×

Semana da Moda de Paris: moda engajada, sem género e desejo de fuga

Publicado em
today 1 de out de 2019
Tempo de leitura
access_time 4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

No último fim de semana, vários estilistas expressaram as suas diferentes personalidades nas passarelas parisienses e apresentaram uma moda com engajamento, como foi o caso de Vivienne Westwood e Rahul Mishra. Christian Wijnants apresentou um estilo leve e colorido e Haider Ackermann exibiu um espírito sombrio com silhuetas masculinas.


Vivienne Westwood, primavera-verão 2020 - © PixelFormula


Vivienne Westwood: Whistleblower Mode

Como sempre, a estilista britânica e o seu marido Andreas Kronthaler usaram o desfile para chamar a atenção para a urgente situação ecológica e as injustiças sociais num mundo globalizado. A coleção oscilou entre roupas de estilo vitoriano e silhuetas mais humildes, como túnicas feitas com pedaços de pano acumulados e franjas feitas de trapos. Uma modelo usou dois vestidos suspensos em cabides diretamente na sua cabeça, para simbolizar a situação dos migrantes.

A camisa de algodão da avó foi usada com uma saia vermelha simples, t-shirts folgadas com leggings ou calções, e uma blusa que parecia ter sido feita de lençol. Imagens impressas do tigre de Sumatra em risco de extinção apareceram em toda a coleção, e um peixe gigante de algodão equilibrado na cabeça de uma modelo e um chapéu de ninho de pássaro lembraram aos espectadores os efeitos nocivos da poluição na natureza.

Símbolos do mar foram encontrados em toda a coleção e serviram para denunciar como os oceanos foram transformados em aterros, como as joias de concha e malhas que se assemelhavam a redes de pesca. A marca informou o público que as roupas foram confecionadas com tecidos artesanais do Mali e resíduos têxteis de fabricantes italianos.

Vestidos em tafetá acetinado ou drapeado, saias elegantes de xadrez e adornos de pérolas também apareceram neste eclético desfile junto com chapéus grandes e vaporosos, como nuvens, se transformando às vezes em guarda-chuvas. Figuras humanas de látex preto ou laranja transformaram-se em coletes e, quando a cabeça e os braços balançaram e caíram ao redor do corpo, houve um questionamento se isso seria um símbolo para o fim da humanidade.


Rahul Mishra, primavera-verão 2020 - © PixelFormula


Rahul Mishra reinventa a arte do bordado

No mesmo espírito, Rahul Mishra apresentou uma coleção soberba com detalhes de alta costura feitos inteiramente por artesãos indianos. Fiel à sua abordagem ética e social, o designer continuou a preservar e destacar o savoir-faire local, em particular o bordado indiano, que usou para criar novos volumes com aplicações em 3D como uma extensão do tecido.
 
Misturou dois temas opostos: o crescimento urbano das metrópoles e o da natureza. Centenas de arranha-céus desenhados em pequenos pedaços de organza marcaram presença em conjuntos brancos, ou em vestidos maxi em tons de preto e cinza, assemelhando-se a penas. Noutras peças, o tule bordado com pequenas flores foi inserido numa túnica e usado para fazer um corpete, enquanto flores de tecido foram costuradas nas roupas e suspensas pelos seus caules como escamas vivas e coloridas.

Rahul Mishra permitiu que 300 bordadeiras das favelas de Mumbai voltassem para casa para morar nas suas aldeias com as famílias, trabalhando nas suas coleções. Uma ode à "slow fashion", disse em comunicado a marca, que insistiu na importância de "agregar valor sustentável às roupas que contam uma história, ao mesmo tempo que constrói um modelo socialmente sustentável que empodera a grande comunidade de artesãos da Índia rural”.


Haider Ackermann, primavera-verão 2020 - © PixelFormula


Haider Ackermann, masculino/feminino

O estilista de origem colombiana apresentou no sábado uma coleção minimalista e andrógena, quase austera, que explorou uma estética neutra em termos de género. O desfile começou com um conjunto de looks com casacos e calças cinzentos, vestidos por um elenco andrógeno. E continuou com ternos com calças ou calções usados por modelos masculinos sem camisa, e calças com faixas na lateral e ar urbano combinadas com tops.

A coleção também apresentou peças mais clássicas e femininas, como vestidos longos e pretos com faixas coloridas brilhantes nos ombros e na parte superior. Para a noite, quimonos de seda jacquard reversíveis com forro preto foram combinados com calções desportivos para homem e mulher.


Christian Wijnants, primavera-verão 2020 - © PixelFormula


Christian Wijnants: Uma sutil homenagem africana

Modelos caminharam ao ritmo de percussões no desfile de Christian Wijnants na sexta-feira. Calças masculinas rapidamente deram lugar a vestidos flutuantes vestidos em cores de verão e estampados africanos que pareciam inspiradas em boubous da África Ocidental. Bolsas grandes na cor verde menta adicionaram uma sensação de férias.

Riscas, padrões geométricos, mosaicos impressos ou criados em lantejoulas e color-blocking injetaram uma grande leveza ao guarda-roupa de Wijnants. A seda também foi destaque, para criar sobreposições e volumes. A coleção foi alegre, com túnicas com mangas cheias, saias com fenda, fatos estampados, malhas com riscas e vestidos sem alças.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.