×
681
Fashion Jobs
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo · Braga
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Direct-tO-Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer - Spanish Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Apo (Snp/Ibp) Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Non-Trade Procurement Business Analysis (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Footwear Buyer
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Apparel Buyer
Efetivo · Alicante
SACOOR BROTHERS
Fiel de Armazém (Storekeeper) - c. Comercial Colombo (m, f)
Efetivo · Lisboa
MINGA LONDON
Digital Marketeer
Efetivo · GUIMARÃES
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant - c. Comercial Norteshopping (m, f)
Efetivo · Porto
AGENCIA BEETHIK
Project Manager - Compras
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
HR Specialist - People Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo 1
Efetivo · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de out. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

SMCP aproxima-se das vendas pré-crise impulsionada pelos EUA e pela Ásia

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de out. de 2021

Enquanto nos bastidores há um braço de ferro financeiro entre a empresa luxemburguesa Topsoho, uma subsidiária do conturbado conglomerado chinês Shandong Ruyi, e os seus credores, as equipas operacionais da SMCP continuam a dar a volta às coisas depois de um ano complicado em 2020. O grupo que detém a Sandro, Maje, Claudie Pierlot e De Fursac anunciou, na quarta-feira (27 de outubro), um volume de negócios de 271,7 milhões de euros no terceiro trimestre, menos 1% em comparação com o terceiro trimestre de 2019, antes da crise sanitária.


Sandro


As vendas aumentaram 9,4% em comparação com o mesmo período em 2020. Durante o ano, tinham caído mais de 20% devido à crise sanitária.

"Entregámos um desempenho sólido no 3.º trimestre, permitindo-nos colocar as vendas perto do seu nível pré-pandémico de 2019. Estamos particularmente satisfeitos com a tendência de vendas nos EUA, que continua a 'superar' graças à forte procura", disse a CEO do grupo Isabelle Guichot.

A região das Américas, que representa 15% das vendas da SMCP, registou um crescimento anual de 61,5%, ultrapassando o seu nível de 2019 (+5%).

Após um bom desempenho no terceiro trimestre de 2020 com uma recuperação anterior da atividade económica na China, a região da Ásia-Pacífico viu as suas vendas caírem em 2,2%. Em comparação com 2019, as vendas ainda estão a aumentar 8,5%.

No ano passado, em outubro, a SMCP anunciou que queria fazer da Ásia o seu maior mercado até 2025.

Em França, as vendas estão em baixa (-1,2%) em comparação com o terceiro trimestre de 2020, que foi marcado por uma recuperação da atividade após o desconfinamento. "Em comparação com 2020, as vendas são quase estáveis, com uma queda de -1,2% em termos orgânicos", afirmou o grupo num comunicado. Este é um desempenho muito bom, dado o progresso da nossa estratégia de preços completa. Conseguimos reduzir a nossa taxa de desconto em -7pts no terceiro trimestre em relação a 2020 e manter um crescimento positivo semelhante ao de 2020". Contudo, as vendas ainda não alcançaram o nível de 2019 (-10,4%).

Todas as marcas do grupo estiveram em alta em 2020, mas apenas as marcas mais pequenas, Claudie Pierlot e De Fursac (que está a ser renomeada Fursac), que representam menos de 13% das vendas da SMCP, estão a ter um melhor desempenho do que no terceiro trimestre de 2019.

A SMCP, que se posiciona no nicho de "luxo acessível", entre a moda rápida e o luxo, continua a sua estratégia de reduzir as vendas promocionais, e o seu "plano de otimização de lojas". Foram registados 45 fechos em França durante os primeiros nove meses do ano, particularmente em pequenas cidades. Por outro lado, abriu 19 pontos de venda na Ásia, incluindo 14 na China.

Para além das suas lojas, a nova gerente geral Isabelle Guichot tem de lidar com um contexto particular. Por um lado, desde finais de junho, o grupo tem sido alvo de uma investigação em França por "ocultação de crimes contra a humanidade": é acusado de lucrar com o trabalho forçado dos uigures na China, mas refuta-o "firmemente".

Por outro lado, mesmo que o seu diretor-geral insista que a situação do seu proprietário não altera as capacidades operacionais do grupo e os objetivos do seu plano quinquenal, a SMCP poderá em breve alterar o seu acionista maioritário.

De facto, a Topsoho – a filial luxemburguesa do gigante chinês Shandong Ruyi em dificuldades financeiras, que detinha 53% das ações da SMCP – entrou em incumprimento a 21 de setembro, após vários avisos, no reembolso de um empréstimo obrigacionista de 250 milhões de euros contraído em 2018.

No início de outubro, os credores, através do fiduciário Glas que os representa, assumiram 29% dos direitos de voto. Os credores anunciaram expressamente que não queriam assumir o grupo francês, mas deixaram as ações nas mãos de Topsoho durante algum tempo. Como a SMCP está cotada na bolsa de valores, qualquer acionista que ultrapassasse o limiar de 30% seria legalmente obrigado a lançar uma oferta pública de aquisição sobre o grupo. Mas isto não significa que os credores através do fiduciário Glas estivessem a desistir da ideia de recuperar o seu dinheiro. Pelo contrário. A 6 de outubro, a SMCP declarou num comunicado de imprensa que "o número total de ações da SMCP subjacentes a estas obrigações e sujeitas a penhor representa 37% do capital e este penhor pode ser realizado a partir de 19 de outubro de 2021".

A partir de 19 de outubro, segundo informações da AFP, a Glas estava em processo de aquisição de 29% das ações da SMCP com a intenção de encontrar um comprador. Estava à espera que a Topsoho declarasse falência no Luxemburgo para que pudesse pagar os montantes em dívida. Resta saber quem serão os candidatos à compra destas ações. E se um novo acionista maioritário irá emergir desta complexa situação.

(Com a AFP)
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.