×
314
Fashion Jobs
CONFIDENCIAL
Supervisor de Operações (m/f) - Sul
Efetivo - CLT · LISBOA
ADIDAS
Buyer (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
o2c Credit And Collections Manager (m /f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Store Manager / Loja de Gama Alta
Trabalho temporário · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Guimarães - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Guimarães
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Mar Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Matosinhos
ADIDAS
Senior Data Analyst (m/f) - Direct-tO-Consumer
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Junior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Tax Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Designer de Moda (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Alegro Alfragide - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Carnaxide
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Freeport - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Alcochete
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Castelo Branco - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Castelo Branco
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Palácio do Gelo - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Viseu
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Vasco da Gama - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Lisboa
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f) - Temporary
Trainee · PORTO
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Assistant Accountant (m/f) - Direct-tO-Consumer
Efetivo - CLT · Porto
Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
1 de jun de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Sobre o racismo, a Nike diz: "Não o cometas!"

Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
1 de jun de 2020

A Nike tomou uma posição contra o racismo, com a campanha "Don't do it" (Não o cometas), uma reviravolta na sua famosa frase de captura, "Just do it" (Fá-lo), como protesto contra a brutalidade policial espalhada pelos EUA.


AFP


"Por uma vez, não o faça... Não finja que não há problemas na América", manifestou a Nike, o gigante do vestuário desportivo dos EUA, num vídeo postado no Twitter, sexta-feira (29 de maio).

A mensagem chegou quando manifestantes de todo o território dos EUA saíram à rua, contra o tratamento revoltante de George Floyd, um afro-americano que morreu indefeso, à mãos da polícia de Minneapolis, no início da semana passada.

Num raro sinal de solidariedade, a concorrente Adidas retweetou o vídeo, com uma mensagem que dizia: "Juntos é como avançamos. Juntos é como fazemos a mudança".

A morte de Floyd, na segunda-feira (25 de maio), foi captada num horrível vídeo de telemóvel, agora visto em todo o mundo, em que um polícia branco pressionou o joelho sobre o pescoço de Floyd durante quase nove minutos, até muito depois de este ter ficado imóvel, enquanto outros três polícias ficaram parados, e se ouviam súplicas para que o agente criminoso parasse. Floyd estava a morrer e já a deitar sangue pelo nariz.


Nike alerta, num vídeo,para não virarmos costas ao racismo - Instagram @nikewomen


"Não vire as costas ao racismo. Não aceite que nos tirem vidas inocentes. Não arranje mais desculpas. Não pensem que isto não vos afecta", disse a Nike no vídeo, no qual aparecem palavras brancas sobre um fundo negro.

A campanha não marca a primeira vez que a Nike se meteu em questões de justiça social nos EUA. O slogan "Just do it" (Fá-lo) é conhecido em todo o mundo.

Em setembro de 2018, a Nike levantou ondas quando lançou uma campanha publicitária com o jogador de futebol americano e ativista, Colin Kaepernick, criticado por se ter ajoelhado durante o hino nacional dos EUA, em jogos, em protesto contra o racismo.


Nike lança campanha, "Don't do it" (Não o cometas), contra oracismo - Instagram @nikesportswear


Nos EUA, os protestos e a onda de violência já se alastraram praticamente a todo o país, 40 das 75 cidades em revolta estão em estado de emergência e declararam recolher obrigatório. Os ânimos estão inflamados de ambas as partes, sendo a polícia frequentemente acusada de usar força excessiva. Um cenário que se agrava, desde a passada segunda-feira, sem fim à vista.

Os protestos estendem-se, também, a cidades europeias, como Berlim e Londres, onde milhares de pessoas pedem justiça para George Floyd e o fim do preconceito. Terça-feira (2 de junho), no Brasil, também se fez sentir numa manifestação pacífica contra o racismo que acabou mal.

Entretanto, na sequência dos confrontos, morreram duas pessoas em Chicago e o irmão de Floyd pede que as manifestações se transformem em pacíficas: "O que estão a fazer? Não estão a fazer nada!"

George Floyd, o afro-americano de 46 anos, que tentou fazer um pagamento com uma nota falsa e foi detido pela polícia em Minneapolis, morreu asfixiado conforme atesta a autopsia, por pressão prolongada no pescoço que o impediu de respirar. O agente policial, Derek Chauvin, ajoelhou-se no pescoço de Floyd por pelo menos sete minutos, enquanto este estava algemado e deitado de bruços na estrada.

As Nações Unidas já pediram uma investigação aos procedimentos violentos dos agentes policiais americanos.
 

Copyright © 2020 AFP-Relaxnews. All rights reserved.