×
381
Fashion Jobs
JD SPORT
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
THE KOOPLES
Sales Assistant 24h - Colombo
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
Specialist Gbs Procurement Operations - French Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Credit And Collections Specialist North & Nordics (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs Taxes Systems (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Vasco da Gama
Temporario · Lisboa
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Viana Estação Shopping
Temporario · Viana do Castelo
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Foz Plaza
Temporario · Figueira da Foz
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Chaves
Temporario · Chaves
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Fórum Madeira - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
12 de mai. de 2022
Tempo de leitura
8 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Sylvette Boutin-Lepers (La Redoute): "Uma imagem constrói-se lentamente, mas pode ser desfeita muito rapidamente"

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
12 de mai. de 2022

Sylvette Boutin-Lepers trabalha na La Redoute desde os anos 80 do século XX, primeiro em compras, depois na equipa de imprensa e no departamento de estilo. Há quase uma década que orquestra as colaborações de moda que a retalhista do norte de França – propriedade do grupo Galeries Lafayette – tem vindo a forjar com estilistas e etiquetas em ascensão. Como são estas alianças decididas e implementadas? Para que servem? O que motiva esta mulher entusiasta e curiosa da moda de hoje? A FashionNetwork.com encontrou-se com a mulher que tem sido responsável pelas parcerias com estilistas e imagem da La Redoute desde 2017 para explorar este mecanismo de colaboração, adotado por toda a esfera da moda, desde o mercado de massas ao luxo.


Sylvette Boutin-Lepers - DR


FashionNetwork: Como chegou a gerir as colaborações criativas na La Redoute?
Sylvette Boutin-Lepers: Primeiro fiquei interessada quando estava a trabalhar na equipa de imprensa, no início dos anos 2000, uma vez que éramos responsáveis pela parte de comunicação destes projetos, depois assumi o cargo de direção do departamento de imprensa, e o do gabinete de estilo em 2014. Eu era então responsável por estas colaborações, desde a deteção do designer até à encenação da coleção. Esta é uma tradição na La Redoute, desde que as parcerias de moda começaram em 1969 com Emmanuelle Khahn, que revolucionou o mercado francês do pronto-a-vestir na altura.
 
FNW: Quais são as suas especificações em cada estação para criar estas cápsulas?
SBL: Não tenho um roteiro a preencher. Não me dizem que preciso de três ou oito por estação, as parcerias são feitas de acordo com o desejo e as reuniões, de ambos os lados. Falam-me de jovens talentos, faço também parte de vários júris de escolas de moda, e do programa Talentos da Fédération Française du Prêt-à-Porter Féminin. As coisas simplesmente acontecem, e cada vez mais, vêm ter comigo.

Decidimos trabalhar juntos se faz sentido, se existe uma emoção, a nível criativo e humano. Porque acredito muito na encarnação. O nosso objetivo é manter o estilo do estilista, porque as roupas são seres vivos, oferecendo ao mesmo tempo uma coleção a um preço democrático. É esse o nosso princípio orientador.


Primeira colaboração em 1969, com Emmanuelle Khanh - DR


FNW: Como convencer um designer a trabalhar com a La Redoute?
SBL: Não gosto da palavra convencer, porque uma parceria deve ser uma decisão mútua. Significa que talvez não seja o momento certo, ou que há uma relutância. Não se pode ir mais longe, senão será uma coleção morna.
 
FNW: Que instruções dá aos designers com quem colabora?
SBL: Eu não dou realmente instruções. As únicas coisas que não permito são peles, e calças de três pernas (sorriso). Porque também estamos aqui para vender, mostrando ao mesmo tempo a singularidade de um designer. Quando trabalhámos com Christelle Koché quando era menos conhecida (em 2018, nota do editor), foi o seu universo assertivo que nos interessou. Para a La Redoute, adaptou certas peças das suas coleções, mudando as cores ou estampas, por exemplo. A fim de manter o nosso posicionamento de preço, por vezes também reduzimos a quantidade de tecido para uma peça de vestuário.
 
FNW: Como é o processo entre a primeira ideia e o marketing?
SBL: Somos três a trabalhar juntos, eu, o desenhador e um modelista dedicado que ajuda o desenhador a traduzir as suas ideias em viabilidade e encaixe. Normalmente demora seis a oito meses até que os produtos, que são sempre fabricados na Europa a partir de materiais responsáveis (algodão orgânico, etc.), sejam postos à venda. Organizamos três a cinco reuniões físicas, particularmente para adaptações. O designer Benjamin Benmoyal, (cuja cápsula com a La Redoute foi revelada em março, nota do editor), veio naturalmente à nossa oficina em Roubaix.
 
Digo frequentemente aos jovens designers: "uma imagem é construída lentamente, mas pode ser desfeita muito rapidamente". Partilhamos tudo com eles, e somos exigentes quanto ao seu envolvimento, desde a escolha do material na nossa biblioteca de tecidos até ao fotógrafo e ao casting da campanha. Sou a fiadora da imagem de La Redoute, e sinto-me também a fiadora da imagem do designer. É uma relação de confiança.


Look da mini coleção concebida por Benjamin Benmoyal este ano - DR


FNW: Tem carta branca ou tem de submeter ideias para colaboração à direção?
SBL: Na La Redoute, estamos rodeados de boa gente. Eu diria que é uma partilha, a gestão é informada e valida sempre os projetos. Tem de haver uma mistura nas nossas colaborações: grandes nomes conhecidos de todos os que nada têm a provar, como Courrèges ou Vanessa Seward, jovens estilistas conhecidos de um público mais informado, como Christelle Kocher, e estudantes de moda que estão a construir a sua primeira coleção (parceria com a HEAD em Genebra). O último pilar é a colaboração com marcas estabelecidas e criativas, tais como Balzac Paris ou Maison Château Rouge.
 
