando as lojas dizem que está tudo bem, isso significa que é bom", reforçou. "É interessante que de todos os clientes que eu não tinha, nenhum deles se tenha afundado (na pandemia). Acho que é o momento para os independentes. As lojas de departamentos estão a lutar, mas a ligação entre o cliente e o independente tornou-se muito mais forte".
 
A empresa teve certamente uma forte oferta no show com as duas marcas a atingirem aquele ponto doce entre o conforto que os consumidores a todos os níveis de preços procuram e o estilo que faz com que as peças se destaquem da multidão. Para a Arche isso significa uma vantagem contemporânea, enquanto que para a 4CCCCees é mais o desportivo-urbano.


A Gil Agencies representa a 4CCCCees - DR


Um recém-chegado – SJC London (ou Simon James Cathcart) – teve uma história interessante para contar, especialmente porque o evento marcou a sua entrada na moda feminina. A etiqueta anteriormente só de roupa feminina tem uma abordagem peculiar que combina estilo vintage com exclusividade – como os têxteis tecidos à mão.

A SJC encarou a sua presença no show muito como uma experiência de testagem. 

Mudou-se para a moda feminina apesar do seu negócio de moda masculina estar ainda florescer, informando que "os homens são realmente conservadores e difíceis de vestir. As mulheres são muito mais corajosas e ambiciosas. Sabem o que querem e penso que é mais fácil de lidar com isso". 

A empresa passou uma fase pandémica razoavelmente boa, pois remeteu que "os consumidores estavam a comprar peças que nem sequer podiam usar quando estavam aborrecidos e em casa".

Isto é encorajador dado que a perceção geral é que qualquer pessoa especializada em peças de confeção ou alfaiataria à medida viu os seus negócios a afundarem-se no meio de lockdowns e de mandatos de trabalho a partir de casa.


Simon James Cathcart da SJC lançou a sua moda feminina noshow - DR


Mas com base no ressurgimento do setor de boutique independente pós-pandémico, Simon James Cathcart da SJC escolheu claramente um bom momento para entrar no mercado feminino. Então, o que é que está na sua oferta? Como mencionado, é uma mistura de peças de influência vintage, tais como fatos de saia e casaco, malhas finas e outro vestuário de dia com foco em materiais e detalhes exclusivos.
 
Alimenta-se da tendência em que vê mulheres abastadas preparadas para pagar preços elevados pela sua moda, mas esperando muito em troca, especialmente em termos de singularidade.
 
Isso é algo que a coleção Georgia Crossley da GeeGee também está a explorar. As suas marcas principais apelam à exclusividade através de peças feitas à mão que também apresentam têxteis tecidos à mão.
 
Como profissional de longa data na moda que começou a estagiar na Alexander McQueen e depois se mudou para a indústria mais ampla (incluindo trabalhar para marcas na indústria final da China), Crossley tem visto o mercado a vários níveis e sabe o que quer.


Materiais curiosos e exclusivos são uma característica da oferta da GeeGee Collection - DR


"Queria trazer de volta todo o know-how do Made in England. Para me afastar da moda rápida", disse. "Estou a mantê-lo sustentável e ético".
 
A pausa na vida profissional durante a pandemia deu-lhe tempo para lançar a sua marca e resultou numa ousada mistura de casacos superficialmente tradicionais, mas realmente surpreendentes e separa-se de impressões marcantes com muito brilho e detalhes como franjas irregulares.
 
É uma mistura que, segundo Crossley, foi bem sucedida com as mulheres trabalhadoras nos seus 20 e 30 anos de idade e com o mais novo tipo de comprador "Shoreditch", que vai ao festival.

Vamos ao físico



Também a expor pela primeira vez estava a agência Self Service e a sua diretora comercial Natalie Millard que nos disseram que, uma vez que a empresa deu seguimento aos muitos contactos ali feitos, o evento parece ter excedido as suas expectativas.
 
"Foi ótimo voltar a contactar os nossos clientes depois de tanto tempo a vender remotamente, assim como conhecer novos clientes", disse. "Foi realmente um show amigável. Falámos com uma verdadeira variedade de compradores de todo o Reino Unido, Escócia, Irlanda".
 
A empresa visa a região EMEA com marcas representadas principalmente dos EUA e da Austrália. "Tornamos tão fácil quanto possível para os nossos clientes comprar marcas que normalmente não veriam", reforçou Millard. A empresa só agora assumiu a Electric & Rose com sede em Los Angeles (LA), por exemplo, com a sua perspetiva de estilo de vida em LA, parecendo estar a ter um impacto.


