Semana da Moda de Londres: estará o Brexit a colocar o evento em risco?

Há um quarto de século, a famosa manchete do The Sun "Se Kinnock vencer, a última pessoa a sair da Grã-Bretanha, por favor, apague as luzes" ajudou a obter nas eleições gerais uma vitória inesperada do Partido Conservador. 

Cerca de 27 anos depois, há quem considere que esta edição da Semana da Moda de Londres possa ser a última, uma vez que a indústria se prepara para o risco real de não se chegar a um acordo quanto ao Brexit. Com isso, haverá uma saída em massa dos participantes do evento de moda londrina, já que os líderes da indústria passam mais tempo nos eventos de moda fora da Grã-Bretanha.


Pôr do sol emLondres, durante a Semana da Moda - Soleil couchant sur la Fashion Week de Londres

Poucas empresas na Grã-Bretanha se opõem mais ao Brexit do que à moda, especialmente porque todos os desfiles de Londres vão buscar alguns dos seus tecidos, e muitos dos seus talentos criativos, à Europa continental.
 
Então, enquanto os convidados se reúnem na Semana da Moda de Londres, de quinta-feira, 14 de fevereiro a terça-feira, 19 de fevereiro, o que está nos seus pensamentos, acima das roupas, desfiles e emoções, será o facto de que esta poderá ser a última temporada antes do Brexit, que entrará em vigor no dia 29 de março.

Nenhum esforço criativo ficou mais alarmado com a ideia de deixar a Europa, e poucas artes criativas adquiriram tanto talento na União Europeia. Se alguém tivesse que qualificar os 20 melhores desfiles para comparecer em Londres, podemos dizer que mais da metade são de designers não britânicos. Basta olhar para os nomes: Mary Katrantzou, Roksanda Ilincic, Simone Rocha, Roland Mouret e Riccardo Tisci, da Burberry. Não são exatamente britânicos, certo?
 
E muitos designers britânicos têm pelo menos um dos pais nascidos fora da Grã-Bretanha, como Hussein Chalayan, que comemora um quarto de século como designer nesta temporada em Sadler's Wells.

Além disso, os novos designers têm aumentado a percentagem de talentos não britânicos em exibição na capital britânica. Nas primeiras 24 horas, os nomes incluem Paula Canovas del Vas e Ernesto Naranjo (Espanha); Gayeon Lee (Coreia); Bora Aksu (Turquia), Renata Brenha (Brasil) e Ryan Lo (Hong Kong); Marta Jakubowski (Polónia); Kiko Kostadinov (Bulgária) e Xu Zhi (China). De facto, dada a relativa escassez de grandes marcas globais em comparação com Milão ou Paris, o objetivo de ir a Londres era encontrar talentos emergentes e expressivos.
 
Muitos dos designers emergentes estudaram nas duas escolas de moda mais famosas de Londres, a Central St Martin e a London College of Fashion (LCF). Esta última é a maior escola de moda da Europa, com cerca de 6 mil alunos, incluindo o seu programa de mestrado, e está a preparar-se para um declínio maciço de estudantes europeus no caso da versão do Brexit de Theresa May, e mais ainda se não houver acordo.
 
Na Semana da Moda de Londres, os estudantes britânicos e europeus pagam atualmente taxas anuais de 9 mil libras esterlinas (cerca de 10.200 euros). Estudantes de fora da UE pagam o dobro, 18 mil libras (cerca de 20.400 euros). No entanto, após o Brexit, os cidadãos europeus serão tratados como os restantes, o que significa que as taxas duplicarão da noite para o dia.
 
"O número de europeus definitivamente caiu este ano, e estimamos que com o Brexit o número diminua ainda mais", lamentou Matthew Drinkwater, diretor da Fashion Innovation Agency da Semana da Moda de Londres.
  
Londres ainda é uma temporada cheia de talentos criativos, provocando em muitos aspetos a inveja dos seus rivais italianos e franceses, mas o Brexit pode destruir tudo isso. Como os europeus são obrigados economicamente a escolher universidades continentais em lugares como Antuérpia, Florença, Milão e Paris, inevitavelmente começarão a fazer a sua estreia e a construir as suas marcas nessas cidades.

Há um ano, a rainha causou sensação ao aparecer na primeira fila do desfile de Richard Quinn para conceder ao designer o prémio inaugural do Queen Elizabeth II para o design britânico. No mês passado, a monarca pediu "senso comum" e para "nunca se perder de vista o panorama geral", palavras que foram interpretadas como um pedido para um debate menos tóxico sobre o Brexit. Desde então, descobrimos que o governo fez planos para evacuar a monarca caso o Brexit dê errado.

Chamemos-lhe tocar violino enquanto Roma arde, já que mesmo com Brexit  a trazer uma enorme sombra, não faltam eventos para esta temporada: Canadá, Hong Kong e Índia irão apresentar desfiles conjuntos; Browns, uma loja influente, está a organizar o lançamento da Björn Borg by Robyn; a loja da rival Matches, no número 50 do Carlos Place, irá organizar um pequeno-almoço de moda para Palmer Harding; o Evening Standard está a planear uma receção; enquanto o Fashion Scout pretende destacar uma série de aspirantes eslovacos. Derek Blasberg, muito famoso no YouTube, está a organizar uma festa para David e Victoria Beckham na noite de domingo. E na segunda-feira será apresentada a mais recente Fabulous Fashion Fund Fair, da supermodelo Natalia Vodianova para a sua fundação Naked Heart.
 
Então, talvez as luzes não se apaguem ainda. Mas, depois do Brexit, podemos esperar mais lugares vazios na primeira fila, com compradores estrangeiros, jornalistas e estilistas a acompanharem a próxima geração de designers de moda noutros lugares.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirModa - DiversosLuxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosIndústriaDesfilesCriação
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER