×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de jul. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Thebe Magugu lança mensagem contra a corrupção na Pitti Uomo

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de jul. de 2021

Thebe Magugu revelou a sua primeira coleção de moda masculina na Pitti Uomo na quinta-feira (1 de julho). No total: 15 silhuetas elegantes, com cortes impecáveis e cheias de detalhes, onde os clássicos masculinos são revisitados através de múltiplas referências culturais e de uma abordagem mais do que nunca empenhada.


Os bad boys de Thebe Magugu - ph Dominique Muret


Aproveitando o eco oferecido pelo espectáculo florentino, do qual é o convidado especial desta temporada, o vencedor do Prémio LVMH 2019 quis denunciar através desta coleção a corrupção em África, e por extensão a corrupção no mundo em geral, que gangrena a economia e a vida social a todos os níveis. Assim, encenou uma performance invulgar, onde 12 dos seus modelos "corruptos" foram submetidos a um interrogatório sob o olhar severo de três tipos de rangers em fatos tartan, botas e chapéus altos e gabardina.

À saída, o público recebeu um jornal produzido por Thebe Magugu, sobre o tema da corrupção, com 20 jornalistas sul-africanos denunciadores. O designer inspirou-se para a sua coleção no livro The Whistleblowers (ou os denunciantes) da jornalista sul-africana Mandy Wiener e nos desenhos do ilustrador sul-africano Jonathan Zapiro, que foram utilizados nas estampas das camisas e calças de algodão. Particularmente emblemática é a gabardina com duas pegadas sangrentas que pingam pelos bolsos.

O resultado é uma coleção de 15 looks densos, de gaúcho-cowboy com santiags de fabrico italiano e chapéus de aba larga criados em feltro de lã pela sul-africana Crystal Birch, que faz chapéus únicos para personalidades. "É de inspiração muito ocidental, com os bons contra os maus. Em comparação com o pronto-a-vestir, o vestuário masculino é realmente outro mundo em termos de proporções e de construções. Até agora só fiz uma silhueta aqui ou ali, mas cada vez mais homens estão a comprar as minhas roupas de mulher, por isso comecei a pensar numa linha própria", explicou o designer nos bastidores.


O traje revisitado por Thebe Magugu - ph Dominique Muret


O seu guarda-roupa é dominado por lãs, malhas e algodões estampados. As túnicas são tricotadas com os mesmos tons e padrões que as calças. Uma estola vermelha e cinzenta controlada a condizer com o fato envolve a parte superior do corpo como os ponchos gaúchos. Um par de calças de lona de algodão laranja associado a uma camisa com bolsos, distingue nas coxas as abas do que parecem ser as tradicionais calças de cowboy. O mesmo detalhe é aplicado aos calções.

O sucesso não prejudicou a frescura do jovem estilista de 27 anos, que ainda mostra aqui um belo domínio, desde a criação e design das suas roupas, inteiramente produzidas na África do Sul, até ao desenvolvimento dos tecidos, para não falar da sua capacidade de destacar os talentos criativos do país natal.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.