×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de set. de 2022
Tempo de leitura
8 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Sustentabilidade e comunidade são as apostas de Copenhaga como capital da moda

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de set. de 2022

Em Copenhaga a moda respira-se nas ruas. Conhecidos por um estilo próprio alheado das habituais convenções dos vizinhos europeus, os seus habitantes desfilam em bicicleta, apostando em looks cuidadosamente descuidados, combinações de cores flúor, voluptuosos vestidos bucólicos ou tecidos técnicos e com respeito ao meio ambiente. O que parece um retrato robot idealizado por dinamarqueses minimalistas de filosofia “hygge” vai mais além do cliché, convertendo-se na regra não escrita duma capital, cheia de gabardinas funcionais Rains e logótipos Ganni. Entre 10 e 12 de agosto, a capital acolheu os seus eventos de moda simultaneamente: a Copenhagen International Fashion Fair (CIFF) e os desfiles da Copenhagen Fashion Week. Zoom sobre uma capital que se destaca com a sua estratégia diferenciada, a promoção da inovação e da sustentabilidade transformada em bandeira.


Interior da feira CIFF no Bella Center - FNW


Mais de 700 marcas internacionais reuniram-se na 59.ª edição da CIFF, uma feira que decorre a meados de agosto, chegando algumas semanas antes da tradicional "rentrée" dos salões e semanas de moda em setembro. Realizado na sua localização habitual, no luminoso Centro Bella na periferia da capital, o evento experimentou o seu próprio regresso particular à normalidade sob o slogan "Together Again” (Juntos de Novo, ndr).
 
Embora a CIFF apenas tenha cancelado uma das suas edições devido ao surto de COVID-19, em fevereiro do ano passado, a sua última celebração foi a primeira a ser organizada sem as restrições da pandemia, conseguindo um otimismo generalizado nos seus salões, com um aumento da participação de empresas, compradores e imprensa estrangeira em relação a fevereiro passado, quando o evento contou 19.8000 visitantes e 500 marcas participantes. Entre os compradores internacionais, a representação britânica destacou-se, com a presença da Browns, Harrods, Selfridges e Fenwick.

A diretora da CIFF durante os últimos dois anos marcados pelos desafios da pandemia, Christina Neustrup, disse adeus ao cargo na última edição da feira, que definiu como  “movimento cooperativo”. Uma nomeação transitória que entregou à ex-executiva da L'Oréal, Sofie Dolva, para se tornar CEO da empresa de joalharia Kinraden. 

"Foi um período difícil, mas concentrámo-nos em desenvolver a CIFF como uma plataforma global com objetivos fixos ligados à comunidade. Estamos convencidos de que juntos fazemos as coisas melhor. Estou contente com o regresso de visitantes americanos, asiáticos e europeus. O movimento está de volta", disse Neustrup, fazendo um balanço da situação do evento na sua despedida. A primeira edição pilotada por Dolva, coincidindo com o 30.º aniversário do evento, terá lugar entre 1 e 3 de fevereiro.


A marca ucraniana TG Botanical - TG Botanical


Os corredores do salão foram tingidos com inovação e sustentabilidade, os eixos estratégicos a que a CIFF Sustain se dedicou. Um espaço criado há três estações e dedicado a marcas líderes no campo, tais como a alemã Oftt e Black Velvet Circus, a húngara Manuela Collage Arts e a ucraniana TG Botanical. Fundada durante o confinamento por Tatyana Chumak, a empresa emprega 25 mulheres e está empenhada na produção local, técnicas experimentais de tingimento e tecnologias de produção de tecidos a partir de urtigas, linho e cânhamo. Após a invasão russa, a marca está a lutar para relocalizar o seu negócio.
 
Não era a única empresa ucraniana à procura de contactos internacionais para assegurar a sua sobrevivência após (e durante) a guerra. A marca de alfaiataria artesanal Litkovska (anteriormente conhecida como Litkovskaya) apresentou peças de vestuário feitas a partir de tecidos excedentes. À entrada do salão principal, partilhou os holofotes com as imponentes instalações da etiqueta local Han Kjobenhavn, Quod e Labrum London de Nova Iorque, cuja alfaiataria britânica de influência africana já foi apresentada na London Fashion Week. Presente na CIFF desde 2017, a Labrum observou que "antes da pandemia, a feira era enorme e era fácil perder-se", acrescentando que "agora é mais pequena, mas o espaço está muito bem curado".
 
"Os participantes vêm à procura de inspiração escandinava, mas é importante propor um universo completo como uma visão geral da indústria que consegue surpreender", analisou Christina Neustrup. De facto, a área Vintage (a única área dedicada ao BtoC de toda a feira), completou as propostas dinamarquesas com marcas de Londres e Los Angeles; e o espaço para empresas masculinas apresentou um bom punhado de coleções japonesas e britânicas, tais como as de Aton ou Kaptain Sunshine. No entanto, a variedade em oferta na área do vestuário masculino foi descrita como "limitada" por vários compradores internacionais consultados.

O futuro dos eventos dinamarqueses: sustentabilidade e inovação



Mesmo assim, o womenswear escandinavo e internacional de enfoque mais comercial contou com dois amplos espaços e uma zona orientada para a economia circular, com mais de 40 marcas dinamarquesas impulsadas pelo Lifestyle & Design Cluster. Uma área de divulgação em que a sustentabilidade foi abordada a partir da abordagem de design circular, com marcas como a Andersen-Andersen ou KnowledgeCotton Apparel; o fornecimento de materiais respeitosos e inovadores do Copenhagen Cartel ou Design Agger; a produção e distribuição responsável da ferramenta BrandTag ou da empresa de embalagem Re-Zip; o prolongamento do ciclo de vida do vestuário, como o serviço de aluguer da Ganni ou o serviço de reparação da Aiyu e a reciclagem de empresas como o Green Cotton Group ou a Haack Recycling.


Espaço dedicado à circularidade - FNW


"Não podemos esquecer que as feiras comerciais são um negócio, mas ao mesmo tempo somos obrigados a usar a nossa voz para conduzir as coisas na direção certa. Para a indústria da moda, é essencial responder à emergência climática. Um dos meus principais objetivos tem sido transformar uma plataforma numa ferramenta de formação e ensino sobre sustentabilidade e circularidade, bem como empurrar as tecnologias para serem mais sustentáveis", disse Christina Neustrup, admitindo que "embora seja um campo muito específico, é onde podemos fazer a diferença". 

Juntamente com a Copenhagen Fashion Week, a CIFF estabeleceu objetivos de sustentabilidade e transparência para 2023 que imporão requisitos mínimos e um compromisso responsável com as marcas participantes. "A sustentabilidade não deve tornar-se uma competição, mas sim um objetivo comum. Na nossa indústria existem grupos de trabalho em rede, onde as empresas podem partilhar conhecimentos e ideias sobre sustentabilidade. Como a maioria das marcas enfrenta dificuldades com as mesmas questões complexas, é importante apoiarem-se mutuamente", disse Cecilie Thorsmark, CEO da Copenhagen Fashion Week, sobre a importância das sinergias nesta área. 

Com a ideia de ter uma proposta física para além da sua celebração bianual, a CIFF tem 20.000 metros quadrados distribuídos por por andares dedicados a showrooms de marcas ao longo do ano. Quando questionada sobre o futuro das feiras e o seu formato, Neustrup considerou que "devem ser lugares onde as novidades sejam construídas em conjunto, funcionando como espaços de conversa e inspiração que não sejam necessariamente orientados para o intercâmbio comercial tradicional".

A mesma acredita que a digitalização será "o elemento mais perturbador da indústria". 


Desfile "Joy Ride" da Ganni - Ganni


"Estou confiante que nas feiras do futuro não precisaremos de produzir livros de amostra, mas usaremos avatares nos stands onde poderemos modificar tamanhos e cores. As coleções serão apresentadas, utilizando tecnologia NFT e 3D, que recria a impressão de movimento das peças de vestuário", acrescentou.

Copenhagen Fashion Week toma a cidade



“Na prática criativa escandinava há honestidade, propósito, autenticidade. A forma que os nossos designers o traduziram teve um efeito muito positivo em grande escala, uma vez que estes valores são de referência e é possível identificar-se com eles", confidenciou Cecilie Thorsmark, sobre o interesse em Copenhaga e na implantação internacional de marcas escandinavas.

A construção de narrativas de identificação parece ser uma das chaves do sucesso dinamarquês. Vestuário facilmente utilizável, marcas relativamente acessíveis com valores partilhados com a sua clientela e shows livres de grandiloquência e estilo democrático, com castings e eventos diversos e inclusivos que são frequentemente abertos ao público, são exemplos da estratégia sobre a qual assenta o carácter específico e descontraído da Copenhagen Fashion Week. 

Se o Iso.Poetismo estabelecido por Tobias Birk Nielsen ou Rotate optou por realizar os seus shows no próprio local da CIFF, o espaço industrial Bella Center, outros preferiram apropriar-se de diferentes espaços abertos na capital. Fundada pela Ditte & Nicolaj Reffstrup em 2000 e agora um fenómeno dominante para além das fronteiras da Dinamarca, a Ganni organizou um grande desfile de moda na Ophelia Plads. Com os banhistas locais ao fundo nas docas, uma decoração em tons pastel, rampas de saltos e presença da celebridade americana da Internet, Emma Chamberlain, que se tornou a estrela da campanha da sua mais recente aliança com a Levi's, a Ganni fundiu-se com a cidade, exibindo um look alegre em cores pop, modelos a passearem de bicicleta e duas colaborações dedicadas ao "upcycling" com a Barbour e 66'North.


StineGoya - primavera-verão 2023 - Womenswear - Copenhaga - © PixelFormula


Um júbilo sob a forma de uma carta de amor a Copenhaga, que também foi vivido na praça central de Kongens Nytrov sob o olhar atento de turistas e transeuntes, na exposição da marca da dupla formada por Barbara Potts e Cathrine Saks. A coleção foi inspirada pela Princesa Maria da Dinamarca e incluía casacos compridos de couro, vestidos e saias com lantejoulas de fúcsia, peças de vestuário douradas e sobreposições com franjas. Entre os modelos, alguns convidados excecionais, como a influencer local Pernille Teisbaek ou a designer Аna Kraš.
 
Outro dos nomes mais internacionais da semana da moda, Stine Goya, revelou o Tap1, um espaço industrial nos arredores da cidade que a marca decorou com colunas de areia que gradualmente desabaram. Silhuetas fluidas em tons fluorescentes, sobreposições oversize e estampados aguarelados e geométricos foram fiéis ao estilo da marca lançada em 2006 pela designer com o mesmo nome. Entre os seus próximos projetos inclui uma abertura em Londres em setembro próximo.
 
Fundada em Nørrebro em 2002, e com as suas próprias lojas em Berlim e Londres, a Wood Wood estabelecida decidiu levar os seus desenhos mistos para a ponte Lille Langebro, normalmente atravessada por ciclistas e transeuntes que, desta vez, assistiram ao show de ambas as margens do rio. Uma celebração da ligação da empresa com a cidade sob a forma de uma rave ao pôr-do-sol, com vestes de vanguarda repletas de sobreposições de ganga, impressões de camuflagem, silhuetas desportivas e toques de laranja e verde néon.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.