×
350
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Almada Fórum - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Almada
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Loures Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Loures
SYSTEMACTION
Vendedor
Estágio · LISBOA
THE KOOPLES
Sales Assistant Part Time (20h) Lisboa
Trabalho temporário · LISBOA
THE KOOPLES
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
CONFIDENTIAL
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Braga - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Braga
LEVI'S
Store Manager (ds Porto)
Efetivo - CLT · Porto
MAJE
Assistant Store Manager - Colombo Lisbon m/f
Trainee · LISBOA
MARIA BY FIFTY
Marketing Digital
Estágio · BRAGA
MARIA BY FIFTY
Fashion Designer/ Grafic Designer
Estágio · BRAGA
Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
10 de abr de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Um dia na vida de um distribuidor da Amazon na linha da frente da pandemia nos EUA

Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
10 de abr de 2020

Excelso Sabulao entrega mercearias para a Amazon.com Inc, na Califórnia, para ajudar a proporcionar aos pais um rendimento. Atualmente, em plena pandemia, continuando a persistirem as interações intermináveis nas lojas e nas casas, Sabulao teme que o seu trabalho o mate.

"Estou apenas a depositar a minha fé em Deus que, de alguma forma, ao fazer isto, vou ser poupado", disse ele. "Assim que for infectado, vou espalhar a doença em casa. E é como levar a sentença de morte aos meus pais".


Trabalhadores da Amazon queixam-se da falta de proteção para COVID-19 - Reuters


Sabulao, 35 anos, é um dos incontáveis distribuidores da Amazon que fecham as embalagens de alimentos com agrafos, alimentos dos quais os consumidores dependem, com quase toda a população dos EUA sob ordens do governo de ficar em casa. No entanto, Sabulao e outros motoristas dizem que se sentem pouco protegidos pela Amazon por não lhes dar mais remuneração e proteção à altura, como trabalhadores da linha da frente numa pandemia global.

Segunda-feira (6 de abril), de manhã, Sabulao conduziu cerca de uma hora para Dublin, uma cidade na zona da Baía de São Francisco, para ir levantar as encomendas de mercearias à Whole Foods, propriedade da Amazon. O funcionário filipino vive em Stockton, com a mãe, que sofreu um derrame há três anos, e o pai, está de licença do Walmart Inc . Para Sabulao, "cuidar dos pais - vulneráveis aos efeitos do coronavírus COVID-19", disse, "faz parte da cultura filipina".

Com uma máscara facial branca, Sabulao rebocou dois carrinhos de supermercado cheios de sacos de papel castanho que foram carimbados com o logótipo da marca da Amazon Prime. Começou a carregar o próprio carro num lugar de estacionamento para o Amazon Flex, um programa que permite que distribuidores como ele se inscrevam nos prazos de entrega com os próprios veículos. Rapidamente, encheu o porta-bagagens e começou a forrar sacos e outros pacotes ao longo do banco de trás do carro.

A parte dolorosa do turno já tinha terminado. O que Sabulao mais temia, disse, era ter de ir buscar as encomendas à zona de restauração integral onde os outros motoristas esperavam lado a lado, ignorando a recomendação dos profissionais de saúde de se manterem a 1,8 metros de distância. Sabulao tem de abrir os mesmos frigoríficos de armazenamento que eles e, geralmente, não dispõe de tempo para se precaver com um toalhete descartável.

"Está a deixar-me paranóico", disse Sabulao. "Sempre a manusear coisas em que outras pessoas já puseram as mãos, e talvez já tossiram para cima - não sei".

A Amazon disse que tem luvas, máscaras e higienizadores disponíveis na loja Whole Foods de Dublin e nas suas instalações. "Continuamos empenhados em manter as nossas equipas saudáveis e seguras", afirmou a empresa, acrescentando que é necessário um distanciamento social entre os funcionários e reforçando, aos trabalhadores das entregas, para se manterem mais afastados dos clientes.


Trabalhadores da Amazon queixam-se que os salários baixos e as medidas de proteção ineficazes, não compensam o perigo a que estão expostos de contraírem COVID-19 - AFP


Sabulao tirou a máscara e começou a conduzir. Digitalizou um código nas encomendas das mercearias, utilizando o seu smartphone para ativar o destino e ser conduzido até à porta do cliente.

O trabalhador filipino quis minimizar ao máximo o contacto com o cliente. O aplicativo da Amazon permite que envie mensagens de texto aos compradores para perguntar onde deixar os produtos e compartilhar a hora estimada de chegada.

Mesmo assim, nas 21 entregas de segunda-feira, não houve tempo para evitar o confronto cara a cara. Uma mulher estava à entrada, quando Sabulao chegou e foi colocar as compras ao lado do carro dela. Noutra casa, uma cliente abriu a porta, ajoelhou-se e começou a limpar os artigos que tinha encomendado.

Mas, por vezes, o trabalho vale a pena. Sabulao lembra-se de uma generosa gorjeta, nos primeiros dias da pandemia, de um cliente que chegou a pagar até $83 por uma entrega que durou menos de 30 minutos.

Ganhou 289 dólares em mais de sete horas, na segunda-feira, mais de metade dos quais provenientes de gorjetas. Ganhar 200 dólares é normal para esse período de tempo, disse.

Cada vez mais, sente que a recompensa está a mudar. Agora, o raro pagamento por entregas a partir do armazém, significa que pode ganhar menos do que antes e teme que o seu stock pessoal de toalhetes se esgote. Deseja que a Amazon lhe faculte, a ele, e aos outros distribuidores, um higienizador.

"Estamos a arriscar as nossas vidas, literalmente, a expor a própria vida a entregar pacotes", confessou Sabulao. "Mas, desistir não é uma opção".

"Tenho contas a pagar. É isso mesmo!"
 

© Thomson Reuters 2021 All rights reserved.