Mas nos últimos anos, também tivemos empregados do nosso armazém a criar uma cápsula de moda com o coletivo About a Worker, ou a criar uma mini-coleção com as jogadoras do Olympique Lyonnais durante o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino. Estas parcerias mostram que a La Redoute acompanha os tempos e sempre foi capaz de se renovar durante 180 anos.
 
FNW: As quantidades produzidas e os níveis de vendas não são os mesmos de acordo com os diferentes tipos de parcerias?
SBL: Não, isso é óbvio. Pode variar entre uma centena ou mais de peças produzidas, para um designer muito jovem, até várias centenas de peças. Houve uma época em que costumávamos reabastecer-nos durante toda a estação, mas este já não é o caso das cápsulas. Pensamos na coleção como sendo de um dado momento.
 
No que diz respeito à profundidade da coleção, hoje em dia tendemos a selecionar duas ou três silhuetas fortes, em vez de uma longa série de produtos, para ganhar em eficiência, visibilidade, e também por uma questão de stocks.
 
FNW: É uma atividade lucrativa para a La Redoute?
SBL: O assunto para mim é realmente o apoio à criação, permitindo que os jovens talentos tenham uma forte visibilidade, mesmo a nível internacional. Posteriormente, a nível comercial, não produzimos milhares de peças, pelo que permanece limitado, mesmo que para certas colaborações, como aquela com Vanessa Seward, os resultados sejam interessantes.
 
FNW: Os jovens designers e marcas parceiras são pagos e, se sim, como?
SBL: Beneficiam de uma participação nos lucros sobre o volume de negócios. É preciso ir até ao fim com o apoio.


Em 2014, o jovem Simon Porte Jacquemus, de 24 anos, apelou à sua amiga Jeanne Damas para que encarnasse a sua colaboração com a La Redoute - DR


FNW: Para que designers pensa que a aliança com a La Redoute tem sido um trampolim?
SBL: Desde que tenho sido responsável por estas parcerias, diria que temos, por exemplo, contribuído para trazer à luz Anthony Vaccarello numa altura em que ainda era pouco conhecido, em 2011, bem como Simon Porte Jacquemus em 2014. Seria pretensioso dizer que foi graças a La Redoute que ganharam visibilidade, mas dizem-me que tem sido uma grande montra para o seu trabalho. A La Redoute traz um foco de atenção, sendo apenas um pequeno elo na cadeia.
 
FNW: Existem algumas cápsulas que não funcionam?
SBL: Algumas não têm funcionado tão bem. Seja por causa do estilo, que é menos interessante, ou da escolha de uma estampa... não é uma ciência absoluta!
 
FNW: Como consegue manter-se em contacto com a nova cena da moda?
SBL: Sou curiosa por natureza, e tenho apenas um medo na minha vida profissional, o de estar aborrecida. Sempre quis descobrir. O mundo criativo é excitante, cheio de ideias e desejos. E tenho de dizer que é bom ouvir os jovens otimistas! Diariamente, leio muito, vou a exposições, vou ao Festival d'Hyères assim como à Casa 93, ou a incubadoras. Não tenho um escritório fixo. Estes encontros alimentam-me.
 
FNW: Ainda não falamos de semanas de moda. É um evento que segue de perto?
SBL: Não sou adepta da noção de moda e tendências. Eu prefiro estilo. Para mim, cada um tem de fazer o seu próprio caminho, cultivar a sua própria imagem. Vejo os shows por curiosidade, mas não é isso que me guia.


Silhuetas da collab Wrangler, que adapta os seus modelos de arquivo para a La Redoute por ocasião do seu 75.º aniversário - La Redoute


FNW: Depois da Wrangler e Sakina M'Sa, pode falar-nos das próximas cápsulas que virão?
SBL: Estamos a colaborar com Constance Gennari, a fundadora do The Socialite Family (um site de estilo de vida que apresenta os interiores de múltiplas famílias, que se diversificou no design de mobiliário, ed.) Ela queria experimentar a sua mão no pronto-a-vestir e contactou-me. Foi a coisa certa a fazer porque nesta preocupação de encarnação de que gosto, Constance tem um verdadeiro encanto, uma herança franco-italiana muito interessante. A coleção será lançada no dia 18 de maio. Não vou dizer mais nada...
 
FNW: Os seus conhecimentos de moda devem ter-lhe valido algumas ofertas de trabalho interessantes. Continua leal à La Redoute?
SBL: Tenho recebido muitas ofertas, de outras marcas e etiquetas de luxo. Mas penso que ainda há coisas a fazer com a La Redoute. E tenho um verdadeiro apego a esta empresa: tem alguns aspetos irritantes, como em todo o lado, mas muitos mais coisas boas. Tenho também um apego muito forte às pessoas. Nathalie Balla, que codirigiu a empresa de 2014 a 2022, é uma delas.
 
FNW: O que gostaria de explorar para as próximas estações?
SBL: Gostaria de me aproximar de nomes ainda mais famosos, grandes maisons. Também tenho a ideia de incluir artistas na nossa abordagem, e de misturar mais moda e decoração. Todos colaboram. Por isso, não devemos adormecer!
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.