Marcas com algo diferente para oferecer são um foco para a Self Service - DR


Millard disse-nos que os últimos anos têm sido "uma montanha-russa". Não se podia "adivinhar". "Num minuto todos querem lazer, depois todos querem vestidos de noite. Tivemos de ser bastante ágeis e aprendemos a adaptar-nos".
 
A decisão de se estrear no Scoop X Pure deveu-se em parte ao seu foco específico em independentes, que são fundamentais para o cesto de marcas da Self Service, que também incluem C/Meo, Pasduchas, Keepsake, Freedom Moses, WAFG, Elliatt e Finders Keepers.
 
"Ouvimos dizer que o show está muito bem frequentado", explicou Millard. "Muitas marcas independentes estão a sair-se bem e as pessoas estão a fazer mais compras localmente. As pessoas querem peças únicas de marcas que mais ninguém tem. Tive há pouco um cliente a olhar para a Elliatt, que é de roupa de ocasião, e estava a dizer como as pessoas querem coisas únicas. As marcas independentes trazem mesmo isso".
 
Mas a empresa também estava lá simplesmente para tirar partido do regresso dos eventos físicos. "Queremos voltar a ligar-nos às pessoas. E conectarmo-nos com os produtos. Fiz tantos compromissos Zoom ao longo dos últimos anos. Tentar comunicar tecido num encontro Zoom mata-me!"
 
Entretanto, outra recém-chegada, a agência Red Alert, estava lá para impulsionar o seu negócio de roupa feminina de luxo que atualmente representa apenas cerca de 30% do seu volume de negócios. A empresa trata de etiquetas como a Moon Boot, Von Dutch e Mackage, mas o foco aqui era a etiqueta de ganga Tramarossa e a marca desportiva Diadora.
 
Jordan Eckersley, da Red Alert, disse-nos que com a marca italiana Tramarossa a empresa "construiu o negócio fantasticamente bem em roupa masculina mas quis expandir o nosso negócio de roupa feminina porque sabemos que a ganga está a crescer".
 
A marca centra-se em materiais de alta qualidade e inovação técnica e a sua USP é personalização – o jeans pode ser personalizado com as iniciais do utilizador em metal.
 
"Desde o encerramento, notámos que as vendas de ganga têm crescido massivamente", disse. E isso não parece estar a abrandar, com Eckersley a sugerir que poderiam ser os consumidores a renovar os seus roupeiros no encerramento!


A Red Alert espera que a Tramarossa possa aproveitar ao máximo o amor duradouro do consumidor abastado pela ganga de alta qualidade - DR


E para além da ganga, é interessante que mesmo com a mudança para o vestuário pós-lockdowns, a empresa tenha notado que "o negócio casual ainda está a crescer". Isto talvez sugira uma mudança mais permanente na forma como as mulheres se vestem, devido às mudanças sísmicas da pandemia.
 
O que também significa que mostrar a etiqueta de calçado e vestuário desportivo Diadora na Scoop fazia sentido. A empresa disse que tem estado "a abrir algumas contas espantosas e a Selfridges já está a bordo". Vê um enorme potencial para a marca, dada a sua força na Europa e o seu posicionamento premium.
 
E embora o lançamento de uma marca de gama superior possa parecer um passo arrojado, numa altura em que a inflação está a aumentar e os cintos dos consumidores estão a apertar, a empresa declarou que ainda há muito dinheiro por aí para certos dados demográficos.
 
A obsessão juvenil que move muitas marcas não é para esta empresa. Eckersley disse que o consumidor ligeiramente mais velho é "o que nós gostamos, são eles que têm dinheiro".


A Diadora deve ser capaz de explorar a atual tendência sports-casual - DR


E o mesmo se aplica às lojas que patrocinam. Tal como outros expositores mencionaram, as marcas independentes vieram através da pandemia em relativamente boa saúde. E a empresa esteve na exposição para chegar diretamente a estas.
 
"Estamos interessados nas contas mais desenvolvidas, as pessoas que podem pagar e que já existem há muito tempo. Elas sabem o que estão a fazer. Têm os seus clientes fiéis que gastam muito dinheiro ao longo do ano. É isso que procuramos e é por isso que estamos aqui", explicou ainda Eckersley.
 
Tudo isto sugere que os sinais são bons para o show a solo da próxima temporada da Scoop. Mas será interessante ver o que acontece no Pure London de Julho, com a sua propagação de preços mais alargada. O que nos dará uma imagem muito mais clara de como a indústria como um todo se está a dar bem.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.