×
Publicado em
2 de fev de 2015
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Uma Couromoda mais reduzida ganha com as mudanças

Publicado em
2 de fev de 2015

A indústria do calçado brasileiro experimentou, em 2014, os efeitos de um ano eleitoral, corrupção nas instituições públicas em todos os níveis e a já reconhecida queda do consumo durante a celebração da Copa do Mundo de futebol.

O consumo interno desacelerou-se sensivelmente, sendo que a cautela e até o medo ficaram claros no dia de abertura da Couromoda 2015, que, pela primeira vez, foi iniciada no domingo. Em poucas horas, o menor movimento de público em relação às previsões deu espaço a um maior otimismo. A feira decorreu pela primeira vez no Expo Center Norte, um espaço de exposições mais moderno e climatizado, e contou com desfiles de marcas muito bem organizados, além de a mostra coincidir com a feira São Paulo Prêt-à-Porter.

Foto: Couromoda


Os números superaram as expetativas dos organizadores e expositores: 84.000 visitas contabilizadas, sendo 25.000 visitantes únicos, entre eles 1.805 compradores internacionais, provenientes dos principais mercados alvo para o calçado brasileiro (América Latina, Kuaite e Estados Unidos). Na edição 2014, foram registados 35.000 visitantes.

Francisco Santos, presidente do evento, falou com o FashionMag: “É verdade que a feira está menor, fruto da evolução do país, da economia e da tendência mundial, mas a qualidade dos compradores cresceu e sua permanência na Couromoda passou de 2,4 dias para um média de 3 dias. O início do domingo, por motivos alheios a nós, foi bastante positivo. Para 2016, vamos estudar a possibilidade de iniciar o salão também no domingo”, declara o dirigente.

O número de expositores e os espaços contratados também se viram reduzidos. Ainda assim ambas as mostras receberam 850 empresas e 2.500 coleções. Nos 15 desfiles, que serão ampliados em 2016, participaram marcas como Francajel, Beira Rio, Calvest, Cravo&Canela, Kildare, Luz da Lua, Loucos&Santos, Ramarim, Werner e West Cost.

Jorge Bischoff contou com um desfile conceito individual. O designer de calçados proprietário do grupo homónimo explicou ao FashionMag: “Já são 57 lojas próprias nossas no Brasil. Há um ano, lançamos o projeto de licenças-franquias, com uma primeira abertura de loja em Montevidéu. A segunda será inaugurada a 14 de fevereiro, em Varadero (Cuba)”.

A experiência dos expositores foi bastante desigual, embora a resposta dos compradores nacionais tenha sido em geral superior à esperada. Jadir Bergonsi, gerente de exportação do Grupo Paquetá, que pela primeira vez reuniu suas 3 marcas num só estande (Capodarte, Dumond e Lilly’s Closet), comentou ao FashionMag: “o movimento de público foi menor tanto entre compradores nacionais como os internacionais”.

Segundo João Conrado, representante da Anatomic Gel (Franca/SP), “no primeiro dia atendemos novos importadores e um cliente da Arábia Saudita dobrou seu pedido para a nova coleção”.

A feira ampliou as atividades do seu Fórum com seminários, conferências sobre design e marketing, com o espaço Talk Shoe da associação setorial Abicalçados e o 19º Congresso Brasileiro do Calçado.

Nesta edição, ficou claro o novo estímulo que todos os fabricantes têm de encontrar para aumentar as exportações e neutralizar a queda do consumo no Brasil. Tanto Couromoda como Abicalçados, através do Projeto Comprador, vão realizar novas ações na próximo edição da feira.

O próximo encontro do calçado no Brasil, para a temporada mais importante do país, primavera-verão 2016, está programado para ocorrer entre 6 e 9 de julho no espaço de exposições do Anhembi, em São Paulo.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.