×
Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
10 de mar. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Unilever vai excluir palavra "normal" dos produtos de beleza como incentivo à inclusão

Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
10 de mar. de 2021

Num esforço para se tornar mais inclusiva, a Unilever  fabricante dos sabonetes Dove – vai excluir a palavra "normal" dos seus produtos de beleza e cuidados pessoais, bem como parar de fazer alterações digitais nas formas corporais e na cor da pele dos modelos de publicidade.


Reuters


A iniciativa da empresa com sede em Londres  que é uma das maiores anunciantes do mundo  acontece num momento em que esta tenta reverter as repercussões negativas que tem enfrentado com algumas das suas campanhas publicitárias.

A Unilever foi pressionada a renomear a sua marca de clareamento de pele mais vendida na Índia de Fair & Lovely (Justo & Adorável) para Glow & Lovely (Brilho & Adorável) no ano passado, depois de enfrentar o descontentamento dos consumidores por estereotipar negativamente tons de pele mais escuros.

Em 2017, a empresa enfrentou protestos nas redes sociais por causa de um anúncio do sabonete líquido Dove, que mostrava uma mulher afro a tirar a blusa para revelar a pele de uma mulher caucasiana.

Mais recentemente, um anúncio forçou a Unilever a retirar todos os seus produtos de cuidados para os cabelos da linha TRESemmé das lojas de retalho na África do Sul durante 10 dias devido a uma reação adversa.

"Sabemos que apenas remover a palavra "normal" não irá resolver o problema, mas acreditamos que é um passo importante em direção a uma definição mais abrangente do que é a beleza", disse Sunny Jain, presidente da divisão de Beleza e Cuidados Pessoais da Unilever à Reuters.

Globalmente, até março do próximo ano, mais de 100 marcas da Unilever terão a palavra "normal" removida para descrever o tipo de pele ou textura do cabelo e substituída por termos como: "cabelos grisalhos" para champôs ou "reposição de humidade" para cremes de pele.

A Unilever informou que uma pesquisa realizada com cerca de 10.000 pessoas globalmente mostrou que mais de metade dos entrevistados defende que usar a palavra "normal", para descrever cabelos ou pele, faz as pessoas sentirem-se excluídas; e 70% disseram que usar a palavra em publicidade tem um impacto negativo.

A empresa acrescentou que irá parar de alterar digitalmente a forma corporal, o tamanho, a proporção e os tons de pele dos modelos e influencers que aparecem nos anúncios de todas as suas marcas, um movimento que começou com a marca Dove em 2018.
 

© Thomson Reuters 2021 All rights reserved.