×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
14 de jan. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Sustentabilidade e problemas de abastecimento impulsionam mercado da segunda mão

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
14 de jan. de 2022

O The RealReal publicou na quinta-feira, 13 de janeiro, o seu relatório Luxury Consignment de 2022, no qual destaca a crescente popularidade do mercado do luxo em segunda mão.


Os fatores que levam os compradores a explorar o mercado dasegundamãoincluem os problemas de abastecimento: no ano passado, os estilos esgotados atraíram mais 50% novos compradores que os artigos emsegunda mão regulares - Facebook: The RealReal


O relatório de 2022, que mostra os dados homólogos entre janeiro e novembro de 2020 e 2021, conclui que 40% dos compradores do The RealReal estão a substituir a fast fashion por artigos em segunda mão.
 
Os fatores que levam os compradores a explorar o mercado da segunda mão incluem os problemas de abastecimento. No ano passado, os estilos esgotados atraíram mais 50% novos compradores que os artigos em segunda mão regulares. Da mesma forma, 43% dos consumidores afirmaram que compram produtos em segunda mão por ser uma prática mais sustentável.

Em termos de compradores, a Geração X está a impulsionar a mudança de guarda-roupa geracional. Esta geração está a vender peças vintage aos millennials, e os jovens da Geração Z estão a descobri-las pela primeira vez com uma apreciação por artigos de luxo atemporais como a Fendi Baguette, pulseiras Tiffany & Co e bolsas Louis Vuitton multicoloridas. Por outro lado, o interesse por marcas contemporâneas como Tory Burch, Michael Kors e Kate Spade está em declínio.
 
Em todas as gerações, registou-se um aumento nos compradores de artigos em segunda mão: Geração Silenciosa, Baby Boomers, Geração X, Millennials e Geração Z.
 
“Sem dúvida que a revenda se generalizou, e o setor do luxo distingue-se particularmente: todos os grupos demográficos participam ativamente na revenda de luxo", diz Rati Sahi Levesque, presidente do The RealReal. “Da Geração Z à Geração Silenciosa, cada segmento aumentou a sua adoção do luxo em segunda mão em 2021 e, como resultado, quase todas as marcas registaram um aumento no valor de revenda.”

Para todas as idades, a Gucci foi a marca número 1 e os vestidos foram o item mais vendido e comprado por vendedores e compradores de primeira viagem. De acordo com o relatório, as principais marcas com maiores ganhos de valor de revenda foram Nike, Rolex, Bottega Veneta, Chrome Hearts e Hermès. As colaborações de sapatilhas New Balance lideram a lista dos produtos mais vendidos atualmente, com um valor de revenda de até 387%.
 
Enquanto isso, conjuntos de joias vintage e sem marca foram os que estabeleceram recordes de valor agregado. As joias sem marca continuaram a aumentar em demanda e um anel de noivado sem marca de 350 mil dólares tornou-se no artigo mais caro já vendido no The RealReal.
 
Por fim, o relatório sublinha também um aumento nos designs de género fluido. Agora podemos ver mulheres a comprar produtos Balenciaga para homem, homens a comprar produtos Bottega Veneta para mulher e mulheres a comprar fatos para homem.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.