Sears: presidente faz oferta para salvar marca

O presidente do grupo de distribuição americano insolvente Sears Holdings apresentou uma oferta de aquisição de 4,4 mil milhões de dólares (3,8 mil milhões de euros), anunciou na sexta-feira um porta-voz. A oferta de compra do multimilionário Eddie Lampert depende de um financiamento de 1,3 mil milhões de dólares proveniente de três bancos, avançou um porta-voz do seu fundo especulativo ESL Investments. O negócio permitiria preservar aproximadamente 425 lojas que a Sears ainda não encerrou e garantir quase 50 mil empregos entre 68 mil.


Foto tirada a 15 de outubro de 2018 - REUTERS/Lucy Nicholson

Na prática, foi um fundo ligado ao ESL, o Transform Holdco, que apresentou a oferta, declarou o porta-voz. Segundo pessoas próximas ao processo, o financiamento vem de dois bancos da Sears, o Bank of America e o Citigroup, além do Royal Bank of Canada. Juntos, estes bancos concordaram fornecer um crédito de 950 milhões de dólares em ativos e um crédito rotativo de 350 milhões de dólares.

Parte da oferta de Eddie Lampert assenta numa dívida da Sears no valor de 1,8 mil milhões de dólares detida pelo ESL e que o fundo planeia anular, segundo foi indicado.

A oferta inclui também um financiamento de 400 milhões de dólares de instituições não bancárias.

Criada há 125 anos, a Sears entrou com um pedido de falência a 15 de outubro. O seu plano de reestruturação prevê a venda de 500 lojas e subsidiárias, incluindo Kenmore, DieHard e o negócio de entregas ao domicílio.

A oferta de Eddie Lampert, apresentada através do ESL, propõe a recompra de toda a empresa. As únicas outras ofertas recebidas pela Sears foram feita por pretendentes interessados em partes do grupo e liquidatários.

Após ter sido inovadora na década de 1880, a Sears perdeu gradualmente terreno para concorrentes como a Wal-Mart ou a Target.

Eddie Lampert, que, através do ESL, é o maior acionista e credor da Sears, criou a Sears Holdings em 2005, adquirindo o grupo Sears, Roebuck e fundindo-o com a cadeia de descontos Kmart, que também relançou. Eddie Lampert havia prometido fazer a Sears regressar aos seus tempos de glória, quando era proprietária da Sears Tower, em Chicago, então o edifício mais alto do mundo, de uma estação de rádio e de uma companhia de seguros.

Mas, a empresa deixou de produzir lucro em 2011 e, gradualmente, começou a vender ativos, como a lendária marca Craftsman e muitas das suas propriedades. Nos documentos apresentados no pedido de falência, a Sears Holdings declarou ativos de 6,9 mil milhões e um passivo de 11,3 mil milhões de dólares. 

Traduzido por Estela Ataíde

© Thomson Reuters 2019 All rights reserved.

DistribuiçãoNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER